Sábado, 28 de Setembro de 2019

NÓS CONTRA ELES ( O fracasso da globalização )

 

Nós Contra Eles( o fracasso do globalismo) é o título de um livro escrito por Ian Bremmmer, professor universitário e cronista da Time. O autor faz uma análise exaustiva das causas que levaram ao fracasso do Globalismo e prevê que no futuro, com as novas tecnologias nomeadamente a automação dos serviços, a situação se agrave ainda mais.

Para o fracasso do Globalismo concorreu não só a vaga de populismo nacionalista que varreu a Europa mas também a  desigualdade na distribuição da riqueza e o fosso cada vez maior entre ricos e pobres. Tudo isto levou  ao aparecimento de dois grupos: o do”Nós Contra Eles”

Os  antiglobalistas de esquerda usam o termo Eles para se referirem à elite que governa as grandes empresas e aos banqueiros que permitem essas elites de explorarem o trabalhador e o investidor comum. Os antiglobalistas de direita usam o termo Eles para descreverem governos que defraudam os seus cidadãos ao tratarem de forma privilegiada minorias, imigrantes ou qualquer grupo que esteja explicitamente protegido por Lei.

 As causas que levaram a esta situação são entre outras as seguintes: a crise financeira de 2008-2009;a crise de migrantes; ataques terroristas; deslocalização de empresas; a crise da dívida que criou o caos na Zona Euro e a estagnação económica. Daqui nasceu na Europa de Leste a raiva nacionalista particularmente nos países de Visegrado: Polónia, Hungria, República Checa e Eslováquia. Todos estes países se recusaram a aceitar as quotas da EU que implicavam a aceitação de refugiados vindos de fora da União. Ora a abertura e a tolerância à diversidade étnica racial e de género são ainda aceites na Europa Ocidental mas há cada vez mais gente a questioná-los, tanto na Europa como nos EUA. A viragem a favor do nacionalismo identitário na Europa de leste tornará difícil para a a Alemanha e para a França implementar  as reformas da EU que podem tornar as instituições europeias mais fortes. Acresce a tudo isto que não se prevê um plano de paz abrangente em relação ao Médio Oriente nem um surto de prosperidade no Norte de África. O nacionalismo promete confrontar as forças que se acredita serem criadoras de desordem e que ameaçam a soberania pessoal e nacional. Daí a criação de muros fortes que os mantenham a “Eles” do lado de fora.  Ian Bremmer remata dizendo que “ a batalha entre Nós e Eles continua a flagrar em todos os países onde o medo da mudança  ganha contornos crescentes “

Para que uma sociedade se mantenha unida e coesa é necessário que haja um contrato social entre cidadãos e o Estado. O sonho chinês de Xi  difere do sonho americano. O actor central do sonho chinês não é o indivíduo e a família mas sim um sólido e disciplinado partido governamental. Para os americanos o contrato social terá a ver com um Governo que respeite os direito inalienáveis dos cidadãos. Na Rússia as leis existem para proteger o Estado dos perigos causados por indivíduos que desafiem a sua autocracia e não o contrário.

Com a automatização de parte de trabalhos que se preveem no futuro é necessário reescrever os contratos sociais. Assim,é preciso empregar mais pessoas e pagar salários mais altos a professores, investir mais na educação, haver que cuidar de idosos funções para as quais os humanos ( e não aos robots) ainda serão necessários durante muito tempo.. Um bom Governo não será a única solução para resolver os  problemas  do desemprego gerado pela automatização. É necessário que  instituições  sem fim lucrativo criem oportunidades de aprendizagem para crianças do mundo em desenvolvimento. Para o canadiano Tarik uma das iniciativas seria criar tablets pré-carregadas de livros escolares, aulas interactivas para crianças de zonas com pouco ou nenhum acesso à educação formal incluindo os campos de refugiados.

No final do livro Ian Bremmer coloca os desafios relevantes que os EUA e a Europa terão de enfrentar quando confrontados com a  automação e a inteligência artificial. Nos países ricos irá criar agitação no seio dos trabalhadores e será também um fenómeno perturbador nos países  em desenvolvimento. Há que tomar decisões importantes. Quais ? Construir Muros ? Ou reformular o Contrato Social ?  A construção de muros não mata a ideia de governação responsável. A reinvenção do contrato social será politicamente inexequível em muitos países e durante muito anos. Refazer a relação entre Governo  e cidadãos é bem mais prometedor do que a construção de muros que garantem segurança e prosperidade duradouras no  maior número de pessoas. A sobrevivência exige que se descubramos novas formas de vivermos juntos.

publicado por pontodemira às 17:32
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


.posts recentes

. Europa-Rússia-América: O ...

. REALIDADE E UTOPIA

. POVO VS DEMOCRACIA

. A Economia do Bem Comum

. NÓS CONTRA ELES ( O fraca...

. O DECLÍNIO DO OCIDENTE

. Cmo Revitalizar Uma Econo...

. Trump e a política anti-i...

. Tentações e Pecados De Al...

. Breve História da Ideolog...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds