Sexta-feira, 24 de Setembro de 2021

HUMANIDADE- Uma História de Esperança

 

Este é o título de um livro escrito por Rutger Bregman, historiador e escritor holandês e um dos jovens pensadores europeus de maior destaque. Este livro foi um bestseller do New York Time e do Sunday Time e também o livro do ano do Guardian.

Ao longo dos séculos tem havido guerras, conflitos entre nações, perseguições e segregações religiosas e raciais. Será possível construir a Paz ou a natureza do homem não o permite? Há dois filósofos que tratam especificamente deste tema. Rousseau no século  XVIII  diz-nos que o homem é naturalmente bom e só quando deixou de ser nómada e se fixou à terra e se tornou agricultor é que começaram a surgir os conflitos. Para Hobbe (século XVI ) os homens são por natureza maus e sempre viveram em guerra uns com os outros ( bellum omnium contra omnes- guerra de todos contra todos )

É claro que há pessoas boas e más, egoístas e altruístas, mas se folhearmos o livro do historiador Rutger verificamos através de inúmeros exemplos que a maioria das pessoas é bastante digna e em situações de perigo há colaboração e inter-ajuda . E vou citar alguns exemplos : Durante a 1ª Guerra Mundial soldados ingleses e alemães no dia de Natal saíram das trincheiras e cantaram cânticos da época natalícia. Alguns chegaram mesmo a trocar lembranças  e a cumprimentarem-se. Em 1943 um contingente americano  tentou tomar uma ilha do Pacífico que estava sobre o jugo  japonês. Apesar dos americanos serem em maior número os japoneses conseguem irromper pelas fileiras norte-americanas. O coronel Marshall em terra observava o que estava a passar. No dia seguinte reuniu os soldados e veio a saber que 15 a 25 % dos soldados não tinha chegado a disparar e que no momento decisivo a esmagadora maioria  hesitava e só conseguiu identificar 36 que tinham carregado no gatilho. Para o sociólogo Collins « os humanos estão programados para a solidariedade e é isso que dificulta a violência. Em 7 de Setembro de 1940, atravessaram o Canal da Mancha 348  bombardeiros alemães que arrasaram quarteirões inteiros em Londres. Foram destruídos um milhão de edifícios e 40 000 pessoas perderam a vida no Reino Unido. Numa situação destas toda a gente se entreajudava e ninguém queria saber da posição política dos outros, fossem ricos ou pobres. Nos ataques terroristas do 11 de Setembro às Torres gémeas muitas pessoas morreram para salvar outras que estavam em perigo de vida.

Porque se tornam as pessoas más  pessoas boas ? Durante dezenas de milhares de anos vagueámos pelo mundo como nómadas e mantinhamo-nos bem longe dos conflitos. Não fazíamos guerra e não construíamos campos de concentração.  E tudo começou com o desenvolvimento da propriedade e da agricultura. Segundo o autor do livro o que vem a tornar as pessoas más são a empatia que  cega, o poder que corrompe e os erros do iluminismo. A empatia é algo que sentimos por quem nos é próximo. A verdadeira empatia  e a xenofobia andam de mãos dadas. A 2ª Guerra mundial foi uma luta heroica em que a amizade, a lealdade, a solidariedade- as melhores qualidades da humanidade- inspiraram milhões de homens comuns a perpetrar o pior massacre da história. O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente. Este é o comentário do historiador Lord Actor no século XIX. Enquanto os chefes de tribos nómadas era todos modéstia, os reis proclamavam reinar por direito divino ou por eles próprios serem deuses. Os filósofos iluministas tinham fé apenas no pensamento racional. E convenceram-se que podiam conceber instituições inteligentes que tivessem em conta o nosso egoísmo inato. Se o Iluminismo nos deu a igualdade, também inventou o racismo. Os filósofos do século XVIII foram os primeiros a classificar os humanos em« raças » diferentes. David Hume escreveu que se inclinava a suspeitar que os negros são naturalmente inferiores aos brancos e Voltaire concordava: « Se o seu raciocínio não é de uma natureza diferente do nosso, é pelo menos bastante inferior.»

Para Rutger Bregman é tempo para defender a bondade  humana. É tempo de novo realismo e de uma nova visão da humanidade.. O filósofo Willian James professava que algumas coisas deviam ser aceites por fé, mesmo que não possamos provar que são verdade. Assim a amizade,o  amor, a confiança e a lealdade tornam-se verdadeiros precisamente porque acreditamos nelas. O « logro» por esperança era preferível ao «logro» por medo. Tal como o ódio também a confiança pode ser contagiosa. A confiança muitas vezes começa quando alguém se atreve a ir contra a maré. O autor apresenta casos de gestores com fé absoluta no seu pessoal; professores que dão rédea solta aos alunos para brincar e representantes que tratam os eleitores como cidadãos criativos e empenhados.

Na parte final do livro ( Epílogo ) o autor apresenta 10 regras por que pautar a vida:

1-Na dúvida assumir o melhor. È mais realista assumir o melhor.A maioria das pessoas tem boas intenções.2- Pensar em cenários em que todos ganham. A maravilha é que vivemos num mundo onde fazer o bem também nos faz sentir bem. Perdoar também funciona no nosso interesse próprio pois deixamos de gastar energia em antipatia e ressentimentos. 3-Fazer mais perguntas. É dar as palavras aos cidadãos como na democracia participativa de Porto Alegre no Brasil em que são os cidadãos que indicam o destino das verbas orçamentais.4- Moderar a empatia, treinar a compaixão. Existe alguma evidência científica em que a meditação pode treinar a compaixão. 5-Tentar compreender o outro mesmo sem perceber a sua atitude. Isto sem que tenhamos de concordar com ele 6-Amar os nossos como os outros amam os deles. Se perdermos de vista a família e os amigos como podemos carregar os fardos do mundo. Temos também de compreender que esses outros, esses desconhecido distantes, também têm famílias que amam. Que são humanos como nós.7- Evitar as notícias. Diz o historiador que se mantém longe das notícias da televisão e de que as substitui pela leitura de um jornal ao domingo com artigos de fundo. E que tira os olhos do ecrã para se encontrar com pessoas reais de carne e osso. 8-Não esmurrar  nazis. Esmurrar nazis só reforça o extremismo. Valida a sua visão do mundo e torna mais fácil atrair recrutas.

9- Sair do armário. Não ter vergonha de fazer boas ações. Ao encobrirmos as boas acções colocamo-las em quarentena onde não podem servir de exemplo aos outros. Inspirar os outros não requer pavonearmos as nossas acções e defender o bem não significa fazermos alarde de nós próprios. No Sermão da Montanha Jesus disse: « Não se pode esconder uma cidade situada no cimo de um monte; nem se acende a candeia para a colocar debaixo do alqueire, mas em cima do velador e assim alumiar os que estão em casa. Brilhe a vossa luz diante dos homens de modo que, vendo as vossas obras, glorifiquem vosso Pai, que está nos Céus. 10- Ser realista. Vivemos no planeta A onde as pessoas se sentem profundamente inclinadas a ser boas umas como as outras. Por isso, sejamos realistas e corajosos. Sejamos fieis à nossa natureza e ofereçamos a nossa confiança. Façamos o bem à vista de todos e não tenhamos vergonha da nossa generosidade.                                       

 

publicado por pontodemira às 22:05
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. OS GRANDES FILÓSOFOS: HUM...

. THOMAS PIKETTY- PELO SOCI...

. HUMANIDADE- Uma História ...

. A DIVINA COMÉDIA

. O Século da Solidão- Como...

. SOBRE O FUTURO ( Perspect...

. AQUILO EM QUE CREIO

. COMO EVITAR UM DESASTRE C...

. SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO...

. EUTANÁSIA: SIM OU NÃO

.arquivos

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub