Quarta-feira, 1 de Maio de 2019

A SEXTA EXTINÇÃO

 

Este é o título de um livro escrito por Elisabeth Kolbert jornalista do “ New York Times durante 15 anos e ao qual foi atribuído o prémio Pulitzer. Da leitura deste livro concluímos que no espaço de 500 milhões de anos houve 5 extinções de espécies. As alterações climáticas, erupções vulcânicas e também a queda de meteoritos provocou o desaparecimento das seguinte espécies: rã dourada panamiana, mastodonte americano, arau gigante(pinguim original) do hemisfério Norte, amonites e dinossauros. A 1ª extinção teve lugar durante o período Ordovício há cerca de 450 milhões de anos; a 2ª durante o período Devónico Superior há cerca de 350 milhões de anos ; a 3ª extinção no período Pérmico há 250 milhões de anos e esteve perto de esvaziar a Terra ; a 4ª extinção no Triásico Superior há cerca de 200 milhões de anos; a 5ª foi a extinção em massa mais recente e ocorreu no período Cretácico há 50 milhões de anos e eliminou além dos dinossauros as amonites.

A causa da morte da rã do panamá foi um fungo que se movimentou na água com facilidade e percorreu grandes distâncias contaminando outros habitats. Há cerca de 30 milhões de anos a linha proboscídea que daria origem aos mastodontes separou-se da que mais tarde conduziu aos  mamutes e elefantes. O mastodonte americano desapareceu há cerca de 13 mil anos. A sua extinção faz parte de uma onda de desaparecimentos que se tornou conhecida como a extinção da megafauna. Esta coincidiu com a proliferação dos seres humanos modernos e é vista, cada vez mais, como resultante da mesma. Os araus eram uma das poucas aves não voadoras do hemisfério Norte. Como o arau era uma presa fácil e abundante os colonizadores da Islândia aproveitavam-nos como menu para o jantar. Os araus eram também utilizados como isco para o peixe e como fonte de penas para encher os colchões. Depois ocorreu o massacre maciço. As amonites flutuaram nos oceanos pouco profundos durante 300 milhões de anos. Era formado por conchas em espiral divididas em múltiplas câmaras. Os  próprios animais ocupavam apenas a última câmara e o resto estava cheio de ar. As amonites são normalmente retratadas como lulas às quais se assemelham, enfiadas dentro de conchas de caracóis.. Nos ambientes terrestres parece que terão morrido todos os animais maiores do que um gato. As vítimas mais famosas foram os dinossauros.

A teoria evolutiva de Darwin segundo a qual era a selecção natural e a competição dos mais fortes que comandava a evolução veio a provar-se que não estava totalmente correcta. O arau-gigante, a tartaruga gigante de Gálapos não foram aniquiladas pela mesma espécie mas devida a uma extinção  causada pelo homem ou através de um cataclismo de ordem natural.  A actividade do homem na caça , na pesca, na desflorestação irá também contribuir para a extinção de determinadas espécies.

Quando o Homo Sapiens, provavelmente o invasor mais bem sucedido da história biológica, vindo da África do Sul  chega à Europa dá-se o confronto com o Homem de Neandertal. Este acaba por desaparecer. Há teorias que dizem que houve um cruzamento entre as duas espécies e que alguns seres humanos ainda têm no seu ADN  entre 1 a 4% do homem de Neandertal. O Homo Sapiens devido à sua capacidade de mobilização espalhou-se depois por todos os continentes.

Com a Revolução Industrial no século XVII começa um novo período chamado Antropocénico. Com a explosão demográfica que se seguiu à 2ª Guerra Mundial, as tecnologias modernas das quais resultou o aparecimento de turbinas, caminhos de ferro, motosserras, os seres humanos tornaram-se forças capazes de dominar o mundo. Antes dos seres humanos entrarem em cena, as criaturas de grandes dimensões  e de reprodução lenta  dominavam o planeta . Depois esta estratégia tornou-se perdedora. Animais como o elefante, os ursos e os grandes felinos estão a diminuir gradualmente. Os seres humanos são capazes de provocar a extinção de praticamente qualquer espécie mamífera embora se façam esforços para o evitar. Se as autoestradas e a desflorestação criaram ilhas onde não existiam ilhas, o comércio global e as viagens globais fizeram o contrário. Houve assim uma remistura da flora e da  fauna mundiais. Durante um período de 24 horas calcula-se que 10 000 espécies diferentes sejam transportadas pelo mundo no lastro dos barcos. Um avião de passageiros, um superpetroleiro pode anular milhões de anos de separação geográfica. Mas também muitas doenças e pragas se podem disseminar rapidamente. Segundo dados estatísticos nos últimos 2 séculos foram provocados danos irreparáveis no clima e no ecossistema global. Mais de 1/4 de todos os mamíferos da Terra está hoje em vias de extinção tal como acontece com 40 % dos anfíbios ; 1/3 dos  corais e dos tubarões ; 1/5 dos répteis e um 1/6 das aves.

Estamos portanto a caminho da Sexta Extinção e esta pode ser causada pelos seres humanos. Para terminar irei transcrever a parte final do livro que diz o seguinte:

“ O episódio da extinção actual podia ser evitado se as pessoas se preocupassem mais e estivessem dispostas a fazer sacrifícios. Nós seres humanos continuamos a depender dos sistemas biológicos e bioquímicos da Terra. Ao perturbar estes sistemas- abatendo as florestas, alterando a composição química da atmosfera, acidificando os oceanos- estamos a colocar a nossa sobrevivência em perigo. O antropólogo Richard Leakey  avisou que o “ Homo Sapiens  “ não só pode ser o único causador da Sexta Extinção como também se arrisca a ser uma das suas vítimas. “

publicado por pontodemira às 21:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


.posts recentes

. O DECLÍNIO DO OCIDENTE

. Cmo Revitalizar Uma Econo...

. Trump e a política anti-i...

. Tentações e Pecados De Al...

. Breve História da Ideolog...

. A SEXTA EXTINÇÃO

. Os Grandes Mestres da Psi...

. A tragédia da União Europ...

. Fascismo ( Um Alerta )

. PREVISÕES E PROFECIAS POL...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds