Terça-feira, 30 de Março de 2010

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

 

Longe vai o tempo em que o professor mandava na escola. Lembro-me  do mestre ensinar com autoridade ( magister dixit ) por vezes despejando conhecimentos que os alunos tinham que empinar . A criatividade e a liberdade dentro da sala de aulas eram praticamente nulas, pois o professor falava quase sempre “ ex cathedra “ sem interagir com os alunos. O diálogo e a comunicação, como método de trabalho, ou não existiam ou eram uma excepção à regra. Para manter a disciplina, corrigir erros e estimular o trabalho recorria-se por vezes à régua e à vara. E não era só na escola primária. Recordo que no meu 5º ano do liceu um professor de História recorria à chapada para avivar a memória dos alunos. No seminário, que também frequentei , conheci um padre , que usava as mãos para meter na cabeça dos alunos as declinações latinas.  Havia também os padres designados por prefeitos que fiscalizavam atentamente as salas de estudo e eram pródigos a dar murros aos alunos que não se sentavam direitos nas carteiras. Chamava-se a isto  disciplina escolástica  em que o actor principal nas salas de aula era o professor.

 

Hoje deu-se uma rotação de 360º e virou-se a escola de pernas para o ar. Do 8 passou-se ao 80. Os alunos mandam na sala de aulas e fazem o lhes vai na real gana. Brigam e insultam-se uns aos outros  e até se dão ao luxo de agredir os professores. Afinal  o que está na origem da indisciplina nas escolas ?  Será possível manter a ordem sem recorrer ao castigo ?

 

Antes de mais é preciso não esquecer que a educação deve começar em casa com os pais. Se não há ordem nem respeito em família também não podemos esperar que isso aconteça na escola. Os bons pais não são os permissivos ou sejam os que deixam fazer tudo aos filhos. Também não são bons pais os que não se interessam pelo que se passa na escola nem pelo aproveitamento escolar dos educandos. O laxismo, o deixa andar, não é forma recomendável para quem educa.

 

 Na escola há que  reconhecer ao professor a  autoridade para impor a disciplina na sala de aulas. Isso de forma alguma implica o recurso ao castigo físico. Os desvios comportamentais deverão ser comunicados em primeiro lugar à família. Os pais que não aceitem as recomendações dos professores e vivam à margem da escola deveriam ser penalizados. Uma das sanções a aplicar seria , por exemplo. o corte do abono de família. Nos casos mais difíceis haverá sempre o recurso ao psicólogo escolar que  acompanhará os alunos de forma a encontrar as soluções mais adequadas para cada caso. Poderá mesmo haver turmas especiais para os casos mais complicados evitando a indisciplina nas aulas que prejudica quase sempre os alunos mais aplicados.

Nos intervalos das aulas impõe-se que os empregados e até mesmo os professores observem o comportamento dos alunos. Assim, evitar-se-iam agressões pessoais e actos de violência.

 

 É um facto que a exclusão social pode originar casos de agressividade, de rebeldia à ordem e ao bom funcionamento da Escola. Mas tudo se consegue resolver com o apoio social e psicológico. Na década de cinquenta do século passado muitos alunos que frequentavam as escolas eram oriundos de famílias pobres e eram raros os casos de violência e de falta de respeito aos professores. Não havia como hoje estatutos - para alunos e professores- e a escola funcionava sem grandes problemas.

 

Uma coisa que é preciso rever e ter na devida conta é o conceito de escola. A escola não deve apenas transmitir conhecimentos mas educar. É preciso que os alunos sejam formados segundo princípios cívicos e éticos. É necessário  que  aprendam a respeitar e ajudar os mais idosos ou os que por doença ou acidente tenham  deficiências físicas ou psíquicas. Tudo isto é fundamental se quisermos preparar os alunos para a  vida e construir uma sociedade mais sã.

 

FRANCISCO  MARTINS

 

 

publicado por pontodemira às 22:17
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Análise crítica ao livro:...

. Sapiens: Breve História d...

. Três realidades distintas...

. O financiamentodos partid...

. A globalização em análise

. Democracia, populismo e x...

. Democracia,populismo e xe...

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

.arquivos

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds