Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

HÁ COISAS QUE CUSTAM A DIGERIR

 

 

1-A crise financeira internacional começou nos Estados Unidos e propagou-se como um incêndio a quase toda a Europa. Portugal também não ficou imune. A princípio falou-se dos depósitos bancários e das garantias dadas pela banca e pelo Estado. A garantia para cada depósito começou pelos 25 000 € e foi passando gradualmente para os 50 000 € e depois para os 100 000€ e neste momento  não sei se as importâncias  estão seguras na sua totalidade.   Os banqueiros portugueses foram rápidos a tranquilizar as pessoas dizendo que os bancos estão bem e de boa saúde mas passado algum tempo todos, sem excepção, aceitaram os milhões de euros que o Estado generosamente lhes concedeu.  Se os bancos estavam assim tão bem não sei por que motivo aceitaram o dinheiro do Estado?  A explicação não tardou. Embora não houvesse ruptura financeira, quase nenhum tinha liquidez suficiente para conceder empréstimos aos empresários e cidadãos que deles necessitassem. E não havendo dinheiro para investir, a economia não arrancaria do estado de estagnação em que se encontra.

 

2-Chegados aqui, uma questão que se coloca é a de saber se o dinheiro dos contribuintes, que o Estado injectou na Banca, foi ponderado caso a caso e se houve o mesmo critério para todos, independentemente de uma boa ou má gestão. Salta à vista, que há três casos distintos a considerar que deveriam ter tratamento diferenciado. O primeiro será o dos bancos que foram cumpridores e apenas têm falta de liquidez. Aqui justifica-se a intervenção do Estado afim de se garantirem os empréstimos a todos os cidadãos que deles precisem.  A segunda situação seria a do BPN em que foram detectadas ilegalidades, erros grosseiros de gestão, fraudes e fugas ao fisco. Neste caso, o Estado deveria penalizar o banco, assegurando apenas os depósitos dos clientes na sua totalidade. Penso que a nacionalização também não se justificavas pois dela não resulta provavelmente qualquer benefício para o Estado.  Finalmente surge o caso BPP, que como é do conhecimento geral, gere as grandes fortunas. Entre os clientes deste banco contam-se Francisco Pinto Balsemão, João Rendeiro e José Miguel Júdice. Seria um verdadeiro escândalo que também aqui, os contribuintes pagassem a crise.  Se o BPP assumia a totalidade dos lucros quando investia na Bolsa por que razão sobrariam para o Estado apenas os prejuízos. Ora, os investimentos de risco são da inteira responsabilidade de quem os faz e a regra é a mesma para todos os bancos, incluindo o BPN. Se assim não fosse, todos os investidores da Bolsa com prejuízos teriam igual direito a pedir ajuda ao Estado.

 

3-Segundo dados revelados pelos órgãos de comunicação social no ano de 2007 foram pagos cerca de 8,2 milhões de euros, em ordenados fixos e variáveis, a administradores executivos da Banca. Afinal, o sector bancário não está assim tão mal. Mas se os lucros são tão grandes que justificam chorudos ordenados então não faz sentido a ajuda por parte do Estado. Estas situações são revoltantes e têm de ser corrigidas o mais rápido possível se quisermos construir uma sociedade mais justa e igualitária. Por alguma razão estamos na cauda da Europa no que toca ao fosso existente entre os mais ricos e os mais pobres.

 

4-Há quem diga que a auto-estima dos portugueses anda muito em baixo. Gostamos de dizer mal de tudo quanto é nosso e apreciamos e louvamos tudo o que se faz lá fora. Mas não há regra sem excepção. Numa entrevista que deu, António Lobo Antunes, considera-se o melhor escritor, quando escreve. Aqui temos um caso em que o ego está uns furos acima do que é normal.

Temos também os que são pessimistas e afinam pela regra geral. Para Filomena Mónica só existem 3 pessoas cultas em Portugal. Ela, provavelmente , encontra-se nesse número restrito. Já reparei que muita gente que se formou no estrangeiro, particularmente em Inglaterra, assume ares de superioridade e olha com desdém e arrogância os colegas de cá.  Eles é que são os bons e por isso toca a dizer mal de tudo e de todos. Mas como diz o povo: “ presunção e água benta cada um toma a que quer “

 

Francisco Martins

 

 

 

 

publicado por pontodemira às 19:28
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. O REGRESSO DA HIPÓTESE DE...

. ATÉ QUANDO IRÁ DURAR A GU...

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

. A Consciência Do Limite

. O HOMEM EM BUSCA DE UM SE...

. VIVO ATÉ À MORTE

.arquivos

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub