Quinta-feira, 25 de Agosto de 2022

O REGRESSO DA HIPÓTESE DE DEUS

O REGRESSO DA HIPÓTESE DE DEUS

Este é o título de um livro escrito por Stephen C. Meyer doutorado em filosofia da Ciência pela Universidade de Cambridge. Antes de assumir as funções de director do Centro de Ciência e Cultura do Discovery  Institute em Seatle dedicou-se à geofísica e ao ensino universitário.

Durante a Idade Média na Europa uma grande parte das pessoas acreditava  na existência de um Deus criador do Universo e da vida na Terra. Mas no período Iluminista a razão humana e a ciência afastavam a crença religiosa gerando um cepticismo em relação à existência de Deus. Ascensão do materialismo científico criou uma mundivisão baseada na ciência que colocava a matéria e a energia, e não Deus, como a realidade fundamental de onde decorre tudo o resto. Em 1854 Darwin escreve  o livro “ A Origem das Espécies” e nele esclarece que os organismos vivos através da selecção natural sofrem variações aleatórias o que explica a  adaptação dos mesmos ao ambiente sem ser necessário recorrer a um agente inteligente ou director.

Por volta de 2006 apareceu um grupo de cientistas e filósofos conhecidos por Novos Ateus que deu início à publicação de uma série de livros de grande sucesso comercial como a  “ Desilusão de Deus “ de Richar Dawkins, que defendeu que a ciência minava a crença em Deus. A este cientista juntaram-se outros como Victor Stenger e Stephen Hawking. Mas o autor do livro, Stephen Meyer, diz-nos que há três descobertas científicas fundamentais que suportam a confiança teísta daquilo a que se chamaria « O Regresso da Hipótese de Deus » : ( 1)  evidência da cosmologia que sugere que o Universo teve um começo;  ( 2) evidência da física que mostra que, desde o início, o Universo foi « afinado » para permitir a possibilidade de vida; ( 3) a evidência da biologia que estabelece que, desde o início surgiram na nossa biosfera grandes quantidades de nova informação genética funcional para possibilitar novas formas de vida-  o que implica a actividade de uma inteligência arquitecta. Ao estudo de cada evidência dedicou Stephen Meyer um capítulo, tendo depois inferido as seguintes hipóteses: 1- Hipótese de Deus e o princípio do Universo ; 2- Hipótese de Deus e o desígnio do Universo ; 3- Hipótese de Deus e  o Desígnio da Vida.

1-Hipótese de Deus e o Princípio do Universo. Antes da descoberta do começo do Universo os materialistas sentiam-se confiantes e afirmavam que o Universo era eterno e necessariamente existente e que não precisava de explicação causal. Embora os teístas não possam dizer previamente que Deus terá criado definitivamente um Universo que exibisse evidência de um começo temporal, reconheceram que a evidência desse começo é mais provável sendo dado o teísmo do que sendo dado o naturalismo.

2-A Hipótese de Deus e o Desígnio do Universo. Nenhum ser inteligente surgido após o começo do Universo poderia ter estabelecido as condições iniciais do Universo de que dependia a sua evolução e existência  posteriores . O tipo de  inteligência necessária para explicar a afinação do Universo  deve, de algum modo, preexistir ou existir independente do Universo material. Tanto o teísmo como o deísmo concebem Deus como uma existência independente do Universo material- quer num domínio eterno e e intemporal, quer no domínio do tempo independente do tempo do nosso  Universo. Ambos podem explicar (1) a origem do Universo no tempo ( ou seja no começo ) e (2) a afinação do Universo desde o começo do tempo.

3-A Hipótese de Deus e o Desígnio da Vida  O ADN de uma célula ou de um ser vivo tem uma complexidade semelhante ao software de um computador. Se o software de um computador tem na sua origem um programador também uma célula ou um ser vivo não nasce do nada mas de uma superinteligência que os teístas e deístas atribuem a Deus. E qual é  a diferença entre o teísmo e o deísmo ? O deísmo nega qualquer actividade divina no mundo natural após o primeiro momento da criação. Contudo a maioria dos evolucionistas teístas pensa que Deus sustenta activamente o funcionamento ordenado da natureza- as leis da natureza-  momento a momento.

Na parte final do livro Stephen C Meyer transcreve uma passagem do Livro Existencialismo e Humanismo  de Sartre em que ele diz que um Universo sem um Deus pessoal transcendente- ou um ponto de referência infinito – deixava as pessoas num estado de angústia, abandono e desespero. Angústia, porque podem nunca vir a saber se escolheram valores certos, pois não há um critério pelo qual julgar as escolhas ; abandono porque estamos verdadeiramente sozinhos nas escolhas e nenhuma fonte externa ou deus transcendente pode conferir sentido duradouro à nossa existência; e desespero porque o mundo que nos rodeia  pode não cooperar com as escolhas que fazemos.  Afinal de contas, se Deus não existe , não há critério pelo qual julgar essas escolhas. Ora não só o teísmo resolve muitos problemas filosóficos, como também a evidência empírica do mundo material aponta fortemente para a realidade de uma grande mente por trás do Universo. O nosso Universo belo, expansivo e afinado e a complexidade delicada, integrada e informacional dos organismos vivos são testemunhas da realidade de uma inteligência transcendente- um Deus pessoal. Assim não precisamos de « inventar » Deus ou sequer aceitar a existência de um Deus, como mera necessidade filosófica. Ao invés, reflectir sobre essa evidência pode permitir descobrir- ou redescobrir- a realidade de Deus. E de facto, se esta descoberta é uma boa notícia- não estamos sós num vasto Universo impessoal e sem sentido-  o produto da  « indiferença cega e impiedosa». Pelo contrário, a evidência aponta para uma inteligência pessoal por trás do mundo físico que observamos.

publicado por pontodemira às 22:00
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. A TARDE DO CRISTIANISMO- ...

. LIBERALISMO E SEUS DESCON...

. UMA TEORIA DA DEMOCRACIA ...

. O REGRESSO DA HIPÓTESE DE...

. ATÉ QUANDO IRÁ DURAR A GU...

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

.arquivos

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub