Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

Dos primórdios do ateísmo ao Estado laicista

1-O Papa Bento XVI foi recentemente convidado para discursar na inauguração do ano lectivo da Universidade de La Sapienza de Roma. Segundo imagens que a televisão mostrou um grupo de alunos manifestou-se ruidosamente  o que levou o Papa a cancelar a referida visita. Através de dados que colhi na imprensa portuguesa tendo como fonte os jornais italianos foram 67 os professores que pediram o cancelamento da visita num universo de 2000. No protesto participaram 300 alunos considerados” antiglobalização” ou anarquistas. A iniciativa do boicote partiu de um professor jubilado de física, ex-comunista dissidente e veterano do anticlericalismo. Quase toda a imprensa italiana reprovou o facto considerando-o de pura “ cretinice “ política.  Atitudes destas não são únicas e mostram-nos uma juventude sem referências religiosas nem valores morais apostadas em hostilizar pessoas e criando situações de radicalismo e intolerância. É notória uma certa tentativa para a secularização da sociedade com a proliferação de literatura ateia e anti-religiosa.

 

2- O ateísmo não é de hoje e tem raízes profundas na História. Na antiguidade greco-romana temos ainda um ateísmo incipiente de carácter atomisto-mecanicista. Tudo se reduz à realidade material e sensível. A matéria é constituída por átomos ou partículas indivisíveis. A alma também é formada por partículas corpóreas difundidas por todo o corpo. A morte leva à dissolução do corpo e também da alma. Para Epicuro a felicidade consiste no prazer e uma das vias para lá chegar é eliminar o medo da morte e o temor dos deuses. Os deuses viviam longe no Olimpo sem se preocuparem nem interferirem na vida dos humanos. Quanto à morte , Epicuro tem esta expressão: “ O mais terrível dos males,a morte, não é nada para nós porque quando existimos nós não existe a morte, quando existe a morte não existimos nós “ Lucrécio é um continuador de Epicuro e não acrescenta nada de novo à sua filosofia.

O verdadeiro caminho para o ateísmo começa com o racionalismo iluminista no século XVIII. A razão , a Ciência e o progresso ocupam o lugar de Deus. Os ideais libertários da revolução francesa e a literatura panfletária dos Enciclopedistas  dos quais convém destacar Voltaire, criaram um clima anticristão e anticlerical.

No século XIX aparece o ateísmo revolucionário e político. Dos principais vultos deste movimento ,e na impossibilidade de me referir a todos, passo a destacar os seguintes: Feurbach, Nietzsche e Marx.

Para Feurbach Deus é apenas uma projecção idealizada do que o Homem gostaria de ser e não é. Deus é assim uma criação ou invenção do homem.

Nietzsche proclama a morte de Deus e em vez d’Ele cria o Super-Homem. A Religião, a Moral, a Política são máscaras de que o homem se deve libertar. O verdadeiro valor está no que é terreno, corpóreo e anti-espiritual.

Com Karl Marx vem a consagração do materialismo. Tudo tem origem na matéria e tudo a ela se reconduz. Não há lugar para Deus nem para a Alma separada do corpo. Esta filosofia leva ao materialismo dialéctico e ao materialismo histórico. No primeiro é a matéria que através de negações sucessivas ( movimento dialéctico ) chega ao estado actual ;  no segundo são as relações económicas e a luta de classes que determina a História. O Marxismo considera ainda a Religião como uma alienação, ou seja algo em que o homem se perde sem qualquer resultado prático. Ideias e Filosofia ( teoria )  só fazem sentido quando se convertem em acção ( praxis ) e  de algum modo contribuírem para a transformação social.

No século XX aparece o existencialismo ateu protogonizado por Heidegger e Sartre. O existencialismo entende que é  a existência que determina a nossa essência, a moral e o que somos. Para Sartre a existência é liberdade sem limites nem condicionalismos morais ou religiosos.  Nada mais há senão a nossa existência concreta e por isso há que aproveitar a vida ( profiter  la vie )

Heidegger diz que “ o homem apesar de contingente e limitado, é o único que existe e para além dele nada há.

Recentemente tem aparecido no mercado livreiro uma vasta gama de literatura ateísta cujo objectivo principal é o negócio lucrativo. Os nomes mais destacados deste tipo de literatura são : DawKins e Hitchens. O primeiro recorre à teoria evolucionista e à selecção natural de Darwin para provar a inutilidade de Deus ; o segundo fazendo uma interpretação literal  e descontextualizada da Bíblia procura atingir os mesmos objectivos.

 

3-Um dos assuntos que hoje tem sido posto em evidência é o das relações do Estado e da Igreja. Penso que todos estão de acordo que o Estado deve ser laico sem ingerência na esfera religiosa. Mas a atitude é diferente quando há uma política laicista que procura abafar as tradições e os símbolos religiosos e impede a Igreja de transmitir os seus valores e a sua doutrina na escola ou em locais públicos.

 

4-Nos tempos que correm vamos assistindo um pouco por todo o lado a manifestações de intolerância e  de fundamentalismo religioso. Se o homem não é o “ bom selvagem” de Rousseau também não é o “ lobo do homem “ de Hobbes.  Na aceitação das diferenças e no respeito mútuo, crentes  não crentes, podem e devem colaborar na construção de um mundo melhor. As grandes causas da Humanidade como a Paz, o combate à pobreza e à miséria cabem a todos sem distinção de credo ou ideologia.

 

FRNCISCO MARTINS

 

 

publicado por pontodemira às 20:20
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Há coisas que os políticos não devem dizer

 

Quase todos os dias no café passo os olhos pelo Jornal de Notícias para ficar com uma ideia do que se passa no País e no Mundo.

Na última página leio quase sempre com agrado a coluna “Por outras palavras “. Aprecio o estilo conciso e directo com que o autor, Manuel António Pina,  aborda os mais diversos temas. Não são todos os que conseguem dizer muito em poucas palavras.

Acontece que um artigo publicado no dia15 deste mês com o título “ Respeitinho é que é preciso “ conseguiu irritar-me. O tema foi uma entrevista dada pelo líder do Partido Liberal inglês Nick Clegg à BBC em que este afirmou não acreditar em Deus. O desabafo, pelo seu desassombro, convenceu de tal maneira o articulista que até estaria disposto a pedir a naturalização para votar nele. Só que no final da entrevista Clegg esclareceu também que tinha enorme respeito pelas pessoas que acreditam em Deus. Foi quanto bastou para o hipotético eleitor mudar o sentido do voto.Resumindo: somos levados a concluir que não devemos respeitar quem pensa diferente de nós.   

 

Fiquei também a saber que  Manuel António Pina tem uma concepção maniqueísta da política. Para ele há bons e maus políticos. Os bons são os ateus ou,“ lato sensu “ , os que não acreditam em Deus. É a estes que dá o seu voto pois lhe merecem toda a sua confiança. Os maus ficam do outro lado do muro: são os  crentes ou  os que dizem respeitar os crentes. Mesmo que sejam sinceros não passam de hipócritas pois o que pretendem é cair nas simpatias dos eleitores e caçar votos.

 Este raciocínio parece indicar que os eleitores na sua grande maioria são crentes e é preciso ter respeitinho por eles se quiserem ganhar eleições. Aqui ocorre-me perguntar:  Será que os eleitores crentes são todos ignorantes e estão no lugar errado ? Se a situação se invertesse, provavelmente, já não seria necessário aos políticos dizerem que têm respeito pelos crentes. Só que para grande tristeza e mágoa do colunista isso não irá acontecer tão cedo. A secularização da sociedade profetizada por Marx, Durkheim e Weber  e a consequente inutilidade da religião ainda não chegou.

Para terminar vou lançar um desafio a Manuel António Pina.  Se ele me conseguir provar que Deus não existe sou eu que vou precisar de me converter ao seu ateísmo.

 

                                  

 

Francisco Martins

Trancoso

 

 

publicado por pontodemira às 21:24
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2008

O ANARQUISTA

Todos nós sabemos pelos órgãos de comunicação social os exageros da ASAE. É necessário um meio termo para não se cair no medo e no terror. Mas  Pulido Valente

pelo que escreve e pelo que diz passou para o extremo oposto. Para ele não deve existir fiscalização nem polícia. Chamaria a esta posição anarquismo político. A polícia não é precisa para nada e a liberdade dos cidadãos deve ser total e não sofrer limitações. Assim,  é que podemos falar numa verdadeira democracia.

Para P.V. o cidadão não precisa do Estado como ama-seca a impor regras e normas para que não ponha em causa a sua liberdade. Só que, se houver intoxicação alimentar ou falsificação de produtos, o cidadão não se vai queixar ou pedir indemnização a P.V mas sim ao Estado.

Ao colocar em figura de jornal uma placa com diversas proibições dá a entender que elas nunca se deveriam aplicar. Provavelmente seria mais simpático escrever:

-É permitido fumar;

-É permitido comer / beber

-É permitido circular sem cinto de segurança

-É permitido deitar papéis para o chão

Etc…Etc..Etc…

 

Teríamos assim uma sociedade onde daria gosto viver. Mas a realidade é bem diferente. A liberdade não é o livre arbítrio de cada um fazer o que lhe der na real gana sem respeito por normas ou pela ordem estabelecida.

A ordem não é nem deve ser um capricho dos governantes mas o mínimo que é necessário para garantir a segurança dos cidadãos.

Para finalizar diria que P.V. não é um “ liberal de pacotilha “ mas sim um utópico anarquista.

 

 

Francisco Martins

publicado por pontodemira às 20:59
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008

OS CRÍTICOS DE SÓCRATES

Na edição de domingo do Jornal “ Público “ António Barreto e Pulido Valente resolveram juntar-se e zurzir o primeiro ministro José Sócrates.

As críticas de António Barreto incidem sobre as decisões tomadas em relação ao futuro aeroporto de Lisboa e à ratificação por via parlamentar do Tratado de Lisboa. Os dois casos contrariam as propostas eleitorais e o programa do governo. A censura destas decisões não me surpreende pois é devidamente fundamentada. O que me irrita é a adjectivação ríspida e agressiva nos comentários que faz. Ao chamar ao primeiro ministro cínico e pueril está a utilizar uma linguagem desajustada e exagerada. António Barreto diz que bastaram quarenta e oito horas para tomar uma decisão firme sobre o relatório que foi apresentado pelo LNEC. Acrescenta ainda que primeiro se decide e depois se estuda. Refere-se ainda ao mal em que enfermam as obras públicas: não cumprimento dos prazos e dos custos orçamentados , dos acidentes sem responsabilidade,  etc…etc.. Sobre isto não há nada a opor porque é verdade. De qualquer forma também me parece que se o governo demorasse a decidir, as críticas iriam chover da mesma maneira. Como diz o aforismo :” preso  por ter cão e preso por não ter”.

 

Todo o arrazoado de Pulido Valente tem por objectivo reduzir a actividade do governo a zero. Nada se fez até agora e os cidadãos ainda não se deram conta de quaisquer melhorias. O governo não tem feito outra coisa senão dormir. O simplex é uma farsa. Aqui o dr. Pulido esquece-se que pode, por exemplo, comprar uma casa e registá-la sem fazer escritura. Além deste caso  há ainda muitos outros em que os procedimentos a seguir foram simplificados. Diz também que a economia está em coma mas esquece o esforço que foi feito para conter o déficit orçamental. Finalmente chama a Sócrates um polícia que manda e proíbe. Provavelmente está a referir-se ao facto de não poder fumar em locais públicos como até então fazia.

 

De tudo isto fica claro que se o país se governasse de retórica  estaríamos agora no ranking dos melhores da Europa e do Mundo. Para o conseguir bastaria que Pulido Valente e António Barreto disputassem entre si os cargos de Primeiro Ministro e de Presidente da República. Só que a política é feita de rigor e realismo e não se compadece com verborreias e aventuras demagógicas.

 

Francisco Martins

publicado por pontodemira às 21:52
link do post | comentar | favorito
Domingo, 13 de Janeiro de 2008

DAR O DITO POR NÃO DITO

1-Os órgãos de comunicação social deram grande destaque a duas decisões importantes tomadas pelo governo: a localização do novo aeroporto de Lisboa em Alcochete e a ratificação do Tratado de Lisboa pelo Parlamento. As soluções previstas e propostas no programa de governo do partido socialista eram diferentes e por isso choveram as críticas e os protestos.

 

2-Comecemos pelo aeroporto de Lisboa que inicialmente devia ser construído na Ota e  agora depois de concluídos os estudos efectuados pelo LNEC se entendeu que o melhor local seria Alcochete. Todos sabemos a inflexibilidade do ministro das Obras Públicas recusando as alternativas que iam sendo propostas pelos entendidos na matéria.Como havia estudos feitos anteriormente  não se justificava uma mudança de opinião. Depois vieram as afirmações bem conhecidas de que o Alentejo era um deserto e que o aeroporto a sul do Tejo “ jamais “. Com o desafio feito pelo governo à sociedade civil para apresentar alternativas à Ota e ao apelo do senhor Presidente da República a um consenso e a um exame aprofundado de todas as opções aparece um estudo da CIP apontando como melhor solução Alcochete. Acabou aqui a teimosia do ministro Mário Lino e ainda bem que imperou o bom senso pois para um assunto de tamanha importância teriam que se abrir as portas a todas as hipóteses. Claro que os apologistas da Ota vêm dizer que o governo se deixou vencer pelos lobbies dos grandes interesses económicos da margem sul.  O que é certo é que há bons motivos para preferir Alcochete. Além das razões de segurança e do ambiente apontadas pelo primeiro ministro José Sócrates há ainda a ter em conta os menores custos na construção da plataforma, os prazos de execução mais curtos e ainda uma maior operacionalidade. Parece portanto não haver dúvidas de que Alcochete é na verdade a melhor solução

 

3-Quanto ao Tratado de Lisboa embora no programa do partido socialista apresentado aos eleitores constasse a sua ratificação por referendo a verdade é que agora se remete para o Parlamento essa tarefa . Também aqui as opiniões de juristas e políticos não são consensuais. Os partidários do referendo dizem que perante uma matéria de tão grande importância deve ser o povo directamente a decidir. Os que preferem a ratificação parlamentar alegam que quase todos os países escolheram esta via dado que um não no referendo iria abalar profundamente os alicerces e a coesão da União Europeia. Pessoalmente entendo que a segunda opção será a melhor. Um tratado contém sempre normas de grande complexidade e não é fácil através da resposta a uma pergunta tomar a decisão mais correcta. Os debates na televisão nem sempre são esclarecedores ou chegam ao grande público. Por outro lado tem havido sempre uma enorme abstenção que torna os referendos não vinculativos. Deste modo defendo a ratificação parlamentar. Sendo o Parlamento um órgão representativo do povo parece-me ser este a sede mais apropriada para o fazer. Os deputados têm sem dúvida a capacidade e os conhecimentos técnicos para decidir em matéria da sua competência. Ao contrário do que disse o primeiro ministro José Sócrates o Tratado de Lisboa não é substancialmente diferente do Tratado Constitucional e não é isso que deve ser tido em conta na escolha da via mais apropriada para a sua ratificação.

 

4- Os dois casos apontados deviam ser tema de meditação para os políticos que demagogicamente prometem muito nas eleições e depois não cumprem. É certo que por vezes há alterações anormais das circunstâncias e dos pressupostos que serviram de base às promessas. Por isso os programas deviam ser redigidos nas suas linhas gerais fugindo a questões concretas quando não há a certeza de as poder concretizar. É por estas e por outras que muitas vezes se ouve dizer que os políticos são todos iguais. Se os eleitores   perderam a confiança nos políticos as opções de escolha são reduzidas. A democracia só tem a ganhar com políticos que cumprem as  promessas que fazem e honram os seus compromissos

 

Francisco Martins

 

publicado por pontodemira às 21:33
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008

Medidas polémicas

Em política governar não é fácil. É preciso programar e depois proceder à execução dos planos previamente estudados de forma a atingir as metas pretendidas.  Os programas apresentados aos eleitores deverão ser fielmente cumpridos sob pena de se desacreditar a democracia. Há quem queira agradar aos eleitores garantindo determinadas medidas que depois não são executadas. Por vezes têm de se tomar decisões imediatas que não estavam previstas e implicam despesas extraordinárias  que têm de ser efectuadas. Há serviços como a Saúde e a Educação que embora dêem prejuízo ao Estado têm de ser prestados pois está em causa o interesse geral da população sobretudo das classes mais desfavorecidas. Se assim não fosse só os ricos teriam direito à saúde e à educação. Vem isto a propósito do que alguns comentaristas apelidaram de intervenção arrogante e autoritária do governo no que diz respeito, ao fecho de algumas urgências nos SAP e  à denominada laicização da sociedade.

As urgências nos SAP estavam a prestar bons serviços em quase todas as localidades nomeadamente nas regiões do interior muitas delas afastadas dos hospitais onde podiam recorrer em caso de emergência. Foram criados porque se entendeu que eram necessários às populações e de um momento para o outro essa utilidade deixou de existir. Para uns terá sido por razões económicas ou seja para poupar dinheiro. Para o ministro da saúde trata-se de racionalizar os serviços e de os tornar mais operacionais.

Não duvido que haja casos em que o número de doentes atendidos durante a noite seja reduzido ou insignificante. Também não duvido que muitos doentes foram reconduzidos para os hospitais por não haver condições para um tratamento adequado nos SAP.  De qualquer forma há sempre situações em que um atendimento rápido e atempado pode salvar uma vida. Só por isso justificar-se-ia a manutenção de um serviço de urgências.

Poupar dinheiro só faz sentido se não houver diminuição de regalias dos utentes do serviço nacional de saúde.

Um outro aspecto que está a gerar alguma polémica e tem tido eco nos órgãos de comunicação social é a tentativa do governo de laicização da sociedade civil. Primeiro foi a questão das capelanias dos hospitais e recentemente constou que iriam ser retirados os nomes de santos das escolas. Todos sabemos que deve haver uma separação do Estado e da Igreja sem interferências de um lado  e do outro. Ou seja, para dizer  de uma maneira mais simples, o Estado deve ser laico. Era precisamente o que pensava Jesus Cristo quando respondendo uma pergunta provocatória de um fariseu disse : “ dá a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. O Estado e a Igreja devem respeitar-se mutuamente actuando apenas no âmbito da competência própria de cada um.

Se o governo pretende suprimir toda a simbologia e referência religiosas de edifícios públicos essa atitude parece-me não só inadequada mas perfeitamente desnecessária. Durante largos anos ninguém se sentiu incomodado e de um momento para o outro as coisas mudaram de tal maneira que é necessário apagar tudo da memória.  Necessário e prioritário seria para mim que o governo dedicasse mais tempo ao desenvolvimento económico do país e à resolução dos problemas sociais de forma a minorar o fosso existente entre os que ganham fortunas em lugares de chefia e os que vivem no limiar da pobreza.

 

Francisco Martins

 

 

publicado por pontodemira às 21:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

O ateísmo continua na ordem do dia

 

Nos últimos tempos o ateísmo tem sido um tema recorrente na imprensa e na literatura. È toda uma parafernália de livros  que procuram desmistificar as Religiões ou melhor provar que Deus não existe. O expoente máximo, a estrela mais brilhante deste universo parece ser o britânico Dawkins.

No jornal “ Público “ do dia 27 de Dezembro passado o colunista  Rui Tavares critica o cardeal Patriarca de Lisboa, D.José Policarpo por este considerar o ateísmo o maior drama da Humanidade. Parece-me que o tema merece uma abordagem mais profunda para não se ajuizar de forma incorrecta a mensagem do senhor cardeal Patriarca.

É claro que há fome, guerras, doenças, miséria e estes assuntos deviam merecer toda a atenção da Igreja, do poder Político e de nós todos pois são problemas que não nos podem deixar indiferentes.

É certo que a violência, as guerras são provocadas tanto por ateus como por religiosos como é o caso dos fundamentalistas islâmicos. Há ateus e religiosos que se preocupam com a paz e com os problemas sociais e se empenham a sério na construção de um mundo melhor. Ou seja há bons e maus de ambos os lados.

Se compararmos no entanto o ateísmo com o cristianismo verificamos que as diferenças são notórias. O ateísmo confia exclusivamente na ciência e no progresso para constituir uma sociedade melhor. Deus não só  não é necessário como é um obstáculo. Mas uma sociedade que aponta para o vazio e acaba no nada é uma sociedade sem esperança.

Para o cristianismo a verdadeira esperança está em Deus que nos ama  e quer que todos os homens se respeitem e se amem mutuamente . A felicidade na terra é sempre efémera e transitória comparada como o amor de Deus que é infinito . Estão aqui em confronto como diz Santo Agostinho duas cidades : a terrestre que esquece Deus e se funda no amor próprio e em coisas perecíveis e a de Deus que é eterna e aponta para o amor de Deus com desprezo do nosso egoísmo.

Na parte final do seu artigo diz o colunista atrás referido que se a Igreja se preocupar mais com os jogos de linguagem os problemas se irão agravar. Concordo em parte com esta afirmação mas seríamos injustos se disséssemos que a Igreja não se preocupa com os problemas que afectam grande parte da Humanidade.  Há padres, missionários, religiosos e religiosas por todo o Mundo que dedicam a suas vidas ao serviço dos mais carenciados e dos que sofrem perseguições e injustiças. Não se pode radicalizar a questão. É pela união de crentes e não crentes que se construirá um mundo melhor, mais humano e mais justo.

 

Francisco Martins

 

publicado por pontodemira às 22:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30


.posts recentes

. A gratuitidade dos manuai...

. A Estranha Ordem das Cois...

. SER MORTAL

. Os grandes filósofos: Lei...

. A queda do ocidente? Uma ...

. Como garantir a democraci...

. Os grandes filósofos:Jean...

. Eutanásia: Ética e Liberd...

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds