Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2021

SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO PARA UM FUTURO MELHOR - PAPA FRANCISCO

 

Este é um livro que surgiu em tempo de confinamento e que resultou de uma entrevista que o papa Francisco concedeu a Austen Ivereigh, escritor e jornalista britânico e autor de duas biografias do Papa. Da conversa que teve com o papa sugeriu-lhe a redacção de um livro que lhe desse espaço para desenvolver as suas ideias e as pôr à disposição de um público mais vasto. E assim surgiu este livro que comprei numa loja que vende jornais e revistas.

No prólogo o Papa Francisco diz-nos que em momentos de crise vê-se o bem e o mal : as pessoas mostram-se como são. Algumas dedicam tempo a servir os necessitados, enquanto outras enriquecem à custa da necessidade dos demais. Deus quer construir o mundo connosco como colaboradores a todo o momento. Convidou-nos a que nos unamos a Ele desde o princípio, em tempos de paz e em tempo de crise: desde sempre e para sempre. O futuro não depende de um mecanismo invisível e no qual os humanos não são espectadores passivos. Quando o Senhor nos pede que sejamos fecundos, que dominemos a Terra, o que está a dizer é “ sede cocriadores do futuro “. Colocamos a máscara para nos protegermos a nós mesmos e aos outros de um vírus que não podemos ver. Mas que fazemos com os restantes que não  podemos ver ?  Como podemos encarar as pandemias da fome, da violência e da mudança climática ?  Precisamos de economias que permitam a todos o acesso aos frutos da criação e às necessidades básicas da vida : terra, teto e trabalho. Milhões de pessoas perguntam a si mesmas entre si onde poderíamos encontrar Deus nesta crise. O que me vem à mente é a imagem do transbordar de um rio. Na sociedade, a misericórdia de Deus brota nestes  “ momentos de transbordo “. O transbordo encontra-se no sofrimento que esta crise deixou exposta e na actividade  com que tantos procuram responder a ela. Vejo um transbordo de misericórdia derramando-se ao nosso redor. O Papa Francisco expõe o seu pensamento ao longo do livro que está dividido em três partes: Um tempo para ver, um tempo para escolher e um tempo para agir.

1-Um Tempo para Ver-  Logo no começo o Papa Francisco faz as seguinte perguntas :  Como nos tornámos cegos à beleza da criação ? Como nos esquecemos dos dons de Deus e dos nossos irmãos ? Como podemos explicar que vivemos num mundo onde a natureza está sufocada, onde os vírus se propagam como o fogo e causam o desmoronamento das nossas sociedades, onde a pobreza mais dilacerante convive com a riqueza mais inconcebível, onde povos inteiros -como os robingyas – estão relegados para a lixeira ? Os caminhos que impedem de ver a realidade e de reagir a ela são : o narcisismo, o desânimo e o pessismismo. O Papa Francisco lembra que na Encíclica  “Laudato Si “  chama a atenção para a necessidade de uma conversão ecológica., não apenas para evitar que a humanidade destrua a natureza mas também para evitar que se destrua a si própria. E faz um apelo à “ ecologia integral “  ou seja cuidar não apenas da natureza mas também uns dos outros como criaturas de um Deus que nos ama. Por outras palavras se pensas que o aborto, a eutanásia e a pena de morte são aceitáveis o teu coração terá dificuldade em preocupar-se com a contaminação dos rios e com a destruição das florestas. É necessário um novo humanismo que possa canalizar a irrupção de fraternidade e pôr fim à globalização da indiferença e à hiperinflação do individual.

2-Um Tempo para Escolher- O Papa Francisco chama a  atenção para os princípios orientadores da nossa escolha e que constam da Doutrina Social da Igreja ( DSI ) Esses princípios são: o bem comum e o destino universal dos bens. A igreja pede-nos que tenhamos em vista o bem de toda a sociedade, o bem que partilhamos, o bem do povo no seu todo assim como os bens  a que cada um deveria ter acesso. Por outro lado toda a gente ter acesso aos bens da vida : Terra , Teto e Trabalho. Deus planeou os bens da Terra para todos sem excluir ninguém. A  DSI mencionou ainda mis dois princípios: solidariedade e subsidiariedade. A solidariedade diz-nos que temos deveres para com os outros e que somos chamados a participar  na sociedade. Isto significa perdoar dívidas, acolher os deficientes e trabalhar para que os sonhos e esperanças dos outros se convertam nos nossos.  A subsidiariedade diz-nos que devemos respeitar a autonomia dos outros, como sujeitos capazes do seu destino. Chama também a atenção para as escolhas que devemos fazer. Se queremos proteger e regenerar a Mãe Terra então temos que pôr de lado um modelo económico que considera o crescimento a qualquer preço como o seu principal objectvo. A expansão ilimitada da produtividade e do consumo vai provocar um desastre ambiental. E nós somos  parte da criação e não donos dela. Mais à frente o Papa diz que as mulheres foram as mais afectadas e mais resilientes nesta crise. São elas as que tendem a trabalhar nos sectores mais afectados pela pandemia a nível mundial. Cerca de 70% dos que trabalham na saúde são mulheres. Assume ainda como pressuposto que as mulheres qualificadas devem ter igual acesso à liderança, salários equivalentes e outras oportunidades. O Vaticano está a dar o exemplo nomeando mulheres para cargos importantes. Assim no Dicastério para  Leigos, a Família e a Vida, os dois subsecretários são mulheres; o Director do Museu do Vaticano é uma mulher e na Secretaria de Estado ou Chancelaria o subsecretário da secção para as Relações com os Estados é uma mulher.

Para dar unidade à Igreja e acabar com desacordos paralisantes o Papa no seu pontificado já convocou três Sínodos: Sobre a Família, sobre os jovens e sobre a Amazónia. A palavra sínodo vem do grego syn-odos que significa caminhar juntos. A falta de celebração da missa dominical nalgumas regiões da Amazónia não se deve exclusivamente à falta de ministros ordenados mas também à escassez de missionários  na Amazónia. Muitos sacerdotes de nove países que fazem fronteira com a Amazónia ofereceram resistência a serem enviados como missionários para a região

3-Um Tempo para Agir- O modelo do laissez faire centrado no mercado, confunde fins e meios. O lucro converte-se na meta a atingir em vez de meio para alcançar bens maiores. E a ideia de que a riqueza se progredir descontroladamente criará prosperidade para todos é falsa como já ficou provado.  As desigualdades sociais são bem latentes. A dignidade dos nossos povos exige corredores seguros para os migrantes e refugiados. Temos de acolher, promover e integrar aqueles que chegam à procura de uma vida melhor para si mesmos e família. A ideologia neodarwinista da sobrevivência do mais forte apoiada por um mercado desenfreado e obcecado pelo lucro e pela soberania individual, penetrou e endureceu os nossos corações. O populismo gera medo e semeia pânico:  são a exploração da angústia popular não são o seu remédio. E o Papa conclui que não sairemos desta crise senão aceitarmos um princípio de solidariedade entre os povos. E acrescenta: «necessitamos de políticos apaixonados pela missão de garantir para todo o povo os três T : Terra, Teto e Trabalho. Se pusermos a Terra, a habitação e o trabalho digno para todos no centro das nossas acções estaremos a restaurar a dignidade.

Veremos agora o que o Papa Francisco diz sob os Três  T:

TERRA-Os bens e os recursos da terra são destinados a todos. O ar fresco, a água limpa e uma dieta equilibrada são vitais para a saúde e o bem-estar dos nossos povos. Ponhamos a regeneração da terra e o acesso universal aos seus bens no centro do nosso futuro pós-covid.

TETO- É preciso humanizar o nosso ambiente urbano: assegurar habitações sustentáveis e adequadas para as famílias, dignificar as zonas periféricas das nossas cidades integrando-as por meio de políticas sociais.

TRABALHO- O nosso trabalho é condição fundamental para a nossa dignidade e bem-estar. Como será o nosso   futuro quando 40% ou 50% dos jovens não tiverem trabalho. O assistencialismo é por vezes necessário mas o mais importante é contribuir para uma vida digna, ganha com o seu trabalho. O Papa sugeriu ainda um rendimento básico universal ( UBI ) a todos os cidadãos que poderia distribuir através de um sistema de impostos. Sugeriu ainda uma redução do horário de trabalho, ou seja, trabalhando menos para que mais gente tenha acesso ao mercado laboral . Tudo isto em vez dos falsos pressupostos da famosa teoria do derrame segundo a qual uma economia em crescimento nos fará mais ricos a todo.

  Estas sugestões abrem caminho para um futuro melhor.

publicado por pontodemira às 19:27
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29


.posts recentes

. COMO EVITAR UM DESASTRE C...

. SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO...

. EUTANÁSIA: SIM OU NÃO

. O REGRESSO DA ULTRADIREIT...

. DEUS E O MERCADO

. A TERRA INABITÁVEL-Como v...

. CARTA ENCÍCLICA: FRATELLI...

. A Democracia em decadênci...

. BOA ECONOMIA PARA TEMPOS ...

. TUDO O QUE NÃO VEMOS- ZIY...

.arquivos

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub