Quinta-feira, 29 de Julho de 2021

O Século da Solidão- Como Restaurar As ligações Humanas

 

Este é o título de um livro escrito por Noreena Hertz, doutorada pela Universidade de Cambridge, economista, professora e comunicadora. Para a autora deste livro a solidão não tem a ver apenas com a crise pandémica que estamos a viver mas tem de ser encarada de um ponto de vista holístico ou seja nas múltiplas causas que estão na sua origem e nos múltiplos efeitos que está a provocar.

Logo na Introdução diz-nos que o século XXI é o século mais solitário de que temos conhecimento. A solidão existe em todos os continentes. No Japão por exemplo, os crimes cometidos por pessoas com mais de 60 anos quadruplicou nas últimas décadas. Há uma quantidade significativa de mulheres idosas que optam pela prisão como forma de escapar ao sentimento de isolamento social. Muitas descrevem a prisão como uma maneira de criarem para si uma comunidade a que não conseguem aceder em casa. No Reino Unido 2/5 de todos os idosos indicaram em 2014 que a televisão era a sua companhia principal. Em Tianjin, na China, um avô de  85 ano alcançou fama internacional em 2017 ao publicar o seguinte anúncio na paragem de um autocarro local « Homem só na casa dos 80 anos. A minha esperança é ser adaptado por uma pessoa ou uma família de bom coração. »  Tragicamente morreu 3 meses depois. Muitos vizinhos demoraram duas semanas a reparar que já não andava por ali.

E quais são os efeitos que a solidão provoca ?  A investigação mostra que a solidão é pior para a nossa saúde do que não praticar exercício físico, tão nocivo como o alcoolismo e duas vezes mais prejudicial para a obesidade. Estatisticamente a solidão equivale a fumar 15 cigarros por dia. A solidão pode também desencadear efeitos económicos e políticos. No Reino Unido, estima-se que as pessoas solitárias com mais de 50 anos custam ao Serviço Nacional de Saúde 1,8 mil milhões de libras. Por outro lado a solidão e o populismo de direita andam de mãos dadas e provocam divisões e extremismos nos EUA, na Europa e em todo o planeta.

Afinal o que é a solidão ? Podemos estar fisicamente rodeados de pessoas e sentirmo-nos sós, ou estar sozinhos e não ter solidão. A solidão tem a ver não apenas com a falta de apoio num contexto social ou familiar mas também no sentimento de termos sido excluídos política e economicamente.

Quais foram os factores que desencadearam a solidão ? As coisas não acontecem por acaso. Há uma fusão de causas e acontecimentos que explicam como nos tornámos tão solitários e atomizados. Os nossos smartphones e em particular as redes sociais desempenharam um papel determinante: roubaram a nossa atenção e afastando-a das pessoas em volta alimentaram o que há de pior em nós. A discriminação racial, étnica ou xenófoba no trabalho ou no local da residência aumenta 21% as possibilidades de solidão. A migração em grande escala para as cidades, a reorganização radical do espaço de trabalho e modificações fundamentais na forma de viver também são factores críticos. As políticas governamentais de austeridade asfixiaram bibliotecas, parques públicos, campos de jogos e centros juvenis e comunitários em várias partes do mundo. O neoliberalismo fez com que nos encarássemos a nós mesmos como competidores e não colaboradores, consumidores e não cidadãos, açambarcadores e não partilhadores, tomadores e não dadores, vigaristas e não auxiliadores, pessoas que nem sequer sabem o nome do vizinho. A verdade é que para não nos sentirmos sós precisamos de dar e receber, temos de religar o capitalismo à busca do bem-comum e colocar o cuidado, a compaixão, a cooperação no seu âmago estendendo estes comportamentos às pessoas que são diferentes de nós.

Na parte final do livro Noreea Hertz dá alguns conselhos para unir o mundo que está a desmembrar-se. Esta união só se consegue com a ajuda de todos: governo, sector empresarial e de nós todos. É necessário associar de novo o capitalismo ao cuidado e à compaixão. E tudo isto, acrescento eu , está em consonância com o que pensa o Papa Francisco.. É necessário depois criar uma forma de capitalismo mais cooperativo que produza resultados, não apenas no plano económico mas também social. É preciso  garantir uma rede de segurança social significativa  em que as metas orçamentais dos governos estejam alinhadas com o bem-estar geral dos cidadãos e que sejam consideradas as desigualdades estruturais no que toca à etnia e ao género. É fundamental também que as pessoas se sintam vistas e ouvidas. A democracia representativa tem duas consequências  inevitáveis: não são atendidas as preocupações de toda a gente e nem todas as opiniões recebem o mesmo grau de atenção. Por mais atomizados e polarizados  que estejam os países, as cidades e as comunidades é passando o tempo com as pessoas diferentes de nós e exercitando os nossos músculos de cooperação, compaixão e consideração que podemos sentirmo-nos mais interligados e desenvolvermos uma noção de destino partilhado e de pertença.

 A autora termina o livro dizendo que o futuro está nas nossas mãos. Precisamos de nos apressar menos e de parar mais par conversar, quer seja com o vizinho por quem passamos tantas vezes, mas a quem nunca dirigimos a palavra, um desconhecido que se perdeu ou de alguém que se sente visivelmente só. Precisamos de nos libertar das nossas auto-asfixiantes bolhas de privacidade digitais  e relacionarmo-nos com as pessoas à nossa volta. E para finalizar conclui: « quanto mais negligenciarmos a nossa responsabilidade menos competentes seremos a fazer todas estas coisas e menos humana será a nossa sociedade. O antídoto para o Século da Solidão em última análise é apenas estarmos sempre disponíveis para o outro, independentemente de quem esse outro seja.

 

 

publicado por pontodemira às 22:07
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. A DIVINA COMÉDIA

. O Século da Solidão- Como...

. SOBRE O FUTURO ( Perspect...

. AQUILO EM QUE CREIO

. COMO EVITAR UM DESASTRE C...

. SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO...

. EUTANÁSIA: SIM OU NÃO

. O REGRESSO DA ULTRADIREIT...

. DEUS E O MERCADO

. A TERRA INABITÁVEL-Como v...

.arquivos

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub