Sábado, 29 de Setembro de 2018

Os grandes filósofos: Leibniz

                                        

 

1-Leibniz nasceu em Leipzig em 1646. Era filho de uma família de protestantes. Desde muito cedo aprendeu as línguas clássicas, grego e latim. Na Universidade de Leipzig onde o pai era professor estudou Direito, Filosofia e Matemática recebendo o mestrado em Filosofia. Ainda jovem leu autores escolásticos como São Tomás de Aquino e interessou-se pelos filósofos seus contemporâneos como Bacon, Hobbes , Descartes e Espinosa. A carreira diplomática deu-lhe oportunidade de percorrer vários países da Europa. Fundou várias Academias e entre elas a Academia de Ciências de Berlim. Em 1676 inventou o cálculo diferencial e desenvolveu o sistema aritmético binário que funcionou com dois signos ( 0,1) como também executou uma máquina calculadora que trabalhou com esses algoritmos. Diríamos que foi o percursor do sistema de numeração digital utilizado nos computadores. Os últimos 40 anos passou-os como bibliotecário em Hannover. Um dos seus últimos projectos foi unir as Igrejas Cristãs mas o seu plano fracassou. Morreu em 1776 em Hannover depois de uma vida de intenso labor intelectual.

2-Leibniz escreveu um leque variado de assuntos abrangendo matérias como a matemática, a física, história e sobretudo filosofia. As suas principais obras filosóficas são : Novos Ensaios sobre o Entendimento Humano , Teodiceia, Discursos da Metafísica, Princípios da Natureza e da Graça Fundados na Razão e a Monodologia.

3-Como filósofo Leibniz desenvolveu temas muito diversos que vão desde a metafísica ao conhecimento e à Teodiceia ( justificação racional de Deus ) . Irei tratar cada um deles separadamente, embora de forma sumária mas tocando nos aspectos essenciais que esclareçam o fundamental do pensamento filosófico de Leibniz

Metafísica:

Para Leibniz a realidade é composta por uma infinidade de substâncias ( Mónades ). As mónades ( em grego significa unidade ) são indivisíveis e portanto inextensas. Não têm portas nem janelas para o exterior mas têm actividade ou força própria ( vis ) A actividade das mónades determina a seguinte hierarquia:

1-Há formas substanciais ou mónades simples que asseguram a unidade dos corpos compostos. 2- Vêm depois as mónades capazes de perceber ( percepção ) própria dos animais. 3-Num plano superior temos as mónades dos espíritos capazes de reflectir e de se conhecerem a si próprio, própria dos homens. 4- No topo da escala está a mónade Divina pois Deus é o monarca do Divino Estado Espiritual

Em conclusão diria que as mónades são simples porque inextensas embora algumas também desempenhem funções complexas como perceber ( alma ) e reflectir ( espírito ). Não se relacionam umas com as outras pois são autónomas. De qualquer forma vivem na mais perfeita harmonia. E aqui surge a teoria dos relógios ( mónades ) e do relojoeiro (Deus ). Deus conseguiu desde o início regular os vários relógios e colocá-los a funcionar em completa sincronia. A isto chama Leibniz a harmonia preestabelecida.

Deus-

Para Leiniz a existência de seres contingentes e finitos postula a existência de um Ente necessário e infinito do qual tudo procede. Esse ser necessário é Deus. ( ens a se ). Se esse Deus é possível existe. Se Deus é impossível também o são todos os outros seres que existem. Se não há um ser necessário não há entes possíveis. Tal como Santo Anselmo também Leibniz demonstrou a existência de Deus através da prova ontológica

Conhecimento.

Para Leibniz há dois tipos de conhecimento: as verdades de razão e verdades de facto. As verdades de razão são verdades necessárias e baseiam-se no princípio da não contradição. São por isso verdades à priori que nada têm a ver com a experiência. Quando dizemos que dois e dois são quatro ou que um triângulo tem três ângulos, estamos a afirmar verdades evidentes à priori. As verdades de facto são verdades contingentes baseadas na experiência e no princípio da razão suficiente. São as verdades da física e da história que têm de ser comprovadas.

Resumindo: o princípio da identidade ou não contradição fundamenta as verdades necessárias, ou seja, o Ser não pode Ser e deixar de ser ao mesmo tempo. Se eu disser que o triângulo tem 3 ângulos não posso conceber um que não os tenha. Por outro lado o princípio da razão suficiente diz-nos que tem de haver uma razão para fundamentar as verdades contingentes. Tem de existir uma razão para que exista algo mais do que nada, já que algo existe.

Ideia

Todas as ideias são para Leibniz inatas e procedem da actividade interna das mónadas. Ao velho adágio latino e aristotélico que diz : “ nada está no intelecto que não tenha passado pelos sentidos, Leibniz acrescenta “ a não ser o próprio intelecto com as suas leis. “

Teodiceia-

A Teodiceia tem como objectivo justificar a existência de Deus. Se Deus é omnipotente e infinitamente bom ficamos sem saber por que existe o mal no mundo. O mal que existe no mundo pode ser metafísico, físico e moral. O mal metafísico nasce da impossibilidade do mundo e do homem serem perfeitos e infinitos. Existem atributos que pertencem exclusivamente a Deus. O mal físico pode gerar heroismo, abnegação ou altruísmo para quem procura ajudar quem sofre. O mal moral seria perfeitamente evitável.

O escritor Voltaire no livro Cândido ironiza Leibniz quando o dr. Panglos perceptor de Cândido reage perante as calamidades provocadas pelo terramoto de 1755 em Lisboa dizendo “ Tudo foi feito com a melhor das intenções no melhor dos mundos possíveis “

Conclusão:

Leibniz pertence ao grupo de filósofos racionalistas do século XVII do qual faziam parte Descartes e Espinosa. Enquanto para Descartes existiam 2 substâncias, corpo e alma, Espinosa admitia apenas uma substância da qual fazia parte Deus e toda a realidade. De maneira diferente pensava leibniz que como já referi entendia que havia uma infinidade de substâncias ( mónades)

que foram preordenadas por Deus desde o início para funcionarem em sincronia. Na filosofia de Leibiz há dois aspectos importantes a considerar: a Matemática e a teologia. O pensamento filosófico obedece aos mesmos princípios da análise e da lógica matemática. Depois Deus aparece como um ens a se ( ser necessário ) que é o princípio e a origem de tudo quanto existe.

Apesar de ser um luterano Leibniz considerava-se um” católico de coração” e fez tudo para unir católicos e protestantes mas os seus propósitos fracassaram .

publicado por pontodemira às 11:22
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30


.posts recentes

. A gratuitidade dos manuai...

. A Estranha Ordem das Cois...

. SER MORTAL

. Os grandes filósofos: Lei...

. A queda do ocidente? Uma ...

. Como garantir a democraci...

. Os grandes filósofos:Jean...

. Eutanásia: Ética e Liberd...

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds