Sábado, 13 de Agosto de 2016

ONDE ESTAVA DEUS

 

1-Esta é a pergunta que muita gente faz quando crianças ou pessoas inocentes são assassinadas ou vítimas da guerra ou de qualquer catástrofe. Já anteriormente escrevi um texto sobre esta matéria mas recentemente li um artigo muito interessante na revista “ Bíblica “ escrito pelo teólogo Ariel Álvarez Valdés e nele colhi outros elementos que vão contribuir para aprofundar o assunto.

Seria possível que Deus ao criar o mundo o tivesse feito de forma a evitar a dor e o sofrimento humano? O filósofo Epicuro que viveu no século II a.c estabeleceu o seguinte dilema: Se Deus é Bom e existe o mal então é porque não é omnipotente; pelo contrário se é omnipotente e omnisciente e existe o mal é porque não é Bom

Se lermos a Bíblia, sobretudo o Antigo Testamento, verificamos que as doenças e todos os males eram um castigo de Deus. As pessoas sofriam porque eram pecadoras e esse anátema levava à exclusão social. Deus era também responsável pelos desastres naturais e pelos cataclismos. E podemos dar como exemplos os seguintes casos: o dilúvio que aniquilou quase toda a humanidade ( Gen, 7) ; a destruição da cidade de Sodoma fazendo cair fogo e enxofre sobre ela ( Gen,19-21) ; as pragas do Egipto (Ex 7,8 ) ; o terramoto que que conduziu à morte os que se sublevaram contra Moisés (Num 16,31,37 ) ; a seca de três anos em Israel (1Rs 17,1 )

É claro que no Antigo Testamento são narrados casos extraordinários e mirabolantes como Josué que manda parar o Sol, mas isso devia-se ao facto de a ciência estar pouco desenvolvida nessa época e também por se desconhecerem as leis da natureza e a origem das doenças e dos fenómenos naturais. Por outro lado as pessoas que escreveram os textos bíblicos tinham uma ideia errada de Deus que de forma alguma se podia moldar por conceitos como a cólera, a ira ou a vingança. Por isso a Bíblia não pode ser lida à letra pois exige um trabalho de análise (exegese) e de interpretação correcta dos textos (hermenêutica ) enquadrando-os no seu contexto histórico.

No Novo Testamento as coisas são totalmente diferentes. Temos um Jesus que não exclui ninguém nem mesmo os pecadores e que cura os cegos, os surdos, os leprosos pois todos são filhos de Deus. Poderá haver um ou outro caso mais sombrio e violento como a narração do fim do mundo em que se diz “ o Filho do Homem enviará os seus anjos que hão-de tirar do seu reino todos os escandalosos e todos os que praticam a iniquidade e lançá-los na fornalha ardente; ali haverá choro e ranger de dentes (Mat 13,41,42 ). Mas salvo raras excepções o que vemos no Novo Testamento é um Jesus compassivo e cheio de misericórdia. É no entanto preciso ter em conta que os evangelistas não foram testemunhas oculares dos acontecimentos que descrevem, baseando-se na tradição e no testemunho oral ou escrito e que por vezes dão um cunho pessoal ao que escrevem

Nos primeiros séculos do cristianismo apareceram grupos de religiosos designados de gnósticos. A palavra gnóstico deriva do grego “gnósis” que significa “ conhecimento secreto “. De facto os gnósticos achavam que tinham acesso ao verdadeiro Deus através da ascese e de ritos exotéricos. O gnosticismo era uma doutrina dualista porque admitia dois princípios: o do Bem e o do mal. O universo, a matéria, o homem tinham sido criados por uma divindade malévola que identificavam com o Deus do Antigo Testamento. A este Deus davam o nome de Demiurgo, termo já utilizado por Platão no Timeu. Foi o Demiurgo ou Deus mau que criou a alma sensitiva ( psique ) e ao Deus Supremo coube a criação da alma racional ( pneuma ).

2-Afastada a hipótese absurda de um Deus castigador e malévolo podemos verificar que a dor e o sofrimento pode ter origem nas mais diversas situações: guerras, terrorismo, doenças, epidemias e catástrofes naturais. As guerras e o terrorismo resultam do mau uso da liberdade humana pois não é pelo ódio e pela violência que se constrói a paz. Deus ao criar o homem dotou-o com a capacidade do livre arbítrio, ou seja, do poder de praticar o bem ou mal. Se assim não fosse o homem seria um mero autómato. Muitas doenças e epidemias resultam da poluição do meio ambiente e da contaminação das águas com é o caso da febre tifoide, da malária, da cólera e do paludismo. A desregulação do clima devido ao aumento do dióxido de carbono e à diminuição da camada de ozono dá por vezes origem a tornados de grandes dimensões provocando a morte e a destruição em grandes zonas do nosso planeta. Há também os sismos e as erupções vulcânicas que de vez em quando têm efeitos devastadores provocando a morte a milhares de pessoas. Seria possível Deus ter criado o Universo evitando estes fenómenos ?

O professor Keith Ward que ensinou filosofia em várias universidades britânicas e também na Universidade de Oxford diz, no seu livro “ Deus, Fé e o Novo Milénio “, da editora Europa-América, o seguinte : “ quando os sistemas físicos estão unidos de forma holística cada parte será sensível às mudanças noutras partes……No mundo físico, não será , de modo geral, possível ajustar uma parte para a melhorar, sem que os efeitos se repercutam em todo o sistema, mesmo as pequenas mudanças podem produzir efeitos em grande escala. Deste modo, Deus não conseguirá considerar isoladamente de todo o sistema o bem estar de partes específicas do Universo “. O teólogo Ariel Ávarez Valdés vai mais longe e diz: “ Um mundo sem mal seria impossível pela simples razão de que o mundo é finito, limitado e precário. E coloca a seguinte interrogação: “ Deus não podia ter criado o mundo perfeito ? A resposta é categórica : Não porque o único perfeito que existe é Ele. Tudo o mais que Ele possa criar é necessariamente limitado. A essa limitação é o que nós chamamos mal.” E acrescenta: “ Deus podia não ter criado o mundo mas no caso de o criar este deveria necessariamente ser finito, porque se criasse algo absolutamente perfeito, criar-se-ia a si mesmo. De modo que a finitude, a imperfeição, a carência estarão sempre presentes na natureza. A ideia de um mundo sem mal é tão contraditória como a de um círculo quadrado “

3- Quando se visita um amigo doente ou quando alguém morre é frequente ouvir dizer : Deus quis assim ou temos que aceitar a vontade de Deus. Até eu próprio já caí nesse erro. Responsabilizar Deus pelas doenças e pela morte é um erro crasso. Deus é um Deus de vida e não de morte. Os milagres que Jesus fez atestam isso mesmo.

Há bem pouco tempo assisti a uma conversa entre duas senhoras e em que uma dizia para outra ser muito” determinista”. É assim que pensam os que são fatalistas para quem as coisas acontecem necessariamente e o destino de cada um está logo traçado à nascença. E aqui está mais outro erro. Na maior parte dos casos somos nós, pelo nosso comportamento que determinamos o nosso destino. E isso tem lugar nas mais variadas situações: alcoolismo, consumo de drogas, erros alimentares, desprezo pelas medidas de segurança na estrada, etc. etc…É certo que há casos inexplicáveis mas isso tem a ver com o facto de sermos seres contingentes e vivermos num mundo contingente a que não podemos escapar.

 

 

 

 

 

 

publicado por pontodemira às 11:02
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds