Quarta-feira, 9 de Julho de 2008

Coisas do Simplex ( verso e reverso ) e não só...

 

1-O Simplex tem como objectivo simplificar e desburocratizar. Assim, tudo o que tenha em vista dar aos cidadãos a possibilidade de cumprirem fácil e rapidamente as suas obrigações para com a Administração Pública é para elogiar e aplaudir. Só que não há rosas sem espinhos como vamos ver.
 

2-No passado dia 4 de Julho foi publicado no Diário do Governo o decreto-lei 116/2008 que visa disciplinar os actos sujeitos ao registo predial. O  nº 2 do artigo 33ºdo referido decreto diz que todos os actos sujeitos a registo anteriores à data da publicação do Diário da República são registados gratuitamente desde que os interessados o façam até 2011. Todos os outros que se verificarem depois dessa data pagarão uma taxa que varia conforme uma tabela específica para cada caso. Não é difícil concluir que os desleixados e relaxados a fazer o registo são beneficiados pois não pagam nada. Aqui os cumpridores são os principais prejudicados. Para quê ter pressa se há sempre a possibilidade de à última hora haver uma benesse do Estado. Vamos supor que duas pessoas A e B compraram cada uma delas um prédio no dia 5 de Maio de 2004. O comprador A não perdeu tempo e registou de imediato o prédio, pagando pela tabela então vigente. O comprador B foi adiando e só lucrou com isso, pois agora se quiser registar o prédio não paga nada. Não dá para compreender como é que dois casos iguais são tratados de maneira diferente. Coisas do Simplex que ninguém entende.

 
3-Com o intuito de tornar mais rápidos os acto notariais o Ministério da Justiça resolveu há muito privatizar o Notariado. Aos notários foi dada uma de duas alternativas: montar o seu cartório privado ou continuar dentro dos quadros da Direcção de Registos mas com outras funções. Esta medida agradou ao público em geral e até a alguns notários pois, feitas as contas, cá fora podiam ganhar mais. Só que o Estado não perdeu tempo e com a mesma facilidade com que privatizou assim também foi esvaziando gradualmente os notários de muitas das suas funções. Hoje muitos estão desiludidos e se pudessem voltar atrás não hesitariam. Até parece que, além do intuito louvável de tornar céleres determinados actos, houve também o propósito de libertar da função pública um grande número de funcionários. Ninguém levaria a mal tal atitude se não fossem postas em causas as legítimas expectativas de muitos notários. É que actualmente o leque dos actos notariais obrigatórios resume-se ao seguinte: testamentos, habilitações de herdeiros e constituição de associações. Os restantes actos poderão também ser feitos no notário mas facultativamente.
 
4-Na Internet e através do blog Reginote fiquei a saber a situação desgastante a que são submetidos muitos Conservadores do Registo Civil e Predial. Fixam-se metas e objectivos que os Conservadores e Funcionários têm que cumprir escrupulosamente. Até aqui nada há a apontar. Só que dentro do horário normal ninguém consegue cumprir tais objectivos. São precisas horas extraordinárias e sobra até que fazer para sábados e domingos. Alguns chegam mesmo a pedir a familiares para os ajudarem na informatização dos registos. A vida em família pouco interessa porque acima de tudo estão os objectivos a cumprir. Segundo esta dinâmica de trabalho o que importa mais ao Estado é a quantidade e não a qualidade. E se com a pressa de muito fazer houver enganos, quem é o responsável ? Obviamente que é o Conservador. Muita gente se interroga, e eu também, dos motivos que justificam esta velocidade despropositada. Será para ficar no guinness ou nas estatísticas dos países europeus que mais rapidamente modernizaram a Administração Pública? O que quer que seja o tempo acabará por revelar.
 
5-Deixemos agora o Simplex e falemos de outro assunto a que a comunicação social deu alguma atenção na semana passada. O primeiro-ministro José Sócrates numa entrevista  à televisão disse que iria propor à Assembleia da República a diminuição do IMI. O presidente da Associação de Município ficou indignado com esta afirmação e ironizou dizendo que isso era” fazer o bem com o dinheiro alheio”. Para ele há outros impostos que o governo poderia baixar e não baixa. Afinal ficamos sem saber  se a competência para baixar o IMI é da responsabilidade da Assembleia da República ou das Autarquias. Se for das autarquias , e a avaliar pela reacção do dr.Ruas, teremos que esperar por melhores dias pois, por aqui ,não vamos levar nada.
 
Francisco Martins
publicado por pontodemira às 22:08
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
29
30


.posts recentes

. A TIRANIA DO MÉRITO

. UMA BREVE HISTÓRIA DA IGU...

. A SABEDORIA EM TEMPO DE C...

. A NOVA ARTE DA GUERRA- S...

. O PRÍNCIPE_ MAQUIAVEL

. A Consciência Do Limite

. O HOMEM EM BUSCA DE UM SE...

. VIVO ATÉ À MORTE

. A arte de viver em Deus- ...

. OS GRANDES FILÓSOFOS: HUM...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Abril 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub