Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

VER DEUS PELAS LENTES DE UM ATEISTA

1-Para o político francês André Malraux o século XXI ou seria religioso ou pura e simplesmente não seria nada. Parece que os seus vaticínios não estão a sair certos pois os movimentos ateístas têm-se multiplicado e tentam por todos os meios confundir as pessoas sobretudo os indiferentes ou aqueles para quem a religião lhes passa ao lado. É um facto que as igrejas se estão a esvaziar e isso é notório no que diz respeito aos mais jovens.

O filósofo francês Michel Onfray, autor dos livros “Tratado de Ateologia” e “Potência de Existir- Manifesto Hedonista “ , deu à Revista Visão uma entrevista na qual declara o seu ateísmo e entusiasma os que são crentes a abandonar Deus. Do mais importante passo a citar o seguinte: “ Só num Mundo sem Deus é que o Homem é livre. A queda das ideologias fez com que muita gente se reencontrasse no religioso. Em nome de Deus fizeram-se cruzadas, numerosas guerras e a Inquisição. Se Deus não existe, como acredito, não é preciso uma moral fundada na eternidade. Nas religiões monoteístas há um ódio às mulheres, aos homossexuais, à inteligência e à razão, aos prazeres do corpo, aos desejos e às pulsões. Quando se vive sob o olhar de Deus, não se é livre. Quando se age em função de ser salvo ou condenado, de ficar eternamente no Paraíso ou no Inferno, vive-se na inquietação. Tudo o que acontece é por vontade ou decisão de Deus. E por fim termina dizendo que o “ hedonismo é a arte de ser feliz “.

 

2-Discordo inteiramente do filósofo Michel Onfray pois o seu raciocínio assenta em premissas erradas.

Em primeiro lugar Deus não é nenhum tirano ou Big Brother que ande por toda a parte a vigiar-nos para nos punir implacavelmente. Pelo contrário Deus é Amor, cheio de misericórdia e sempre pronto a perdoar. Se Jesus Cristo disse para perdoarmos 70X7 então o perdão de Deus ultrapassa tudo o que se possa imaginar.

Em segundo lugar Deus criou-nos livres e portanto capazes de praticar o Bem e o Mal. Mas a liberdade não é cada um fazer o que bem lhe apetecer sem sujeição a regras. Há normas éticas e comportamentos morais que ninguém nem mesmo ateu poderá pôr em causa. O filósofo Kant dizia : “ Age de modo que a tua vontade possa valer como lei universal “ A norma moral é assim um imperativo ( Faz isto ) e categórico ( não deve haver razão nenhuma especial para o fazer ). Mas Kant que era agnóstico, vai mais longe e explica que se o Bem nem sempre é recompensado neste Mundo terá de haver outra vida depois da morte onde se possa fazer justiça e a virtude possa ser premiada. Isto pressupõe claramente a existência de Deus. Se Deus escapa ao nosso conhecimento só pela Razão Práticas lá poderemos chegar.

Em terceiro lugar a felicidade pode ser encarada de diferentes maneiras. Enquanto para um crente ela se alcança na virtude , na solidariedade e no amor ao próximo para um hedonista como Michel Onfray só desfrutando a vida se consegue ser feliz. Também o existencialista Sartre entendia que  o homem só é verdadeiramente livre se não ficar preso a normas morais ou religiosas que condicionam negativamente a alegria de viver. Estão assim em jogo duas concepções diferentes da vida: uma altruísta de desprendimento e inter-ajuda e outra egoísta que apenas pensa no prazer físico. O Paraíso e o Inferno começam a construir-se aqui na Terra consoante nos inclinamos para o Bem ou para o Mal.

 

Em quarto lugar Deus não pode ser invocado para praticar o Mal. As cruzadas ,a Inquisição, as guerras de forma alguma se podem justificar e muito menos tendo o apoio e a cobertura de Deus. A Igreja já condenou todos esses crimes e crueldades que desvirtuam por completo o espírito cristão ou sentido religioso de qualquer crente. Como diz o Padre Anselmo Borges ( 1)” as vertentes da Religião boa são: a mística-paixão por Deus e a ética- compaixão por todos. A mística sem ética é ilusória, como a ética, sem a religião no limite, corre o risco de ficar cega. Não há, pois, lugar para o fundamentalismo nem para o choque de religiões “

No Antigo Testamento aparecem de facto apelos à guerra e à violência. Estes textos não podem, no entanto, ser interpretados de forma literal ou fundamentalista. Os textos foram inspirados em Deus, mas de forma alguma foram ditados por Deus. Os autores, no seu tempo histórico, concebiam Deus de uma determinada maneira que não escandalizava ninguém. A ideia de Deus foi evoluindo até chegarmos ao Sermão da Montanha em que Jesus Cristo diz : “Bem -aventurados os mansos porque possuirão a Terra.”

                   "Bem-aventurados os pacificadores porque serão chamados filhos de Deus "

 

Por último, na religião cristã não se  fala de ódio às mulheres, aos homossexuais, à inteligência e à razão, aos prazeres do corpo, aos desejos e às pulsões. As religiões não podem incitar ao ódio pois como já ficou dito Deus apela ao Amor como está expresso no 1º Mandamento ( Amarás a Deus e ao próximo como a ti mesmo ). Por outo lado a fé não pode ser cega e por isso tem de se apoiar na inteligência e na razão. Não há qualquer contradição entre fé e razão nem entre ciência e religião. O facto da Igreja não concordar com a homossexualidade não quer dizer que odeie os que são homossexuais. Quanto à discriminação da mulher ela é mais evidente na religião muçulmana. Na religião cristã criou-se por vezes a ideia de que S.Paulo discriminava as mulheres o que não corresponde à verdade. S.Paulo não fazia qualquer distinção entre homem e mulher. Ambos eram iguais em Jesus Cristo. Algumas cartas, as pseudopaulinas, não foram escritas por ele e são sobretudo essas que colocam a mulher numa relação de subserviência em relação ao homem.

 

3-Para finalizar este tema gostaria de dizer que crentes e ateus embora afastados no que diz respeito à crença em Deus podem até estar próximos no comportamento ético, no espírito humanitário e filantrópico. O ateu até pode estar bem perto de Deus sem o saber. Nada melhor para concluir do que as palavras do padre anglicano Keit Ward (2) que passo a citar: “  A prática religiosa é, ou deve ser, uma prática de formação do eu na virtude, na justa excelência de ser uma pessoa verdadeiramente humana…… Se Deus nos incomodar, esqueçamos Deus, e pensemos em adoptar uma estratégia de formação do eu que veja a vida humana à luz de valores cujo mérito é eterno. Um ateu intelectual, alguém que nega que Deus é uma pessoa sobrenatural, pode orar desta forma. “

 

Anselmo Borges- Janela do Infinito , pág.216

Keith Ward- Deus e os Filósofos,pág. 247

 

 

FRANCISCO MARTINS 

 

 

publicado por pontodemira às 22:37
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


.posts recentes

. SONHEMOS JUNTOSO- CAMINHO...

. EUTANÁSIA: SIM OU NÃO

. O REGRESSO DA ULTRADIREIT...

. DEUS E O MERCADO

. A TERRA INABITÁVEL-Como v...

. CARTA ENCÍCLICA: FRATELLI...

. A Democracia em decadênci...

. BOA ECONOMIA PARA TEMPOS ...

. TUDO O QUE NÃO VEMOS- ZIY...

. MARCO AURÉLIO- IMPERADOR ...

.arquivos

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub