Quarta-feira, 31 de Outubro de 2012

TEORIAS POLÍTICAS- ALEXIS DE TOCQUEVILLE

TEORIAS POLÍTICAS- ALEXIS  DE TOCQUEVILLE

1-Alexis de Tocqueville nasceu na Normandia, no norte de França e pertencia a uma família aristocrata. O pai escapou à guilhotina quando Robespierre foi deposto da liderança da Convenção. Tocqueville viveu durante um período de grande agitação social e política em França com a deposição de Napoleão e a Restauração da Monarquia. Sabe-se que estudou direito e trabalhou em Versalhes como juiz de instrução . Com a finalidade de estudar o sistema penitenciário dos Estados Unidos partiu para a América em 1831. Entusiasmado com tudo o que viu acabou por fazer um estudo alargado das instituições democráticas existentes no território americano.

Politicamente foi um liberal moderado. Nunca alinhou em aventuras revolucionárias nem se deixou seduzir pelas atitudes reaccionárias dos ultras do seu tempo. É um defensor das liberdadese da igualdade de direitos tendo-se batido pela abolição da escravatura.    No ano de 1851 morreu de tuberculose em Cannnes com 54 anos de idade.

Das obras que Tocqueville escreveu destaco as seguintes: a- Da Democracia Na América;  b-O Antigo Regime e  a Revolução; c- Lembranças.

2-Na impossibilidade de ler todos os livros irei fazer uma análise do pensamento político de Tocqueville seguindo de perto “ Da Democracia Na América “ (Rés-Editora Para o Jornal de Notícias) , que é talvez a obra mais conhecida e lida. O livro é constituído por 2 volumes.  O 1º volume foi publicado em 1835 e nele se faz um estudo descritivo das várias instituições democráticas americanas ; no 2º volume publicado em 1840 o objectivo é demonstrar a influência da democracia sobre os sentimentos, as ideias e costumes.

DEMOCRACIA

Na introdução do livro “ Da Democracia Na América “, Tocqueville faz um estudo evolutivo da sociedade até ao século XIX. O caminho para chegar à igualdade das condições sociais e à democracia foi longo. Para trás ficou o regime de privilégios e de castas do feudalismo e o poder absoluto e centralista dos Reis. Este caminho é  para Tocqueville irreversível pois “ querer deter a democracia seria então como lutar contra o próprio Deus e só restaria às Nações acomodarem-se ao estado social que a Providência lhes impunha”.( pag 12)

A democracia é para Tocqueville a liberdade combinada com a igualdade. Na liberdade se inclui o direito  de cada um se exprimir livremente, de criar associações de todo o tipo ou de escolher e de professar uma religião.

A igualdade é outro dos valores que caracterizam e definem a democracia. Isto quer dizer que os cidadãos são iguais perante a lei e todos têm os mesmos direitos políticos. Na Introdução ao livro “ Da Democracia Na América “, Tocqueville surpreendido com tudo o que viu na América diz o seguinte: “ De entre os objectos novos que durante a minha estadia nos Estados Unidos me chamaram a atenção nenhum me impressionou mais vivamente que a igualdade de condições. Descobri sem dificuldade a influência prodigiosa que este primeiro facto exerce sobre a evolução da sociedade; dá à vontade política uma certa  direcção, uma determinada feição às leis, aos governantes as máximas informações, e hábitos peculiares aos governados. ( pag 5 ).

RISCOS DA DEMOCRACIA

A democracia não é um sistema perfeito e há sempre o risco de descambar no autoritarismo, na anarquia e no despotismo. Tocqueville chega a afirmar o seguinte:   “ Tenho pelas instituições democráticas  uma atracção do pensamento, mas sou aristocrata por instinto, quer dizer desprezo a multidão, amo com paixão a liberdade, a igualdade, o respeito pelos direitos, mas não a democracia . ( História das Ideias Políticas II v Marcel  Prélot,George Lescuyer nº 303 Ed.Presença ). De qualquer  forma acaba por confessar “  A Democracia favorece o crescimento  dos recursos interiores do Estado; espalha a facilidade, desenvolve o espírito público, fortifica o respeito pela lei nas diferentes classes da sociedade”. ( pag. 128 ).  E continua “ o objectivo principal do Governo não deve ser o de dar à nação inteira o máximo de força e de glória, mas sim o de dar a cada indivíduo o máximo de bem-estar e o mínimo de miséria; então considerem os cidadãos iguais e optem por um governo democrático “ ( pag 150)

Tocqueville ao referir-se aos riscos da Democracia dá os seguintes exemplos:

1-Individualismo.

Os cidadãos podem egoisticamente fechar-se em si próprios e  deixar de olhar para o mundo  que os rodeia.  Diz Tocqueville que“  O individualismo é um sentimento consciente e tranquilo, que leva o cidadão a isolar-se da massa dos seus semelhantes, e a afastar-se, com  a família e os amigos. O homem constitui assim, à sua volta, uma pequena sociedade, para o seu uso, e deixa voluntariamente de se interessar pela grande sociedade propriamente dita “ ( pag 323 )

2-Centralização e intervencionismo do Estado

Quando se concede um poder absoluto ao governo este pode interferir em tudo e até na esfera da privacidade. A este respeito diz Tocqueville “ É próprio da essência do Governo Democrático que aí o império da maioria seja absoluto “ . E mais à frente acrescenta “ Considero como ímpio e detestável esta máxima : que em matéria de Governo  a maioria de um povo  tenha todos os direitos. “  A omnipotência é pois em si má mas pode ser contrariada quando as leis ultrapassam o limite da justiça . Existe uma lei geral que foi feita, ou pelo menos adoptada, não pela maioria deste ou daquele povo, mas pela maioria de todos os homens. Esta lei é a justiça. A justiça constitui o limite de direito de cada povo…..Portanto quando recuso obedecer a uma lei injusta, não nego à maioria o poder de comandar: recorro apenas da soberania do povo para a soberania do género humano “ ( pags 150 e 158 )

FREIOS E CONTRAPESOS AOS ABUSOS DO PODER DEMOCRÁTICO

Para moderar os excessos do poder democrático Tocqueville propõe:

1-A descentralização administrativa

As instituições comunais ( municipais) são um entrave ou barreira aos excessos do poder central. “ Sem instituições comunais, uma nação pode ter um Governo livre, mas não tem o espírito de liberdade “

2-O corpo de legistas

“ O corpo de legistas constitui neste País ( América ), o mais poderoso, e por assim dizer, único contrapeso da Democracia” ( pag 190 )

3-A Independência do poder judicial e a instituição do Júri nos tribunais de 1ª instância.

4-O respeito pelos costumes, tradições, crenças e religião.

5-O estabelecimento de associações civis: políticas, industriais, comerciais, científicas e literárias.

Tocqueville diz que “ Nos Estados Unidos, as pessoas associam-se com fins de segurança pública, de comércio, de indústria, de moral e de religião. “ ( pag 58 ) . E  mais à frente acrescenta “ Não há país onde as associações sejam mais necessárias para impedir o despotismo dos partidos ou o arbítrio do príncipe do que naqueles onde o estado social é democrático.”

5- A liberdade de imprensa

A soberania do povo e a liberdade de imprensa são duas ideias correlativas “ ( pag 47 )

CONCLUSÃO:
Tocqueville é um dos maiores escritores liberais da França no século XIX.

No sentido moderno do termo , podemos designá-lo por politólogo ,pois analisa a política nas suas diversas vertentes: filosófica, jurídica, histórica e sociológica.

É um defensor da democracia liberal, da igualdade e do respeito pelos direitos individuais.

A sua intuição leva-o a prever que o Governo pode muitas vezes evoluir para o despotismo, para a anarquia e para o totalitarismo.

 

Francisco José Santiago Martins

 

 

 

publicado por pontodemira às 22:40
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. TEORIAS POLÍTICAS - J.M. ...

. TEORIAS POLÍTICAS- IMMANU...

. TEORIAS POLÍTICAS-ADAM SM...

. TEORIAS POLÍTICAS- STUART...

. A ALEGRIA DO EVANGELHO- D...

. TEORIAS POLÍTICAS

. UMA CRISE QUE ESTÁ PARA D...

. TEORIAS POLÍTICAS- HANNAH...

. AS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2...

. TEORIAS POLÍTICAS - JOHN ...

.arquivos

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds