Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

A SEMANA EM ANALISE

 

1-A crise financeira que começou nos Estados Unidos depressa se propagou a toda a Europa. Portugal não fugiu à regra embora se queira camuflar e atenuar a situação. Os banqueiros são unânimes em afirmar que tudo vai bem e não há motivos para alarme. O ministro da economia, o primeiro –ministro e até o Presidente da República garantem que as poupanças dos portugueses não correm perigo. Se realmente é assim por que razão foi assinado rapidamente e publicado um diploma que permite ao Estado injectar na Banca 200 mil milhões de euros. Parece-me óbvio que os Bancos não têm liquidez e poderiam de um momento para o outro entrar em ruptura financeira se não fosse tomada essa medida. Esperemos que os pequenos depositantes, aqueles que colocaram as suas economias na banca não as vejam drasticamente reduzidas ou fiquem mesmo sem elas. Recordo-me que há uns anos atrás, na Argentina, os bancos faliram e os pequenos aforradores ficaram sem nada. O que é certo é que a crise está aí e infelizmente para durar. Quem são os culpados e quais as causas que estão subjacentes a esta situação?  Para uns a culpa está no capitalismo desregulado que não olha a meios para atingir os fins ; outros entendem que a culpa está do lado dos consumidores que não são capazes de resistir à oferta do crédito fácil e se endividam desnecessariamente. É um facto que nem todos têm uma situação económica que lhes permita ter casa. Portugal é dos países, penso não estar a dizer um disparate, que mais casas tem per capita. As pessoas devem, por isso, ser muito cautelosas nas opções que fazem. Mas a verdade é que os bancos têm também muita culpa no endividamento das famílias, pois através de publicidade enganosa incentivam as pessoas ao consumo. Se houvesse um pouco mais de realismo não seria difícil dissuadir os que recorrem ao crédito de enveredarem por situações  que os poderão conduzir à ruína. Os créditos malparados, que por vezes afundam os bancos, poderiam ser evitados se tivesse havido um aconselhamento adequado.

 

2-Um outro assunto que de vez em quando é abordado pelos políticos  e jornalistas é o chamado Rendimento Social de Inserção ( RSI ). Criado pelo Engenheiro Guterres e conhecido por Rendimento Mínimo tem vindo a ser adaptado às circunstâncias para poder servir melhor a quem dele mais precisa.  Penso que ninguém põe em causa este subsídio mas a forma  como ele por vezes é atribuído. Dizem algumas vozes críticas que há pessoas que podem trabalhar e beneficiam deste subsídio. Essas situações, a existirem , deviam ser fiscalizadas e denunciadas para evitar abusos. Constou-me que alcoólicos e obesos estão a receber o subsídio porque não podem trabalhar.   Nestes casos deveria primeiramente proceder-se a tratamento médico de forma a inseri-los o mais rapidamente possível no mercado de trabalho.  Há também quem diga que  o RSI leva por vezes as pessoas a acomodarem-se e a não procurar emprego.  Aqui, estou em desacordo pois não acredito que uma prestação máxima de 180 € possa levar alguém a a desmotivar-se de trabalhar e a não  melhorar as suas condições de vida.  É claro que pode haver casos, sobretudo no meio rural, em que as propriedades agrícolas dêem o rendimento suficiente para poderem viver. Nesta situação específica talvez a ajuda não fosse necessária. Mas de uma maneira geral podemos dizer que este subsídio é absolutamente indispensável em situações de pobreza extrema e enquanto não for possível um regresso ao trabalho que permita outros rendimentos.

 

3-Segundo um relatório da OCDE intitulado : “ Crescimento e Desigualdades “, ficámos a saber que Portugal é dos países onde é maior o fosso entre os mais ricos e os mais pobres. Abaixo de Portugal estão apenas a Turquia e o México..  Quais as causas que estão na origem deste descalabro ? Em primeiro lugar o número de  desempregados tem vindo a aumentar de ano para ano no nosso país e tem sido muito difícil inverter a situação. A globalização leva a que empresas fechem as suas portas  para as abrirem noutros locais de mão de obra mais barata. Portugal tem muito a fazer nos próximos anos na educação e na formação de trabalho especializado, pois este objectivo é imprescindível para sairmos do impasse em que caímos. A agricultura apesar dos progressos que foram feitos nos últimos anos ainda não é competitiva e vemos um pouco por todo o lado produtos estrangeiros a preços que se torna difícil praticar cá.

Uma questão que se coloca é a de saber se não será possível corrigir os desequilíbrios sociais nas condições pouco favoráveis que a economia atravessa.   Na minha modesta opinião muito se poderia ainda fazer: cortar as despesas supérfluas do Estado e das Autarquias ; aumentar os impostos aos que ganham fortunas ou reduzir os seus vencimentos para níveis aceitáveis ;  actualizar anualmente os ordenados aumentando na proporção inversa ao que cada um ganha.  Não sei se isto seria suficiente, mas não tenho dúvidas que seria um bom contributo para minorar a situação.

 

4- Segundo notícia divulgada por alguns jornais o Fundo de Segurança Social perdeu 200 milhões de Euros desde que se declarou a crise financeira de mercados. Nunca me passou pela cabeça que estes fundos fossem canalizados para investimentos de risco. Imagino como se sentirão neste momento os trabalhadores que descontam para uma reforma tranquila. Será que a garantia de Segurança do Estado é melhor do que a subscrição de PPRs nas Companhias Seguradoras ? Provavelmente nem uma nem outra serão seguras a 100 % .  Que venha o diabo e escolha !

 

5-Dos quatro canais de televisão que possuo, os que vejo normalmente são o canal 1 e 2 da RTP. Nos telejornais detesto ver relatos de crimes, assaltos e misérias de toda a espécie. As opções culturais são poucas e estão quase todas nos dois canais que citei. Mas quando não há nada que se aproveite dou uma espreitadela pela SIC e pela TVI. E na SIC dei com um programa que se chama “ A Hora da Verdade “. E pensei para mim : não é possível o que estou a ver. Isto não é realidade mas sim ficção. Como é que uma estação de televisão pode explorar de forma tão execrável o direito à intimidade e á dignidade das pessoas. Como é que há quem esteja disposto a vender em público e por dinheiro a sua dignidade. E os canais de televisão, sobretudo os privados, fazem tudo para manter as suas audiências mesmo que tenham de recorrer aos métodos mais abjectos.

 

Francisco Martins

 

publicado por pontodemira às 21:29
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
29
30


.posts recentes

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

. A Consciência Do Limite

. O HOMEM EM BUSCA DE UM SE...

. VIVO ATÉ À MORTE

. A arte de viver em Deus- ...

. OS GRANDES FILÓSOFOS: HUM...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub