Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021

THOMAS PIKETTY- PELO SOCIALISMO

 

Este é um livro escrito por Thomas PiKetty que nasceu em França e é professor catedrático na École des hautes Études  em Sciences Sociales e professor da École d´Économie de Paris.

Em 1992 o filósofo nipo-americano Francis Fukuyama publicou o livro “ O Fim Da História “. Com este livro o autor pretendia mostrar que o capitalismo neoliberal de mercado livre era um sistema perfeito e não era possível ir mais longe. Mas a recessão económica de 2008 veio provar o contrário. Se não tivesse havido intervenção do Estado seria uma verdadeira catástrofe.

Também o economista Thomas Piketty refere que se em 1990 lhe tivessem dito que em 2020 publicaria um livro intitulado “ Pelo Socialismo “ pensaria de imediato que seria uma piada de mau gosto. Aos 18 anos acabara de passar o Outono de 1989 a ouvir, na telefonia, o desmoronamento da ditadura comunista e do «Socialismo real » na Europa de Leste. Só que 30 anos depois, em 2020  o hipercapitalismo foi demasiado longe e, agora está convencido de que devemos pensar numa superação do capitalismo, numa nova forma de socialismo participativo e descentralizado, federado e democrático, ecológico ,miscigenado e feminista. Para lá chegarmos é preciso uma longa marcha para a igualdade e para um socialismo participativo. E essa marcha também já começou. Durante o século XX  as desigualdades tiveram uma forte redução graças às políticas sociais e fiscais. A concentração da propriedade ( e por conseguinte do poder económico ) apresentou uma nítida diminuição ao longo do século XX. As reduções das desigualdades patrimoniais foi feita sobretudo em benefício da classe média patrimonial. Como entender esta evolução ?  Para além das destruições de património privados ligados às duas guerras mundiais há que ter em conta as transformações consideráveis do sistema jurídico, social e fiscal introduzido no século XX em numerosos países europeus. O crescimento do Estado Social aumentou o investimento em educação, saúde e nas prestações de reforma e invalidez. Neste momento para termos um socialismo participativo é necessário fazer circular o poder e a propriedade. Para atingir a igualdade real é necessário uma melhor partilha do poder nas empresas. Na Alemanha e na Suécia o movimento sindical e os partidos sociais democratas conseguiram impor aos accionistas em meados do século XX uma nova partilha de poder sob a forma dos chamados sistemas de « cogestão »: os representantes eleitos dos assalariados dispõem de metade dos lugares nos conselhos de administração das grandes empresas, mesmo na ausência de qualquer participação do capital. Piketty defende ainda uma herança mínima para todos, que em termos concretos poderia ser da ordem dos 120 000 €, entregues aos 25 anos. Esta herança para todos seria financiada pelo imposto sobre a propriedade e sobre as sucessões. O sistema fiscal ideal implicaria um imposto progressivo sobre as sucessões que arrecadaria  5% do rendimento nacional e financiaria a herança para todos e por outro lado um sistema integrado de imposto progressivo sobre o rendimento e um imposto de carbono que arrecadaria 45% do rendimento nacional e financiaria o conjunto de outras despesas públicas( saúde, educação, pensões de reforma, rendimento mínimo ). De nada serve circular o poder se forem mantidos os mesmos objectivos económicos. Só se pode considerar uma sociedade justa se houver acesso universal a um conjunto de bens fundamentais: educação, saúde, reforma, habitação, ambiente. E só poderá haver outra organização da globalização através de um Social-federalismo. É perfeitamente possível avançar de uma forma gradual para um socialismo  fazendo evoluir o sistema jurídico, fiscal e social no interior deste ou daquele país  sem ficar à espera da unanimidade do Planeta. A Alemanha e a Suécia não esperaram pela autorização da EU ou das Nações Unidas para porem em vigor a cogestão e os outros países também poderão fazer o mesmo desde já. Há que virar as costas à ideologia do comércio livre absoluto que guiou a globalização ao longo das últimas décadas e implementou outro sistema económico baseado em princípios explícitos e verificáveis de justiça económica, fiscal e ambiental. Cada comunidade política deve fixar  condições ao processo de trocas com o resto do mundo, sem ficar à espera do acordo unânime dos seus parceiros. Antes de aplicação de eventuais sanções aos países que praticam dumping social, fiscal e climático é essencial propor aos outros países um modelo de cooperação baseado em valores universais de justiça social, redução de desigualdades e preservação do planeta.

Thomas Piketty, em resumo, diz-nos que o socialismo participativo se apoia em vários pilares: igualdade educativa, Estado Social, circulação permanente do poder, e da propriedade , social-federalismo e globalização sustentada e justa. Acrescenta também para finalizar que a paridade mulheres-homens tem de avançar de forma concertada com a paridade social. É também necessário, no futuro, alterar o sistema económico tendo como fundamento a redução das desigualdades e um acesso igualitário de todas e de todos à educação ao emprego e à propriedade, incluindo uma herança mínima para todos independentemente das origens de cada um. A exploração desenfreada dos recursos humanos e planetários de há vários séculos a esta parte exige por conseguinte nos dias de hoje uma regulação mundial para garantir a sua sustentabilidade social e ecológica

Todas estas sugestões para um socialismo participativo parecem utópicas e difíceis de concretizar. Mas Thomas Piketty que é economista sabe muito bem que tudo é possível se os cidadãos se interessarem pelas questões socioeconómicas e se souberem organizar-se para tomar deliberações colectivas. Na capa do livro acrescenta que se tornou comum dizer que o sistema capitalista actual não tem futuro, atendendo ao modo como  agrava as desigualdades e esgota o planeta. Tudo isto é correcto só que na ausência de uma alternativa explanada de forma clara, o sistema actual ainda tem longos dias à sua frente.

Não sou economista mas penso que o longo caminho para um socialismo participativo será encurtado se forem atingidos os seguintes objectivos : extinção dos offshores, combate ao dumping fiscal e uniformização das taxas fiscais nos países da União Europeia. Todos sabemos que alguns empresários transferem a sede das suas empresas para os países onde a taxa fiscal é mais baixa.

publicado por pontodemira às 21:18
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. OS GRANDES FILÓSOFOS: HUM...

. THOMAS PIKETTY- PELO SOCI...

. HUMANIDADE- Uma História ...

. A DIVINA COMÉDIA

. O Século da Solidão- Como...

. SOBRE O FUTURO ( Perspect...

. AQUILO EM QUE CREIO

. COMO EVITAR UM DESASTRE C...

. SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO...

. EUTANÁSIA: SIM OU NÃO

.arquivos

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub