Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

PRESIDENCIAIS-ALEGRE DECIDE ARRANCAR

 

Manuel Alegre  afirmou  estar disponível para se candidatar à Presidência da República.  A decisão final não vai tardar. O Bloco de Esquerda pela voz de Francisco Louçã já confirmou o seu apoio incondicional a Alegre e outra coisa não seria de esperar. O Partido Socialista vai assim ficar entre a espada e a parede sendo a margem de manobra para escolher outro candidato muito reduzida. Uma boa escolha seria António Guterres mas duvido que deixe o trabalho na ONU, onde granjeou fama e prestígio, para se voltar novamente para a política.

 

Ninguém põe em causa que Manuel Alegre tem um bom currículo político para ser Presidente da República. Foi antifascista no período da ditadura e deputado pelo PS, durante largos, anos na Assembleia da República. Além disso é poeta e um homem de grande cultura humanística.   Mas é preciso não esquecer que deixou anti-corpos no PS quando entrou em rota de colisão com Mário Soares nas últimas presidenciais. Por outro lado tem um perfil marcadamente ideológico e colado à esquerda mais radical como é o caso do BE. Diria ainda que é um utopista, dos que acreditam que quanto mais Estado melhor.

 

No regime semi-presidencialista que temos cabe ao Presidente da República o papel de árbitro e moderador de conflitos, quando eles existam. A ele pertence a responsabilidade de garantir o bom funcionamento das instituições democráticas. Se um governo é maioritário o Presidente da República tem o seu papel mais facilitado. Mas quando não há uma maioria no parlamento, como é o caso do momento que estamos a viver, então a situação complica-se, e aqui sim, o mais alto magistrado da nação pode ter mesmo de aconselhar e até de intervir para que os partidos se entendam

 

O que o Presidente da República não pode fazer é governar. Por isso seja qual for o candidato que vier a ganhar as presidenciais jamais poderá imprimir ao governo uma orientação política de esquerda ou de direita. Uma coisa é certa, o candidato que o PS escolher terá de ir buscar votos ao centro se quiser ganhar as eleições. Manuel Alegre não me parece que vá conseguir esse objectivo por se encontrar demasiado colado ao BE. Pior do que isso, é ainda o facto de haver muita gente no PS que não vai votar nele. As guerras fratricidas do passado vão levar tempo a sarar. Sendo assim Alegre tem poucas possibilidades de fazer o pleno da esquerda nas próximas eleições presidenciais.

 

Francisco Louçã já disse à comunicação social que Manuel Alegre não é um candidato do BE e que a sua candidatura é supra-partidária. É essa a imagem que se vai querer passar durante a campanha presidencial.  Há muita gente que se encontra desiludida com os partidos políticos e ,agora mais do que nunca, devido à crise económica e ao desemprego que não pára de aumentar e já atinge níveis preocupantes.  Então é bom criar a ilusão de que um presidente da república, acima dos partidos políticos poderá ser o Messias que vai salvar o país e resolver todos os problemas. Mas o regime que temos não é presidencialista e por isso toda a argumentação utilizada não passa de pura retórica para atrair eleitores. No tempo de Sá Carneiro o slogan que convinha usar para dar estabilidade governativa era a trilogia: Um presidente, um governo e uma maioria. Hoje ainda há quem pense da mesma maneira, embora esse objectivo seja difícil de alcançar. Mas se a democracia não funcionar com o regime parlamentar que temos , então a melhor maneira é alterar a Constituição e passarmos para o regime presidencialista. Será preferível do que andar a criar ilusões aos eleitores.

 

 

 

 FRANCISCO MARTINS

 

publicado por pontodemira às 21:36
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


.posts recentes

. A queda do ocidente? Uma ...

. Como garantir a democraci...

. Os grandes filósofos:Jean...

. Eutanásia: Ética e Liberd...

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

. Sapiens: Breve História d...

. Três realidades distintas...

. O financiamentodos partid...

. A globalização em análise

.arquivos

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds