Domingo, 1 de Março de 2009

O IMPORTANTE E O ACESSÓRIO

1-Na revista Além-Mar dos Missionários Combonianos, mês de Fevereiro, li um texto intitulado “ Dar voz e vez aos últimos “ ,escrito por Susana Vilas Boas, que me impressionou bastante. Fiquei a saber que na República Centro Africana, a etnia dos Pigmeus está a ser alvo dos predadores humanos. Com a destruição maciça da floresta, esta etnia está a ser privada dos alimentos que precisa para sobreviver e também das plantas medicinais utilizadas para tratar e curar doenças.  Os pigmeus vivem ainda numa situação de verdadeira escravatura e de exclusão social. O sistema de saúde não funciona ou funciona mal e a mortalidade infantil é grande.  E tudo isto porque os políticos corruptos canalizam o dinheiro das suas riquezas naturais para comprar armas ou para aumentar os seus depósitos bancários em vez de os aplicarem na construção de Escolas , Centros de Saúde e de Hospitais.  Este panorama infelizmente é comum à maioria dos países africanos onde os dirigentes políticos são na generalidade desonestos e procuram por todos os meios perpetuarem-se no poder.

Em Portugal e com o aumento do desemprego irão certamente aumentar os casos de pobreza e de exclusão social. Estamos em ano de eleição e seja qual for o partido que irá governar o país nos próximos anos, impõem-se medidas importantes para combater a crise e a recessão económica. Terá certamente de haver ajuda e incentivos fiscais às pequenas e médias empresas sobretudo àquelas que possam produzir bens e serviços exportáveis. É imperioso também uma mais justa redistribuição da riqueza nacional acabando de vez com as duplas reformas e com os vencimentos escandalosos dos gestores públicos. Nos programas que os partidos vão apresentar aos eleitores deveriam apontar as soluções mais importantes para resolver a crise,  pondo de lado as questões acessórias ou de ruptura que apenas dizem respeito a um número restrito de portugueses.

 

2-Como assunto acessório podemos considerar o casamento de homossexuais. Quanto a este aspecto a opinião pública está dividida:  os que são a favor dizem que não deve haver discriminação em relação aos casais heterossexuais ; os que são contra entendem que são realidades diferentes e como tal não devem ser tratadas da mesma maneira. Quando o Bloco de Esquerda ( BE ) apresentou na Assembleia da República uma proposta de legalização dos casamentos homossexuais,o Partido Socialista votou contra.  Se porventura desse liberdade de voto aos seus deputados o diploma seria aprovado dado que a esquerda é maioritária e é a favor do casamento dos homossexuais. Mas o PS entendeu que tal medida não constava do programa eleitoral e não tinha legitimidade para votar favoravelmente esta proposta. Pessoalmente penso que não seria apenas isso, mas também o facto de não querer deixar fugir para outros esta iniciativa.

Muita gente pensa que a Igreja não devia interferir neste assunto e até cita uma frase bem conhecida de Jesus Cristo- a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Quem pensa assim está enganado. Jesus foi uma voz incómoda no seu tempo  e nunca teve medo de denunciar o que estava mal. A missão da Igreja, à qual pertencem padres, bispos e também todos os que se dizem cristãos , é defender os valores e os princípios morais e éticos. Não é normal, no sentido de que foge à regra, o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O casamento tem sido, ao longo dos séculos, uma união entre casais heterossexuais. Embora alguns casais não possam ou não queiram ter filhos , a verdade é que este contrato ou acordo tem em vista a procriação e a educação dos filhos.  Por isso é fundamental que haja  um pai e uma mãe para os educar. As mães solteiras são muitas vezes confrontadas com a pergunta inevitável dos filhos : Quem é e onde está o meu pai ? Muitos ou quase todos manifestam interesse em conhecer o pai, o que é absolutamente natural.

Há ainda o argumento das pessoas que pensam no trauma dos homossexuais que não se podem casar. Dizem que muitas vezes se trata de um móbil que os leva ao suicídio. Quanto a isso tenho a dizer o seguinte: nem todos os casais heterossexuais se casam e não ficam por isso com complexos em relação aos outros. Por outro lado se me cruzar na rua com dois casais homossexuais, um casado e outro em união de facto, garanto que não sou capaz de os distinguir. Hoje em dia é vulgar os casais heterossexuais não se casarem ou fazerem-no muito tardiamente. Não compreendo ,por isso, que os homossexuais tenham como  ponto de honra o casamento. Seria bom que os partidos políticos dedicassem mais atenção nos seus programas aos meios de reactivar a economia e não se distraíssem com questões secundárias.

 

3-Pelo que li da cultura clássica, a homossexualidade não era nenhum tabu para os Gregos. Platão no livro o Banquete desenvolve uma teoria sobre o Amor,  que muitas vezes se designa por “ amor platónico “ e também questões com ele correlacionadas como o sexo e a homossexualidade. Uma das personagens do livro é Pausânias , amante do poeta Ágaton e um pederasta assumido. Para ele há dois tipos de amor:  o amor nobre e  o amor popular. O amante popular é o que prefere o amor do corpo ao amor da alma. O amor mais nobre seria o de tipo ideal baseado na amizade entre pessoas do sexo masculino. Aristófanes, outra personagem do livro, desenvolve o chamado mito andrógino. Segundo ele os seres humanos no início dividiam-se em tês categorias: macho, fêmea e um terceiro que partilhava das características de ambos. “O macho foi inicialmente um rebento do Sol; a fêmea, da Terra; e da Lua, a espécie que reunia as características dos outros dois. “  Estes seres tinham uma cabeça com duas faces e ainda quatro orelhas, quatro braços e quatro pernas. Em dada altura começaram a revoltar-se contra as divindades. Se Zeus suprimisse a raça ficaria sem ninguém que lhe prestasse homenagens e sacrifícios. Para os enfraquecer a melhor solução seria cortá-los ao meio. E assim fez. Então, cada parte dividida procurou a sua metade. Aristófanes diz que “ os homens que resultam do corte de um ser misto só gostam de mulheres ; as mulheres que resultam  do corte de um ser feminino não ligam praticamente aos homens e voltam-se de preferência para  as mulheres ; todos os que resultam de o corte de um ser masculino só andam atrás de homens e comprazem-se em estarem deitados a seu lado, abraçados a eles.”  Está assim explicado de forma cómica e satírica por que é que há homens que se sentem atraídos por homens ; mulheres que se sentem atraídas por mulheres ; e homens e mulheres que reciprocamente se atraem. Estaria assim explicada a tendência de cada um para heterossexualidade ou para a homossexualidade.

Na cidade de Corinto, no século I da nossa era , vê São Paulo uma cidade promíscua e dada à depravação e à imoralidade. Por isso, não tem pejo em condenar a homossexuali-dade,  ou seja,  todos os que, homens ou mulheres,  deixaram as suas relações naturais por outras contra a natureza.

 

Francisco Martins

 

publicado por pontodemira às 19:08
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29

31


.posts recentes

. ATÉ QUANDO IRÁ DURAR A GU...

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

. A Consciência Do Limite

. O HOMEM EM BUSCA DE UM SE...

. VIVO ATÉ À MORTE

. A arte de viver em Deus- ...

.arquivos

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub