Quinta-feira, 6 de Maio de 2010

SINAIS DE ALARME EM TEMPO DE CRISE

 

Uma agência de rating internacional acaba de fazer uma avaliação negativa das finanças de Portugal, agravando uma vez mais o risco da dívida pública a longo prazo. Será que esta análise tem fins especulativos e se destina a obter mais lucros aumentando os juros de quem nos concede crédito ou assenta em dados realistas e corresponde à verdade ?

 

Não há dúvida que as finanças e a economia de Portugal estão em baixo por motivo da crise internacional mas também por erros que se foram cometendo ao longo de vários anos.  É fácil verificar que a nossa competitividade é fraca, o crescimento económico reduzido e a dívida pública vem aumentando de ano para ano a níveis preocupantes.

 

Para inverter este estado de coisas há várias vias possíveis: reduzir a despesa do Estado aumentar os impostos  ou as duas coisas simultaneamente.  Antes de aumentar os impostos, que  deve ser encarado como o último recurso, a primeira prioridade seria reduzir a despesa pública corrente através das seguintes medidas: cortes nos orçamentos de cada ministério e no número de assessores de cada ministro, venda das empresas públicas que não dêem lucro  e não tenham utilidade pública , corte nas regalias de políticos e deputados , redução para níveis aceitáveis dos ordenados dos gestores públicos e acabar com as duplas e triplas reformas . Estes são alguns exemplos do que se poderia fazer de imediato.

 

Mas a crise só poderá ser debelada se forem também tomadas medidas positivas como o investimento público. É por este meio que se poderão criar postos de trabalho e produzir riqueza. Se não for feito um esforço para aumentar as nossas exportações  ficaremos dependentes do exterior e a  dívida pública continuará a subir imparavelmente. O Estado tem pois de contribuir para que se criem as condições estruturais que tornem a nossa economia competitiva. O investimento público é pois necessário mas para a aplicar em pequenas obras -  reparação e melhoramento de estradas, construção de escolas, hospitais e obras de restauro urbano – ou para obras que tragam retorno a médio e longo prazo.  As grandes obras como o TGV deviam ser adiadas para quando a situação financeira de Portugal o permitisse. Não faz sentido que se vá agravar ainda mais a dívida do país com uma obra que provavelmente não vai ser rentável. Imaginemos uma pessoa que está endividada e mesmo assim não hesita  em pedir dinheiro ao Banco para construir uma casa, hipotecando, como garantia, todos os seus bens.  O mais provável é ficar sem nada e ainda por cima mais pobre do que estava. O mesmo acontecerá a Portugal se porventura se deixar seduzir pelo TGV.

 

Interligado com o investimento público  estão as fontes de financiamento, sempre que precisamos de dinheiro para cobrir o défice orçamental. O Estado poderia obter internamente o dinheiro que precisa a taxas de juro mais baixas. Bastaria que incentivasse a poupança subindo as taxas de juro dos Certificados de Aforro, Obrigações do Tesouro e depósitos a prazo, que actualmente se encontram a níveis pouco atractivos.

Se estas medidas não derem efeito teria então que se ir para outras mais drásticas como o congelamento do 13º mês.

 

Esperemos que o PS e o PSD se entendam e cheguem a um acordo sobre aquilo que é urgente implementar para reduzir gradualmente o défice e a dívida pública de forma a não ter que se recorrer no futuro a soluções mais gravosas  para os portugueses. Vamos fazer votos para que impere o bom senso e o sentido de Estado.  Não me parece que a revisão da Constituição seja uma prioridade como alguém quer. Se o país não se desenvolveu não foi por causa da Constituição. Também não me parece que a Constituição possa constituir um impedimento para que se executem de imediato as reformas que é urgente fazer.

 

FRANCISCO JOSÉ SANTIAGO MARTINS

publicado por pontodemira às 20:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


.posts recentes

. A queda do ocidente? Uma ...

. Como garantir a democraci...

. Os grandes filósofos:Jean...

. Eutanásia: Ética e Liberd...

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

. Sapiens: Breve História d...

. Três realidades distintas...

. O financiamentodos partid...

. A globalização em análise

.arquivos

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds