Terça-feira, 21 de Setembro de 2010

DA RAZÃO À FÉ

 

Durante muitos anos li a Bíblia, sobretudo o Antigo Testamento, e confesso que muitas coisas fugiam à minha compreensão ou eram para mim obscuras. Expressões como “ passar ao fio da espada e incitamentos à guerra e à violência não se coadunavam com a ideia de um Deus bondoso e cheio de misericórdia ou da doutrina de Jesus que mandava perdoar setenta vezes sete.  Também não compreendia a criação do Mundo em sete dias como vem no Génesis quando a Ciência nos diz que tanto a Terra como o Homem foram o resultado de milhões de anos de evolução. Como era possível  Josué   mandar parar o Sol, para vencer o inimigo, quando a teoria heliocêntrica nos diz que o Sol está parado e é a Terra que gira à volta do Sol.

Tudo isto espicaçava a minha curiosidade de saber mais e por isso dediquei algum tempo a ler os comentários à Bíblia do prestigiado teólogo Padre Carreira das Neves e a análise de temas religiosos escritos por Frei Bento Domingues e pelo Padre e professor de filosofia Anselmo Borges. Comecei então a ver tudo mais claro e a minha fé ficou também mais esclarecida. Compreendi, então, que a Bíblia não pode ser interpretada à letra e os textos têm de ser lidos dentro do contexto histórico e cultural da época em que foram escritos. Fiquei a saber que para o povo hebraico a doença era uma consequência do pecado e de um castigo de Deus. Aprendi ainda que a Bíblia não é um livro de ciência nem um relato fotográfico de acontecimentos históricos. Se os autores  foram inspirados por Deus isto não quer dizer que os textos tenham sido ditados à letra para serem escritos. O que a Bíblia nos transmite é que Deus acompanhou sempre o seu povo ao longo da História , nos bons e nos maus momentos.

No Antigo Testamento Deus é  exclusivo do povo judeu. Mas com Jesus Cristo ninguém é excluído do Reino de Deus : os pagãos ( não judeus ) e os pecadores que se arrependessem. Também no Novo Testamento, e aqui passo a citar o Padre Carreira das Neves , aparecem textos que  “ não foram pronunciados por Jesus mas pela Igreja de Jesus . Isto não significa que tais textos deixem de ser palavra de Deus, significa apenas que devem ser entendidos à luz da intenção do próprio texto, a intenção do narrador. “ Os evangelistas não foram testemunhas presenciais de Jesus e escreveram os textos com base na tradição oral e de pequenos fragmentos escritos que certamente circulavam de mão em mão.  Para concluir diria que a Bíblia é um livro em que Deus está presente na História desde o começo do Mundo até ao Juízo Final. Ele é o alfa e o ómega

Ao longo dos anos e à medida que aprofundei os meus conhecimentos e a minha fé tornou-se mais esclarecida. A razão também deu uma boa ajuda. Pensar nas maravilhas do Universo, apreciar um concerto musical ou olhar deslumbrado para uma bela pintura tudo isto me encaminha inevitavelmente para o Supremo artista que é Deus.

A este propósito queria aqui referir um livro que apareceu recentemente nas livrarias : “ Deus ( não ) existe , do filósofo inglês Antony Flew. Este autor foi durante 50 anos ateu, escrevendo e argumentando contra a existência de Deus.  Uma das razões que o conduziu ao ateísmo foi o problema do mal. Assim, não entendia que um deus omnipotente e perfeitamente bom fosse compatível com os males e imperfeições do mundo. Por outro lado a defesa do livre-arbítrio não desresponsabilizava o Criador dos óbvios defeitos da criação. Mas os avanços da ciência e acreditando nos progressos da filosofia e no princípio que Platão no livro  República pôs na boca de Sócrates, segundo o qual devemos seguir a razão para onde quer que ela nos leve, Antony Flew mudou de opinião e passou a admitir a existência de Deus.

Quais foram os avanços da Ciência que o levaram à descoberta de Deus ? É o que passaremos a analisar.

Em primeiro lugar o material sobre o ADN mostra uma complexidade inacreditável de combinações necessárias para produzir vida. Isso leva a considerar que uma inteligência teve de estar envolvida para que todos esses elementos funcionassem em conjunto. A forma com esses elementos interagem leva a essa conclusão. A possibilidade de uma combinação casual é mínima. Por outro lado a selecção natural de Darwin não produz seja o que for. Apenas elimina ou tende a eliminar o que não é competitivo. Em relação à teoria do gene egoísta de Dawkin, o filósofo Antony Flew diz que os genes não governam nem podem governar a nossa conduta, não são capazes de cálculo e discernimento necessário para arquitectar qualquer conduta.

Para explicar a origem do Universo a Ciência aponta para a teoria do Big Bang ou seja de uma grande explosão. Se tudo começou assim há que admitir um “ princípio antrópico “ segundo o qual as leis da natureza foram cuidadosamente desenhadas para o aparecimento e a manutenção da vida.  É que se a velocidade da luz ou massa de um electrão fosse ligeiramente diferente, nenhum planeta capaz de dar lugar à evolução humana poderia ter-se formado. Ainda relativamente à Ciência, Antony Flew põe em destaque três dimensões da natureza que apontam para Deus :a primeira é o facto da natureza obedecer a leis ; a segunda é a existência de seres vivos organizados e com propósito que surgem da matéria ; a terceira tem a ver com a existência da própria natureza. Estas questões suscitam três tipos de perguntas :

1-Como surgiram as leis da natureza ?

2-Como é que o fenómeno da vida surge da não vida ?

3-Como é que o Universo ou a Natureza física começou a existir ?

Na sua argumentação cita outros cientistas um dos quais Gerard Schroder que diz o seguinte “ a existência de condições favoráveis à vida não chegam para implicar a origem da vida. A vida só consegue sobreviver dadas as condições favoráveis do nosso planeta ; mas não há lei da natureza que dê instruções à matéria para produzir entidades dirigidas para fins e que se auto-reproduzem “

 Na parte final do seu livro Antony Flew chega às seguintes conclusões : “ as leis da natureza, a vida e  a sua organização teleológica ( orientada para fins ) e a existência do Universo podem apenas ser explicados à luz de uma Inteligência que explica tanto a sua própria existência como a do mundo. Uma tal descoberta do Divino não provém de experiências científicas ou de equações , mas de uma compreensão das estruturas que elas revelam e mapeiam. Volto a dizer que a viagem da minha descoberta do Divino foi até aqui uma peregrinação da razão. Segui a razão até onde ela me levou. E levou-me a aceitar a existência de um Ser auto-existente ,imutável ,imaterial, omnipotente e omnisciente.

 

Também para mim a Fé não é superstição nem crendice. É pela razão que chego ao transcendente. Deus é para mim uma questão racional.

 

Francisco  Martins

publicado por pontodemira às 09:40
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eutanásia: Ética e Liberd...

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

. Sapiens: Breve História d...

. Três realidades distintas...

. O financiamentodos partid...

. A globalização em análise

. Democracia, populismo e x...

. Democracia,populismo e xe...

. Os incêndios florestais (...

.arquivos

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds