Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Público e privado ( interferências )

 

 

Pensava eu que havia uma fronteira nítida entre o Estado ( Administração Pública ) e as empresas privadas de forma a não haver ingerências nem interferências de um lado no campo específico do outro.

Pensava eu mas enganei-me, como o revela o recente caso B.C.P . O mais lógico seria a Administração do B.C.P e os accionistas maioritários resolverem os seus problemas internos. Mas tal não aconteceu e foi preciso o Governo através do ministro das Finanças vir solucionar uma questão do foro privado. Isto é um descrédito para a Banca portuguesa que revela pouca maturidade e fraca dinâmica interna , ficando neste caso  prisioneira de uma decisão do Governo.

Acresce ainda que quem é designado para preencher altos cargos na banca são geralmente pessoas afectas ou ao PS ou ao PSD. Será que não há ninguém independente ou de outros partidos capazes de assumir tais funções ?

Há quem considere haver partidarização de sectores importantes da vida do país o que não deixa de ter algum sentido. Não está em causa a competência das pessoas. Só que não cai bem e as suspeitas de influências estranhas fica sempre a pairar no ar. Como se costuma dizer “ em política o que parece é “  Ou como diziam os romanos : Non omne quod licet honestum est ( nem tudo o que é lícito é honesto ).

 

 

Francisco Martins

 

publicado por pontodemira às 23:04
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Dezembro de 2007

Salvos na Esperança ( Apreciação e comentários )

 
1Numa loja de artigos religiosos encontrei a última carta encíclica do papa Bento X VI, Salvos na Esperança ( Spe Salvi ) e resolvi comprá-la para ler.
Trata-se de um documento de grande erudição, dada a vasta cultura filosófica e teológica do Papa. A fonte principal que serviu de base a este trabalho foram as Cartas escritas por São Paulo, embora haja citações de Santo Agostinho, de São Tomás de Aquino, Kant entre outros menos conhecidos.
Esta Carta Encíclica vem na sequência da anterior, Deus Caritas est ( Deus é Amor ), faltando apenas para completar as três virtudes teologais tratar o tema a Fé.
                   
2 A esperança é para os cristãos a referência máxima pois com a Ressurreição de Jesus há a possibilidade de uma vida nova de felicidade eterna quando morrermos. Na Carta aos Tessalonicenses, que costumamos ouvir ler nas missas pelos defuntos, São Paulo diz o seguinte: “Irmãos, não quero deixar-vos na ignorância a respeito dos que falecem, para não andardes tristes como os que não têm esperança. De facto, se acreditardes que Jesus morreu e ressuscitou assim também Deus reunirá com Jesus os que em Jesus adormecerem “
Este é o documento chave que irá orientar o desenvolvimento da Carta Encíclica.
 
3 Logo no início o Papa começa por dizer que a Fé é Esperança e esta nos dá a certeza que a vida não acaba no vazio. Acrescenta ainda que a mensagem cristã não é apenas informativa mas performativa. Ou seja não transmite apenas verdades mas conduz á acção e apela à mudança de vida. Refere-se depois à esperança alicerçada na Fé do Novo Testamento e da Igreja primitiva. Na Carta aos Hebreus ( 11,1 ) a Fé é definida das seguinte maneira: a Fé é a garantia das coisas que se esperam e a certeza das que se não vêem “. Assim fica claro que a Fé é a garantia da Esperança..
Enquanto no Antigo Testamento a esperança de Israel assentava na aliança de Moisés com Deus no Novo Testamento é Cristo ressuscitado o garante dessa esperança.
Bento XVI diz ainda que nos sarcófagos dos primórdios do cristianismo, Cristo era representado através de duas imagens: a do filósofo e do pastor. O filósofo não tinha o sentido académico que se lhe dá mas o de alguém que ensina a arte de ser realmente pessoa, a arte de viver e a arte de morrer..O pastor era a imagem dos que preferem a vida serena e simples do campo à confusão da cidade. Nos Salmos Jesus é apresentado como o Bom Pastor que nos guia e nos conforta e ajuda nas situações difíceis.
 
4 A verdadeira esperança é a que aponta para a vida eterna. Diz o Papa que muitos não querem a vida eterna porque a consideram enfadonha e indesejável. Mas a vida ilimitada na Terra tornar-se-ia insuportável nem havia condições para que tal acontecesse. A respeito da vida eterna cita Santo Agostinho  quando diz . “ Não sabemos o que desejamos e o que provavelmente queremos. Porém no facto de não saber, sabemos que esta realidade deve existir.” Há em nós uma douta ignorância ( docta ignorantia )
Falar de realidades que a nossa inteligência não pode alcançar é complicado senão impossível. Para Bento XVI é mais fácil dizer o que a vida eterna não é- sucessão contínua de dias do calendário ; extrapolando depois para o campo puramente especulativo, acrescenta que a vida eterna se podia comparar a um instante repleto de felicidade.
 
 5 Com os tempos modernos a Fé passou a ser entendida de diferentes maneiras. Francis Bacon descobre o método científico e a partir daí a esperança passa a ser a fé no progresso. A revolução burguesa de 1789 ( revolução francesa ) consagrou como valores fundamentais a liberdade e a razão. E são estes valores que passam a garantir a esperança. No século XIX com a industrialização surge a revolução proletária. Para Karl Marx a luta de classes e a socialização dos meios de produção iria instaurar um Mundo Novo sem exploradores nem explorados. Tal não aconteceu e a utopia comunista fracassou. A economia só por si não resolve todos os problemas se não forem respeitadas as liberdades e os direitos fundamentais do ser humano. O progresso que não respeita os valores éticos e morais não é um verdadeiro progresso mas uma ameaça para a humanidade. Sem razão e liberdade não há progresso. Mas a razão e a liberdade têm de ser moldadas pela Fé sem a qual o ser humano fica privado da esperança.
Para o Papa “a época moderna desenvolveu a esperança de um mundo perfeito graças ao conhecimento da ciência e da política cientificamente aplicada. O reino bíblico de Deus foi substituído pela esperança do reino do ser humano. Mas o fundamento da esperança é Deus que assumiu o rosto humano e nos amou até ao fim. O seu reino está presente onde Ele é amado e o Seu amor nos alcança.”
 
6 Na parte final da carta encíclica , Bento XVI diz que a esperança se pode aprender e exercitar. E aponta diversos caminhos para lá chegarmos: a) a oração ; b) o agir e o sofrer ; c) o juízo
Na oração não se deve rezar contra o outro nem pedir coisas superficiais e cómodas
O nosso agir, fazendo o bem, não é indiferente diante de Deus. O reino de Deus é um dom e é sempre mais do que aquilo que merecemos.
Podemos e  devemos ajudar os que sofrem e minimizar sempre que possível o sofrimento dos outros. A nossa finitude e a liberdade que por vezes é encaminhada para o mal não permite que o sofrimento seja eliminado completamente. Mas podemos consolar os que sofrem . A palavra latina consolatio ( com-solatio) significa ( estar com-na solidão). O Papa cita depois uma frase de Bernardo de Claraval que diz :“ Deus não pode padecer mas pode compadecer-Se( impassibilis est Deus sed non incompassibilis)  E acrescenta : “ A pessoa humana tem para Deus um valor tão grande que Ele mesmo Se fez homem para padecer com o ser humano.”
Devemos ser justos e praticar a justiça. Mas o Mundo está cheio de injustiças, de sofrimento e de cinismo do poder. Como a verdadeira justiça raramente se alcança neste mundo isso leva-nos a acreditar que ela só se fará no no Juízo final quando ressuscitarmos e comparecermos diante de Deus. Deus é um juiz justo mas também misericordioso. Como diz o Papa “ O juízo de Deus é esperança quer porque é justiça quer porque é graça. Se fosse pura justiça o juízo em definitivo poderia ser para nós só motivo de terror. A encarnação de Deus em Cristo uniu de tal modo um à outra, o juízo e a graça que a justiça fica estabelecida com firmeza. Apesar de tudo, a graça permite-nos a todos nós esperar e caminhar cheios de confiança ao encontro do Juiz que conhecemos como nosso advogado ( paracletos )”
 
 
7A Carta encíclica termina apontando as estrelas que nos guiam como luzes até à Esperança. São elas: Jesus Cristo, Maria Mãe de Deus e finalmente todos os que viveram com rectidão.
 
8Para concluir um apontamento pessoal. Este documento tem passagens de difícil leitura que requerem uma certa cultura teológica e filosófica. Os temas de carácter escatológico ( vida eterna e juízo final ) e soteriológico ( Cristo Salvador ) não são de fácil compreensão pois se referem a realidades que embora possam ser pensadas e façam parte do Credo Católico, fogem no entanto à nossa capacidade intelectual.
Sobre o Purgatório e o Inferno o Papa escreve de uma maneira muito genérica não se percebendo bem qual o seu verdadeiro pensamento nesta matéria. Será que faz sentido falar no fogo do Inferno como um sofrimento ilimitado e irreversível . Se Deus é infinitamente bom e misericordioso certamente que não vai comprazer-se com este tipo de sofrimento. Penso que seria mais lógico falar do Inferno, e não sei se estarei a dizer uma grande asneira, como o afastamento total e definitivo de Deus ( tout court ).
 
FRANCISCO MARTINS
 
 
 
publicado por pontodemira às 20:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

NATAL ( O Natal da minha infância e o de hoje )

                                            

                   

                                                                  

In illo tempore, peço desculpa pelo latinismo e vou recomeçar o texto. Na minha infância o Natal era bem diferente do que é hoje. Era mais puro e genuíno.

Na véspera do Natal a família mais chegada reunia-se para  a noite da consoada. O prato característico era o bacalhau cozido com batatas. Comia-se também açorda e migas de pão com couve, tudo bem regado com azeite da casa.

No fim da ceia e enquanto se aguardava pela missa do galo vinham os jogos. Jogava-se ao par ou pernão, ao rapa  e ao burro em pé.   Depois feliz e contente  ia para a cama.

Antes de adormecer a imaginação começava a fervilhar pensando nas prendas que iria receber no dia seguinte. A noite parecia mais longa que o habitual. De manhã bem cedo era a corrida para a chaminé para ver as prendas do menino Jesus. Lá estava no sapatinho um pequeno livro de contos colorido, um chocolate e uma peça de vestuário que provavelmente fazia falta e que dava jeito. Tudo tinha um sabor especial . Era um momento único que não se repetia durante o ano.

 

Hoje as coisas não têm o mesmo encanto. Não é o menino Jesus que dá os presentes mas o Pai Natal importado dos países nórdicos. Não são apenas as crianças que são contempladas mas também os adultos. As prendas não são simples e artesanais mas caras e sofisticadas sobretudo para os que têm muito dinheiro para gastar.

Para muitas pessoas e para mim incluído o Natal transformou-se num autêntico pesadelo. Um mês antes tem que se começar a pensar na lista das coisas a oferecer. Depois mais perto da data festiva vai-se à cidade ou cidades vizinhas despejar a carteira. Loja sim , loja não, pára-se para ver ou comprar. E o problema não é só o dinheiro que se vai gastar. Isso é o menos . O mais difícil é acertar nos gostos e preferências das pessoas que vamos contemplar. E lá se vai a tranquilidade e o sossego que deveria existir nesta altura festiva. Só por isto detesto o Natal que se descaracterizou por força da sociedade consumista e mercantil em que vivemos.

Esta sociedade  não se ficou por aqui e inventou mais dias para consumir : é o dia do pai, o dia da mãe, o dia do avô o dia da avó e agora só já falta para a festa ficar completa oficializar o dia do tio e da tia e da restante família….

Ao que nós chegámos Santo Deus!!  Passámos a ser escravos da sociedade de consumo para gáudio e satisfação dos comerciantes.

 

 

Francisco Martins

 

 

 

publicado por pontodemira às 18:25
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2007

Algumas notas sobre a cimeira Europa.África

Realizou-se recentemente em Lisboa a cimeira Europa-África. Todos ao órgãos de comunicação deram uma cobertura destacada do acontecimento apresentando reportagens e entrevistas com as figuras políticas mais importantes. Ficámos a saber que os chefes de Estado africanos se instalaram em hotéis de luxo com excepção de Kadafi que para dar nas vistas resolveu hospedar-se numa tenda que trouxe expressamente para o efeito. Quando tantos africanos vivem na miséria e morrem à fome estes  gastos sumptuários são escandalosos e um verdadeiro escárnio à pobreza.

Sempre que falamos de África vem-nos à memória  um continente pobre e subdesenvolvido com doenças que se tornaram endémicas e com índices elevados de mortalidade infantil. Falar de África é abordar problemas relacionados com os direitos humanos, com o poder político e com o desenvolvimento económico e social.

Os direitos humanos são sistematicamente  violados na maioria dos países africanos. Como exemplos podemos citar o tráfico de mulheres e crianças, o trabalho infantil e a exploração sexual de mulheres e crianças.

O poder político é normalmente corrupto e tende a perpetuar-se no poder. Dos 53 chefes de Estado africanos 12 estão a governar há mais de 20 anos, 2 são octagenários e 14 superaram os 70 anos ( dados recolhidos da revista Além Mar ) . O apego ao poder justifica-se pelo desejo de acumular riqueza e prestígio. Por isso se procuram todas as formas de impedir a limitação de mandatos. O presidente do Zimbabué, Robert Mugabe foi um dos políticos apontados a dedo por ser um ditador e não respeitar os direitos humanos e as liberdades individuais. O facto é que os responsáveis políticos do Congo, Angola, Sudão, Ruanda, Etiópia, Eritreia e da Somália poderiam também ser metidos dentro do mesmo saco.

A África possui imensos recursos naturais. O subsolo é rico em diamantes, petróleo, ouro e minérios. Como é possível que haja tanta pobreza,miséria e subdesenvolvimen- to ?! A explicação é simples. O dinheiro proveniente da venda de matérias primas como o petróleo vai engordar as contas bancárias dos dirigentes corruptos. Os grandes senhores da política não investem nos seus países mas na Bolsa de Nova Iorque e nos Bancos Suíços. As multinacionais como a Nestlé fixam os preços dos produtos a um nível tão baixo que por vezes não cobrem os custos de produção. Acresce ainda que a agricultura africana tem dificuldade em competir com a sua congénere europeia que em determinados sectores é altamente subsidiada pelo Estado.  O relator das Nações Unidas Jean Ziegler (1 )  põe o dedo na ferida e vai mais longe ao dizer o seguinte:  Na maioria dos países do continente ( africano ), como se sabe a acumulação de capitais é fraca, o produto dos impostos quase inexistente e os investimentos públicos deficientes.No espaço de um ano ( de 2002 a 2003 ) o número de milionários em dólares oriundos de um ou outro dos 52 países de África aumentou 15% .Já são mais de 100 000. Os africanos ricos detêm hoje, acumulados, haveres privados que se elevam a 600 milhares de milhões de dólares, contra 500 milhares de milhões em 2002….. O desemprego permanente e maciço destrói as famílias.  Entre os predadores das economias africanas encontra-se uma maioria de altos funcionários, ministros e presidentes autóctones. “

Acho que esta análise é suficientemente esclarecedora e diz muito sobre a estagnação económica nos países africanos. Segundo as estatísticas 70% da população vive com menos de dois dólares por dia. Há mesmo quem entenda que , para salvar a Àfrica do subdesenvolvimento, seria necessário um novo Plano Marshall à semelhança do que aconteceu na Europa após a 2ª guerra mundial.

O fluxo migratório de Àfrica para a Europa veio também trazer problemas relacionados com a integração, que, em países como a França, são uma autêntica dor de cabeça para o governo. A miragem do emprego fácil não passa na maior parte dos casos de uma ilusão que conduz ao desespero e por vezes a actividades criminosas.

As organizações terroristas como a Al-Qaida escolheram a  África como terreno privilegiado para montar as suas bases logísticas e iniciar ataques aos países que estão nas sua lista negra. Tudo isto com a complacência dos países africanos muçulmanos que fecham os olhos e os deixam manobrar à vontade.

Finalmente há também uma questão que considero delicada e tem a ver com o colonialismo. Quando se deu o movimento de libertação das colónias, os portugueses foram corridos como exploradores sendo responsabilizados pelo atraso e subdesenvolvimento dos referidos territórios. A África como diziam os negros era dos africanos e os brancos estavam a mais. Hoje as coisas não melhoraram e estão piores do que estavam com a agravante de ainda termos que dar trabalho aos que nos procuram para sobeviver. Imaginemos agora que seguíamos a mesma filosofia e dizíamos aos africanos que a Europa é dos europeus e não havia lugar para eles em Portugal.

O estigma da colonização recaiu inteiramente sobre os portugueses quando outros países europeus foram tão colonialistas ou mais do que nós. Então a Inglaterra, a França, a Espanha não foram colonialistas ? Os colonos ingleses e irlandeses que se instalaram na América do Norte não dizimaram quase por completo os índios para se apoderarem do território ? As sequelas da descolonização ainda estão bem presentes e a verdade é para se dizer. Claro que houve bons e maus colonos. Mas os bons deixaram todos os seus haveres e tudo o que honestamente ganharam com muito suor e trabalho. E tiveram de começar do zero uma nova vida em Portugal.

Espero que a cimeira de Lisboa se traduza em resultados positivos para os africanos porque a política espectáculo só por si não resolve coisa nenhuma.

 

1-O Império da Vergonha- Jean Ziegler ( edições Asa )

 Francisco J. Santiago Martins

  

 

publicado por pontodemira às 19:40
link do post | comentar | favorito
Sábado, 8 de Dezembro de 2007

Modos diferentes de ler a Bíblia

 

Estamos a chegar ao Natal e hoje apetece-me falar sobre a Bíblia. Os comentários a um blog anterior que fiz sobre o ateísmo tornam oportuno abordar este tema.

A Bíblia é provavelmente o livro mais lido no mundo. A palavra Bíblia tem origem no termo grego biblion ( livro ). É costume dividi-la em dois grandes grupos : Antigo Testamento ou Primeiro Testamento e Novo Testamento ou Segundo Testamento.

O Antigo Testamento é a história do povo Judeu e das suas  vicissitudes ao longo dos séculos.  A língua original do primeiro texto foi o hebraico. Segundo o Padre Carreira das Neves os livros do AT podem ser agrupados em quatro grandes conjuntos:  Legislativos ( ex. Deuteronómio ), Históricos ( Génesis ) Proféticos ( Ex. Isaías ) e Literatura ( sapienciais ex. Eclesiates e de oração ex. Salmos ).

O Novo Testamento é a história de Jesus que se fez homem e indicou aos judeus do seu tempo através do seu exemplo e dos seus ensinamentos o verdadeiro caminho para Deus. O Deus abstracto do AT é agora com Jesus um Deus humano que está ao lado dos pobres e de todos os que sofrem. Os livros do NT podem também ser agrupados em três conjuntos: Históricos ( ex.Evangelhos) , Proféticos ( Apocalipse ) Literatura (ex.Cartas).

A Bíblia no seu conjunto engloba diferentes géneros literários: mito, saga, poesia, romance, carta, ensaio, evangelho, apocalipse e história. Assim, na interpretação da bíblia têm de se considerar todos estes elementos.

No século II a.c. durante o período helenístico dada a predominância da língua grega a bíblia hebraica foi vertida para o grego por 70 sábios judeus durante 70 dias e passou a chamar-se Septuaginta. Na  idade Média S. Jerónimo traduziu-a para latim passando a chamar-se Vulgata. Os livros que fazem parte do texto grego e não constam do texto hebraico designam-se por Deuterocanónicos. O livros comuns aos dois textos são designados por Protocanónicos.

Durante muitos anos vi na Bíblia um relato fidedigno de acontecimentos. À medida que fui amadurecendo culturalmente comecei a notar certas contradições ou factos que não jogavam certos com a ciência actual. Como conciliar por exemplo a criação do homem com a teoria evolucionista que aponta para o crescimento da vida em etapas cada vez mais complexas e por selecção natural até chegar ao Homem. Quando Josué mandou parar o sol ( Js 10,12-15 ) há aqui uma contradição evidente com a teoria heliocentrista. É que o Sol não anda mas sim a Terra. A criação da Terra em sete dias também não joga certo com a ciência moderna pois ela também foi produto de uma longa evolução durante milhões de anos até chegar ao estado actual. Então como explicar tudo isto. Antes de mais é preciso contextualizar os acontecimentos. Os textos foram escritos para povos de uma determinada época e de uma determinada cultura inseridos num local geográfico bem definido. A ciência desconhecia ainda muitas coisas e explicava de acordo com os conhecimentos da época. O autor bíblico não pretendeu fazer um registo fotográfico de acontecimentos mas explicar o poder de Deus e a sua presença na História. Para os judeus, Deus está sempre presente e nunca abandona o seu povo. Foi Ele que protegeu os judeus da fúria e perseguição do faraó e os conduziu à Terra Prometida. É o Deus que liberta o seu Povo da escravidão do Egipto. Saber se, no Êxodo, as pragas do Egipto ou a divisão das águas do Nilo são realidade ou ficção não me parece que seja importante. O que o autor quis dizer foi que sem a ajuda e a colaboração de Deus seria difícil aos judeus libertarem-se dos seus opressores.

Chegados aqui levanta-se a questão da hermenêutica bíblica ou seja dos problemas relacionados com a sua interpretação. Ainda hoje há pessoas e cristãos como os neopentecostais americanos que interpretam literalmente a Bíblia. Acreditam na teoria criacionista  segundo a qual há uma intervenção directa e imediata de Deus na criação de tudo quanto existe e se passa no Universo. A criação do céu e da terra do homem e da mulher é exactamente como vem descrita na Bíblia. Se alguma coisa não joga certo com a ciência é esta que está errada. São os chamados fundamentalistas.Ora a Religião de forma alguma pode estar contra os dados da Ciência. Deus não quer nem pode querer a nossa ignorância. Os avanços da Ciência não conseguem nunca responder ao sentido último do Mundo e do Homem .

Uma outra forma de estudar a Bíblia é através do método histórico-crítico interpretando o sentido literário e recorrendo às fontes externas e internas de cada livro ou secção. Este estudo é feito com apoio da filologia, arqueologia, história das religiões e da sociologia. Os diferentes modos da criação em Gn 1 e em Gn 2 foram apurados por este método.

Nenhum método é único no estudo da Bíblia. Nos comentários à Bíblia ( ed. Expresso) o Padre Carreira das Neves diz que a Bíblia se deve entender como. uma interpretação teológica da história. Com isto quer significar que em todos os textos está subjacente a fé em Deus “ Pai da família humana que n ´Ele  acredita “.

Para terminar queria abordar os milagres realizados por Jesus que alguns contestam. Todos sabemos pelos Evangelhos que Jesus operou factos prodigiosos que deixaram as pessoas que os viram estupefactas. Isto não quer dizer que todos os milagres tenham a mesma consistência histórica. E passo a citar o Padre Carreira das Neves ( volume 10, pag 64 ed. Expresso) : “ Os crentes, só por serem crentes, não devem cair no erro, aliás comum de tudo lerem e compreenderem como histórico, caindo no fundamentalismo e concordismo. Curar coxos , cegos, surdos, leprosos, doentes mentais não é a mesma coisa que ressuscitar mortos, caminhar sobre as águas do “ mar “, multiplicar milhares de pães e peixes a partir de dois ou três, transformar a água em vinho. Jesus não era nenhum mago ou malabarista. “ Podemos então inferir , concluo eu, que muitos milagres sobretudo os que subvertem as leis da natureza são apresentados com fins simbólicos ou preocupações teológicas. Ou citando outra fonte  ( padres Dehonianos ) alguns milagres poderiam ter sido redigidos como “ representações antecipadas do Cristo glorioso “

Para terminar direi que a Bíblia tem de ser lida com fé pois também foi com fé que os seus autores a escreveram.

 

Francisco Martins

 

 

 

publicado por pontodemira às 19:53
link do post | comentar | favorito
Domingo, 2 de Dezembro de 2007

O despotismo iluminado do dr. Pulido Valente

Se há pessoas iluminadas em Portugal o dr, Pulido Valente é uma delas. Ele sabe de tudo, conhece tudo ao mais ínfimo pormenor. Não há ramo do conhecimento que ele não domine.   Ninguém sabe mais do que ele. Mas é um pessimista por natureza pois só vê desgraças na sociedade portuguesa.

Agora fez uma descoberta de espantar. Tal como no século XVIII existe um despotismo iluminado em Portugal.  Para  PV o PS ( penso que quis dizer o Governo ) entrou em paranóia e deu em regular a vida dos cidadãos nos seus aspectos mais banais e corriqueiros,  restringindo o consumo de sal do açúcar do tabaco e da droga. Não sei se isso está ou não legislado ou se não passa de uma mera intenção. De qualquer forma parece-me que todas as medidas que concorram para melhorar a saúde dos cidadãos são bem vindas.

 Pessoalmente estou-me nas tintas que   PV se encharque de açúcar e de sal que fume quanto quiser e se drogue se sentir necessidade.

Sempre que almoço num restaurante verifico que a comida ,em regra, tem sal a mais. Isto afecta a saúde de muita gente. Não só os hipertensos mas também os pessoas que são saudáveis e a prazo poderão ter problemas cardíacos.

Quanto ao tabaco é bem pior. O dr. Pulido Valente é livre  de fumar o que quiser que a mim  também não me incomoda nada. O que não pode é obrigar-me a engolir o fumo que expele para o ar. Cada um é livre de fazer o que bem lhe apetecer  desde que respeite a liberdade dos outros. Infelizmente há muita gente a pensar  como PV.  É o caso  dr. Miguel Sousa Tavares que num artigo publicado no semanário “ Expresso “ se queixava de uma interferência desnecessária do Estado na vida dos cidadãos.  De tudo isto  podemos concluir que os fumadores só pensam no prazer que o fumo lhes dá. Os outros que se lixem.  Até parece que quem está a mais num restaurante ou num café não são os fumadores mas sim os que não querem fumar.

 

Vamos ver se a lei anti-tabágica que proíbe o fumo em recintos fechados com menos de cem metros quadrados irá ter aplicação efectiva no próximo ano. Esta lei não é uma perseguição aos fumadores como já li num jornal. Trata-se de uma medida de saúde pública que irá beneficiar os cidadãos em geral.  Quem quiser fumar que o faça de modo a não prejudicar ninguém .

 

Francisco Martins

 

 

publicado por pontodemira às 21:21
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. SER MORTAL

. Os grandes filósofos: Lei...

. A queda do ocidente? Uma ...

. Como garantir a democraci...

. Os grandes filósofos:Jean...

. Eutanásia: Ética e Liberd...

. Fanatismo e fundamentalis...

. Análise crítica ao livro:...

. Sapiens: Breve História d...

. Três realidades distintas...

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds