Segunda-feira, 21 de Junho de 2021

SOBRE O FUTURO ( Perspectivas para a humanidade )

 

Este é o título de um livro escrito por Martin Rees, cosmólogo e astrofísico que foi professor de cosmologia. Astrofísica e Astronomia, presidente da Royal Society, mestre do Trinity College e director do Instituto de Astronomia da Universidade de Cambridge.

Logo no prefácio do livro o autor esclarece que escreve a partir de uma perspectiva pessoal em três modos: como cientista, como cidadão e como membro da espécie humana. A seguir na Introdução faz a seguinte pergunta: No caso de existirem alienígenas a observar o nosso planeta durante os seus quatrocentos e cinco milhões de séculos o que teriam visto ? Durante a maior parte desse período a aparência da Terra alterou-se muito gradualmente . Os Continentes derivaram, a cobertura de gelo expandiu-se e minguou, sucessivas espécies surgiram , evoluíram e extinguiram-se. Nos últimos séculos os padrões  de vegetação alteraram-se muito mais depressa do que antes. Isto assinalou o início da agricultura e depois da urbanização. E apareceram mudanças ainda mais rápidas. Em apenas cinquenta anos a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera começou a subir anormalmente depressa.

Mas este século é especial. É o primeiro em que a espécie, a nossa, terá tanto poder e será tão dominante que tem nas mãos o futuro do Planeta. Entrámos numa era a que alguns geólogos chamam o Antropoceno. Os seres humanos são agora tão numerosos e têm uma «  pegada » colectiva tão pesada que possuem capacidade de transformar e até de devastar a biosfera inteira. Os actos das pessoas podem desencadear alterações climáticas perigosas e extinções em massa se « pontos críticos » forem ultrapassados. A maior parte das pessoa do mundo vivem vidas melhores do que os pais viveram e a população que vivia em pobreza  abjecta tem vindo a diminuir. Essas melhorias não poderiam ter ocorrido sem os avanços da ciência e da tecnologia. As nossas vidas e a nossa saúde  podem beneficiar ainda mais devido aos progressos da biotecnologia da cibertecnologia, da robótica e da IA. É também evidente que o abismo entre aquilo que o mundo é e aquilo que poderia ser  é maior do que nunca. Há ainda mil milhões de pessoas a viver mal no mundo de hoje que poderia ser transformado através da redistribuição da riqueza das mil pessoas mais ricas do Planeta. Os avanços tecnológicos podem também ter os seus aspectos negativos quebrando padrões de trabalho. Por outro lado os avanços na genética e na medicina só irão melhorar a vida humana se estiverem disponíveis a todas as pessoas e não apenas para uns poucos de privilegiados.

Na parte final do livro o autor conclui o seguinte: « Os aspirantes a cientistas não devem aglomerar-se todos na unificação do cosmos e dos quanta e deverão compreender que os grandes desafios na investigação do cancro e na ciência do cérebro têm de ser abordados aos poucos em vez de tentarem fazer tudo de uma vez. O nosso futuro depende de tomarmos decisões sensatas sobre desafios chave: energia, alimentação, robótica, ambiente, espaço, etc. As decisões chave não devem ser tomadas apenas por cientistas ; elas dizem respeito a todos. Os avanços na tecnologia conduziram a um mundo onde a maior parte das pessoas desfruta de vidas mais seguras, mais longas e mais satisfatórias do que as gerações anteriores. Por outro lado a degradação ambiental, mudanças climáticas sem controlo e lados negativos involuntários das tecnologias avançadas são efeitos colaterais desses avanços. Os fossos entre países, nos níveis de riqueza e bem-esta.r mostra poucos sinais de se estreitar. É do interesse do mundo rico investir maciçamente na melhoria da qualidade de vida e das oportunidades de trabalho em países mais pobres. Os cientistas têm obrigações especiais que ultrapassam a sua responsabilidade de cidadãos. Há obrigações éticas a cumprir: evitar experiências que tenham até  o mais minúsculo dos riscos de conduzir à catástrofe. E respeitar o código de ética quando a investigação envolve cobaias animais ou seres humanos. A « Nave espacial Terra » está a precipitar-se pelo vazio. Os seus passageiros estão ansiosos e turbulentos. O seu sistema de suporte de vida é vulnerável a perturbações e colapsos. Mas existe insuficiente planeamento, insuficiente análise de horizontes, insuficiente consciência dos riscos a longo prazo. Seria vergonhoso se legássemos às gerações futuras um mundo empobrecido e perigoso. Temos de pensar globalmente, temos de pensar racionalmente, temos de pensar a longo prazo, capacitados pela tecnologia do século XXI, mas guiados pelos valores que a ciência não pode fornecer sozinha. Quanto às viagens aeroespaciais, pensar que o espaço oferece uma fuga para os problemas da Terra é uma ilusão perigosa. Temos de resolver aqui esses problemas. Lidar com as alterações climáticas pode parecer intimidante mas é uma brincadeira de crianças em comparação com terraformar Marte. Não há nenhum lugar no nosso sistema solar que ofereça um ambiente tão clemente comd são a Antártida ou o topo do Evereste. Não existe um « Planeta B »  para pessoas comuns avessas ao perigo . » O ambiente do espaço é inerentemente hostil aos seres humanos. Mas se nada existir lá fora além de esterilidade talvez seja melhor deixar as viagens para fabricadores robóticos.

publicado por pontodemira às 15:10
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. A DIVINA COMÉDIA

. O Século da Solidão- Como...

. SOBRE O FUTURO ( Perspect...

. AQUILO EM QUE CREIO

. COMO EVITAR UM DESASTRE C...

. SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO...

. EUTANÁSIA: SIM OU NÃO

. O REGRESSO DA ULTRADIREIT...

. DEUS E O MERCADO

. A TERRA INABITÁVEL-Como v...

.arquivos

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub