Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007

O GOVERNO EM ANÁLISE

 

Com a aprovação do Orçamento de Estado para o ano 2008 vão chover as críticas ao Governo. O descontentamento vem de algum tempo atrás e de todos os sectores da sociedade civil: políticos, sindicatos e cidadãos. Os políticos queixam-se que o governo é arrogante e autista e não ouve ninguém; os sindicatos dizem que tem havido tentativas para controlar a sua actividade e a liberdade de expressão dos professores ; os cidadãos de uma maneira geral protestam com o aumento de impostos e a perda de regalias sociais.

Claro que o Governo não pode alhear-se dos problemas sociais. Deve ouvir as pessoas e dialogar sempre que possível pois só assim poderá corrigir o que está mal. Fechar-se no seu casulo indiferente a tudo e a todos não me parece que seja o caminho certo. Isto não quer dizer que todas as críticas e reivindicações sejam justas e possam ser atendidas. Todos nós gostaríamos de ver os salários ou as pensões de reforma aumentados, menos desempregados e mais direitos na saúde, na educação e no trabalho.Temos no entanto que reconhecer que sem um crescimento económico significativo isso não vai acontecer tão cedo. Se não criarmos riqueza não a podemos distribuir. Por outro lado o espartilho do Pacto de Estabilidade não permite aumentar as despesas tanto quanto seria de  desejar . Por  isso duvido que neste quadro e nas circunstâncias actuais algum partido da oposição consiga realizar prodígios. De boas intenções está o inferno cheio.Isto não invalida o facto de haver aspectos negativos a corrigir de forma a que não sejam só alguns a pagar a crise. Todos sabemos dos lucros exagerados dos bancos; da fuga aos impostos de muitos sectores económicos ; da economia paralela ; dos vencimentos escandalosos de muitos quadros administrativos. Era bom que houvesse uma fiscalização rigorosa nestes casos e nas manifestações exteriores de riqueza para não serem apenas os reformados e a classes médias da administração pública a pagar a crise.

De todas as críticas feitas ao Governo há uma que eu queria pôr em destaque. Prometeu-se nas eleições que os impostos não seriam aumentados. Ora toda a gente sabe que subiu o IVA e o IRS.No meu caso especial de reformado até se passou um caso caricato que passo a citar. Os vencimentos dos funcionários foram aumentados 1,5% mas como o meu IRS subiu 3% não tive qualquer benefício e ainda vi o meu ordenado diminuído na mesma proporção da taxa de aumento. Era bom que os partidos se deixassem de promessas demagógicas nas eleições par a evitar o descrédito total da democracia.

Outra questão que se levanta e que muita gente coloca é a de saber se este Governo é socialista ou de esquerda. Perante os condicionalismos impostos pela CE e pelo mercado global temos que reconhecer que infelizmente fica pouco espaço de manobra para as ideologias que todos gostaríamos que fizessem a diferença quando se escolhe nas eleições.

 

 

FRANCISCO MARTINS

 

publicado por pontodemira às 21:52
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. O REGRESSO DA HIPÓTESE DE...

. ATÉ QUANDO IRÁ DURAR A GU...

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

. A Consciência Do Limite

. O HOMEM EM BUSCA DE UM SE...

. VIVO ATÉ À MORTE

.arquivos

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub