Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

O MISTÉRIO DE DEUS

 

 

1-Um conhecido colunista de um jornal diário referia o facto insólito de um senador do Nebraska ,nos E.U, ter movido um processo crime contra Deus, acusando-o de ser responsável por milhões de mortes, catástrofes naturais, inundações, furacões, tornados, etc…Acusava ainda Deus de provocar pragas pestilentas, fomes e secas devastadoras. O colunista, ateu confesso, dizia ironicamente, que, nestes casos, a responsabilidade não se devia atribuir a Deus mas aos homens, pois são estes que constantemente desafiam a Natureza e põem em risco o equilíbrio ecológico. Esta é uma verdade com a qual qualquer pessoa sensata concorda.

 

2-O sofrimento e o mal no Mundo leva-me a tecer algumas considerações, uma vez que é  um tema sobre o qual muitas pessoas se questionam. Como é que os filósofos e algumas religiões vêem o sofrimento ?  Há quem seja indiferente ao sofrimento e também quem o procure como forma de catarse ou de purificação espiritual. Para a corrente filosófica estóica o sofrimento, a dor e  a morte são absolutamente determinados pela ordem e pela lei da Natureza e é impossível e fugir a eles. A felicidade do homem está em viver segundo a razão e em não se preocupar com o sofrimento. Para os budistas só evitamos o sofrimento se nos libertarmos do mundo exterior e dos nossos desejos. A paz  e a tranquilidade ( Nirvana ) obtém-se pela contemplação e pela meditação. Os hinduístas entendem que os homens só conseguem escapar às reencarnações e à Lei do carma ( balanço no final da vida, das acções boas e más ) através da ligação à força Universal ( Brahman divino ). A separação do divino ( Absoluto) é que provoca todo o sofrimento. Para os judeus o sofrimento era um castigo de Deus que aceitavam naturalmente e que levava muitas vezes à reflexão e à mudança

de vida. O islamismo também vê o sofrimento como um possível castigo de Deus em relação ao qual não há nada a fazer. A norma é a da aceitação da vontade de Deus.

 

3-Os crentes e por vezes os não crentes não compreendem por que é que Deus permite o sofrimento. O raciocínio assenta na velha questão: Se Deus é omnipotente então não é bom porque permite o sofrimento; se é bom não é omnipotente porque não consegue eliminar o sofrimento. O filósofo Leibniz na sua Teodiceia ( justificação de Deus ) diz que tudo tem uma razão suficiente, uma explicação. Deus quando criou o Universo ponderou todas as hipóteses e escolheu a melhor. Por isso vivemos no melhor dos  mundos possíveis. Voltaire no livro Cândido aborda o terramoto de Lisboa de 1755 para ridicularizar Leibniz. Assim,perante a morte e a desolação provocada pela catástrofe, Pangloss como consolo dizia:« tudo isto é o que há de melhor; porque se existe um vulcão em Lisboa, não podia estar noutra parte; porque é impossível que as coisas não estejam onde estão ; porque tudo está bem. » E mais tarde quando Pangloss cai nas garras da Inquisição e é enforcado, Cândido, aterrado comentava de si para si :« Se este é o melhor dos mundos possíveis, como serão os outros ? »

Para a corrente gnóstica, nos primeiros séculos do cristianismo, o mundo e a matéria são maus e foram criados por um deus intermédio ( demiurgo ) O homem só pela ascese e pela iniciação esotérica se libertaria do corpo  ( soma ) para chegar ao verdadeiro deus ( Pneuma). A corrente designada por monaquismo que surgiu no século IV leva as pessoas a fugir ao mundo, não por este ser mau em si mas para permitir a meditação e uma maior aproximação de Deus. É, digamos, uma reacção à mundanização da Igreja e às relações promíscuas com o Império, a partir de Constantino.

 

4-A Teodiceia de Leibniz conduz-nos a uma outra questão que é a de saber se o sofrimento tem alguma explicação. É muito difícil argumentar sobre uma matéria tão complexa, a não ser através de hipóteses em relação às quais haja uma certa racionalidade. Aqui, vou servir-me de teses de especialistas na matéria. O psicólogo Richard Swinburne ,professor de Filosofia da Religião da Universidade de Oxford ( 1), divide o sofrimento e o mal em dois grupos : o mal moral e o mal natural. Por mal moral entende-se o que é causado deliberadamente por seres humanos ou constituído por faltas negligentes: tratamentos desumanos, agressões físicas, injúrias, fome existente em muitos países pobres e que podia ser evitada; o mal natural inclui o que não é causado deliberadamente por seres humanos ao fazer o que não deviam: desastres naturais, doenças, acidentes,etc..

No que diz respeito ao mal moral há uma hipótese de peso que devemos ter em conta. Deus possivelmente quis criar seres humanos dotados de livre arbítrio, capazes de fazer o bem e também o mal. De contrário seríamos marionnettes, meros autómatos comandados por um “ deus ex machina “. O maior dom do homem é a possibilidade de distinguir  o bem do mal e de ser inteiramente livre quando age.

Quanto ao sofrimento provocado por causas naturais, a situação é mais difícil de explicar. Neste caso inclino-me para a hipótese sugerida pelo professor de teologia da Universidade de Oxford , Keit Ward ( 2 ) que passo a citar: “ Uma grande parte do problema está, creio eu, no que se chamou a “ falácia da omnipotência “. Pensamos em Deus como detentor de poder ilimitado, de modo a que  Deus pudesse criar qualquer mundo logicamente possível, qualquer mundo que pudéssemos descrever sem autocontradição”  E mais à frente acrescenta : “Falando sem rodeios, Deus não poderia criar-nos num Universo melhor, ou num Universo com menos possibilidades de sofrermos nele. A escolha de Deus não é entre criar-nos neste Universo ou num outro melhor. Não existiríamos num Universo melhor .”

 

5-Como é que nós cristãos devemos encarar o sofrimento. Sabemos que a doença e a morte são inevitáveis porque somos seres finitos e limitados. Depois temos o exemplo de Jesus que ,sendo Deus, não se eximiu ao sofrimento e morreu na cruz por Amor dos homens. Também Jesus perante  a dor reagiu com qualquer sofredor, reclamando a ajuda de Deus: Pai se é possível afasta de mim este cálice ; ou sentindo-se só e abandonado, clama : “ Meu Deus , meu Deus porque me abandonaste “. Mas o maior consolo perante o sofrimento é que Jesus vence a morte e ressuscita. Assim, também nós ,crentes, sabemos que por mais amargurada que tenha sido a nossa existência há sempre a esperança de uma vida de felicidade ilimitada.

Um outro exemplo que devemos ter por modelo é o de Job. Apesar de ser um homem justo e bom não há mal que não lhe aconteça: perde todos os bens, os filhos e é atingido pela lepra maligna. Job sente-se abandonado e diz: «se eu for a oriente Ele não está lá; e se for ao ocidente não o encontrarei; se o procuro no norte, não o vejo; se me volto para o meio dia não o descubro. »  Mais adiante invectiva e censura Deus quando afirma: «Ele exterminou tanto o inocente como o malvado. Ele riu-se do desespero dos inocentes. »

Finalmente quando Deus lhe lembra todas as maravilhas da criação, Job cai em si e arrependido diz: « Os meus ouvidos tinham ouvido falar de ti, mas agora vêem-te os meus olhos. Por isso retracto-me e faço penitência, cobrindo-me de pó e de cinza»

Para terminar nada melhor do que transcrever as palavras  do beneditino Anselm Grun (3):« Na incompreensibilidade do sofrimento, o melhor é entregarmo-nos cada vez mais ao Deus incompreensível. Não nos resta outra possibilidade que não a de nos entregarmos ao Deus completamente diferente e reconhecer que Ele não tem que se justificar perante qualquer instância humana ».

 

1-Richard Swinburne, Será que Deus existe-Gradiva

2-Keith Ward,Deus Fé e o Novo Milénio-Europa –América

3-Anselm Grun,Que fiz eu para merecer isto?-Paulinas

 

Francisco Martins

 

publicado por pontodemira às 20:06
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
29
30


.posts recentes

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

. A Consciência Do Limite

. O HOMEM EM BUSCA DE UM SE...

. VIVO ATÉ À MORTE

. A arte de viver em Deus- ...

. OS GRANDES FILÓSOFOS: HUM...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub