Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019

A tragédia da União Europeia: Desintegração ou Renascimento

 

Este é o título de um livro publicado pelo Círculo de Leitores ( Temas e Debates ) e em que o  um jornalista da Revista Der Spiegel entrevista o economista George Soros sobre assuntos relacionados com a economia global e particularmente com a situação política da União Europeia.

George Soros nasceu na Hungria, estudou na London School of Economics e depois emigrou para Nova Iorque. É um dos homens mais ricos do Mundo com uma fortuna avaliada em 20 mil milhões de dólares em activos financeiros. Soros é também um filantropo e fundador de um rede global de fundações dedicadas à promoção de sociedades  abertas .

Nas entrevista atrás referida o jornalista coloca a Soros as seguintes questões-chaves sobre a Europa:

A União Europeia acredita nos ideais que levaram à sua fundação ? ;  Qual foi a causa da crise do euro e o que podemos aprender com os erros cometidos ? ;-Qual é a relação entre a política e os mercados ? ; - Para onde se dirige a União Europeia ? .

A todas estas questões Soros responde objectivamente  com base nos conhecimentos e  na experiência pessoal, esclarecendo o seguinte:

  • A União Europeia criou dois problemas, um político e outro financeiro. O problema político é que a União Europeia que foi concebida para ser uma associação voluntária de Estados iguais se converteu numa relação entre credores e devedores em que, quando os devedores não conseguem pagar os credores ditam os termos. Isto proporciona aos credores uma muito maior influência sobre as políticas dos países devedores do que estes têm na política dos países credores. O problema financeiro é  que a Alemanha para manter as suas obrigações a um nível mínimo força os países devedores a equilibrar os seus orçamentos, o que é a política errada em tempos de procura insuficiente quando se devia estimular a economia
  • A Alemanha receia transformar-se no bolso sem fundo da Europa numa união de transferência. Esta atitude tem sido fatal para a União Europeia. Se pensarmos em Estados-Nações normais cada país é de alguma forma uma  “ união de transferência”. São sempre as áreas mais produtivas e bem sucedidas de um país que têm de apoiar as regiões menos desenvolvidas. Normalmente são as áreas urbanas industrializadas a suportar as regiões rurais mais atrasadas. Se a chanceler Merkel estivesse realmente empenhada em preservar a União Europeia, a melhor forma de o fazer seria a criação de uma união bancária suportada por garantias pan-europeias e algum tipo de me mercado obrigatoriamente mutualizado.
  • A crise do euro foi consequência directa da crise de 2008 e revelou falhas graves na construção do euro. Os países desenvolvidos com os seus próprios bancos centrais não incumprem, porque podem sempre imprimir dinheiro. As suas divisas podem desvalorizar normalmente mas o risco de incumprimento não surge. Para Soros a forma de salvar o euro seria a criação de eurobonds. Todas as dívidas públicas existentes seriam convertidas em eurobonds mas cada país seria responsável pelas suas próprias dívidas.
  • No fim da última entrevista Soros diz que a oportunidade de introduzir transformações radicais nas regras de supervisão do euro fechou-se. A partir de agora as negociações serão meramente para alterações de pormenor. Com o Brexit deu-se um passo enorme em direcção à desintegração da União Europeia. A França é para Soros o doente da Europa. Foi dispensada de prémios de risco penalizantes devido à sua associação com a Alemanha mas o seu desempenho económico é inferior ao da Itália e da Espanha. A União Europeia perdeu a capacidade de propor mais adesões porque ela própria está em processo de desintegração. Isto reduziu drasticamente a sua influência no Mundo. A Rússia beneficiou do facto da Europa estar desunida e agora está a emergir como uma ameaça para a Europa. O número crescente de crises políticas por resolver em todo o mundo é um sintoma do colapso na governação global.  Enquanto os problemas estruturais da união monetária não forem resolvidos e não for dada aos países atingidos pela crise uma verdadeira oportunidade para restabelecerem a sua competitividade a crise não terá fim. De tudo o que foi dito conclui-se que a concepção da moeda única teve muitas falhas. Todos sabiam que era uma moeda incompleta ; tinha um banco central mas não tinha um erário comum. A crise de 2008 veio revelar muitas outras deficiências. A mais importante foi  que ao transferir o direito de imprimir dinheiro para um banco central independente, os países-membros correm o risco de incumprimento com os seu títulos de dívida .Ao transferir  um direito par um banco central independente que nenhum Estado-membro controla, os Estados-membros colocam-se na posição de países do Terceiro Mundo que contraíram divida em moeda estrangeira. Em vez de uma associação entre iguais, a Zona Euro ficou dividida entre duas classes: credores e devedores. Numa crise financeira, são os credores que mandam. As políticas que estão a impor perpetuam a divisão porque os devedores têm de pagar prémios de riscos não apenas sobre os títulos de dívida como também no crédito  bancário. O custo adicional de crédito, que é um fardo recorrente, torna praticamente impossível que os países altamente endividados recuperem a competitividade.

Para terminar a análise exaustiva de George Soros eu acrescentava que o crescimento por toda Europa de partidos populistas e xenófobos  vai aumentar ainda mais o risco de uma desintegração europeia.  Esperemos que haja uma reversão desta tendência e que a união política e o consenso prevaleça para bem da Europa.

publicado por pontodemira às 22:47
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30


.posts recentes

. NÓS CONTRA ELES ( O fraca...

. O DECLÍNIO DO OCIDENTE

. Cmo Revitalizar Uma Econo...

. Trump e a política anti-i...

. Tentações e Pecados De Al...

. Breve História da Ideolog...

. A SEXTA EXTINÇÃO

. Os Grandes Mestres da Psi...

. A tragédia da União Europ...

. Fascismo ( Um Alerta )

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds