Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2013

A exclusividade dos médicos

A Exclusividade dos médicos

1-Quando foi implementado o Serviço Nacional de Saúde havia poucos médicos e por isso a maioria deles passou a trabalhar na rede pública e privada. Durante muitos anos as vagas de acesso às faculdades de medicina não aumentaram e o número de médicos foi sempre insuficiente para cobrir as necessidades do país. Há muitas pessoas qua ainda não têm médico de família ou se vêem obrigadas a esperar muito tempo por uma consulta. O mesmo se passa com as intervenções cirúrgicas onde os atrasos são consideráveis.

2-No que diz respeito aos blocos operatórios a situação poderia melhorar de forma significativa se os médicos do serviço público passassem a trabalhar em exclusividade de funções. A título de exemplo vou citar uma situação que se passou comigo. Tendo consultado um médico otorrino fui informado que precisava de ser operado a uns pólipos no nariz. Alguns dias depois andava a passear na baixa de Coimbra e vi um cartaz de um médico especialista que  trabalhava nos Hospitais da Universidade. Pensei , com os meus botões, ter encontrado a solução para ser operado num hospital público com menos despesa. Mas enganei-me. O médico que me atendeu disse-me que se me inscrevesse na lista do hospital iria esperar quase um ano pela operação.  Se porventura optasse pela sua clínica ainda nessa semana seria operado. Não restam dúvidas que a produtividade dos médicos que trabalham nos serviços públicos do Estado seria outra se trabalhassem em regime de exclusividade. A promiscuidade entre o público e o privado só traz prejuízo para os doentes.

3-Se o ministro da saúde quiser enveredar pela via da exclusividade terá que naturalmente sondar os médicos e saber quais os que voluntariamente irão aderir a esta opção. Neste caso os médicos terão que ser bem remunerados premiando a qualidade e a quantidade do serviço prestado. Isto poderá ser um forte estímulo na escolha a fazer. Acresce ainda que alguns hospitais públicos estão mais bem apetrechados que os privados. Este é outro motivo para reflexão para quem tem de fazer escolhas.

Esta reforma é absolutamente necessária e de grande utilidade para o bom funcionamento do serviço público de saúde. Iria sem dúvida melhorar a qualidade e produtividade do serviço prestado. Veremos o que  vai pesar mais: se o espírito corporativista da classe médica ou o interesse dos utentes e beneficiários do Serviço Nacional de Saúde.

Francisco Martins

publicado por pontodemira às 22:47
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2013

AS VOLTAS DO TGV

1-Quando o Eng. Sócrates apresentou pela primeira vez ao país  o projecto do TGV , o actual primeiro-ministro Passos Coelho e o PSD  opuseram-se de imediato dizendo que o Portugal não tinha  condições financeiras para dar execução a esta obra. Há bem pouco tempo apareceram títulos na imprensa dando a entender que o Governo tinha mudado de opinião. Mas as informações  que foram veiculadas eram díspares e desconexas: “ o governo avança em 2014 com a linha do TGV entre Lisboa e Madrid ; Álvaro Santos Pereira diz que o TGV só vai fazer-se  a partir de 2015; e finalmente   o Secretário de Estado Sérgio Monteiro  esclarece que a linha ferroviária é exclusivamente para mercadorias. “ .   Tudo isto prova a desordem que vai no Governo onde cada um fala por si com desmentidos sucessivos.

 

2-O TGV é uma obra polémica e fracturante que não é aceite por todos os portugueses. Tem aspectos positivos e negativos. Sabemos que iria criar empregos a milhares de trabalhadores e dar vida a muitas indústrias relacionadas com os materiais a fornecer para a obra. Era sem dúvida um estímulo poderoso para a nossa economia que está em fase de recessão. Por outro lado a CE iria financiar 85% os custos de execução cabendo ao Estado português os 15% restantes.  Há no entanto aspectos negativos a ter em conta. Um questão que desde logo se coloca é a de saber em quanto vão importar os custos de manutenção. Será que as receitas com a exploração da linha darão para cobrir as despesas ? E os 15% que o Estado português irá pagar não vão aumentar ainda mais a nossa dívida ?

 

3-Mas o que é mais curioso e interessante no meio de tudo isto é a reviravolta que Passos Coelho e o Governo deram a respeito do TGV. Antes o país não estava em condições de se aventurar numa obra de gigantescas proporções pois iria agravar a situação financeira do país. De um momento para o outro tudo mudou. Até parece que vivemos no melhor dos mundos e  que o pior já passou.

Esta situação vem comprovar aquilo que já sabemos de há muito. A maioria dos políticos mentem descaradamente. Dizem uma coisa na oposição e fazem outra quando estão no Governo. São verdadeiros cataventos que mudam de opinião conforme as circunstâncias. É por estas e por outras que muitos cidadãos nas eleições não votam ou votam em branco.  É preciso que os políticos sejam coerentes com o que afirmam e sinceros com o que dizem pois só assim se poderá credibilizar a democracia.

publicado por pontodemira às 19:32
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

. Sapiens: Breve História d...

. Três realidades distintas...

. O financiamentodos partid...

. A globalização em análise

. Democracia, populismo e x...

. Democracia,populismo e xe...

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds