Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

A CAMINHO DO ABISMO

1-O nosso país está a atravessar uma profunda crise económica e financeira. Andámos durante muitos anos a viver acima das nossas possibilidades fazendo obras sem dinheiro através de parcerias público -privadas, encobrindo e desorçamentando as despesas. E o resultado está à vista com buracos e derrapagens financeiras que surgem a todo o momento.  Se os investimentos tivessem sido feitos na educação, inovação tecnológica, investigação científica, os frutos viriam a seu tempo. Mas não é o caso. O Estado -  aqui incluo a Administração Central e as autarquias - investiram em obras megalómanas ou de fachada e deste modo temos um dívida pública que ultrapassa os 100% do PIB.  Não eram necessários tantos quilómetros de auto estrada, tantos estádios de futebol, nem um Metro do Porto com as dimensões que tem pois pelo que ouço dizer anda às moscas e a oferta excede largamente a procura.

2-Quando o ex-primeiro ministro José Sócrates anunciou o PEC4 o alarido foi de tal ordem que desencadeou de imediato a queda do Governo. O líder do PSD, Passos Coelho, durante a campanha eleitoral disse entre outras coisas o seguinte: “  que não iria aumentar os impostos ; que a receita não podia ser sempre a mesma ,ou seja, pôr as famílias e as empresas a pagar mais impostos ;  não fazia sentido estar a pedir mais para pagar a crise e o Estado dar mais prémios e bónus aos gestores públicos. Disse ainda que a política de privatizações seria criminosa se visasse apenas vender activos ao desbarato para corrigir a dívida.. Foi ainda de opinião que não se devia cortar nos subsídios de férias e de Natal nem nas deduções ao IRS. “

Agora, que está no Governo, faz precisamente o contrário. E não tem desculpas se desconhecia a situação real do país. Neste caso devia prometer apenas aquilo que era possível  cumprir de forma a não  enganar os portugueses.  Embora na campanha eleitoral tenha dito que aumentar os impostos e cortar salários iria matar o doente pela cura, hoje aplica precisamente essa receita. Talvez se tenha inspirado em Maquiavel quando este no livro” O  Príncipe “ diz o seguinte :  “  Convém fazer o mal todo de uma vez para que, por ser suportado durante menos tempo, pareça menos amargo .. . ..”

A verdade é que no Orçamento para 2012 se está a pedir demasiado a todos os portugueses e em especial à classe média. O corte nos salários e subsídios incide apenas nos funcionários públicos o que é injusto e fere o princípio de tratamento igual para todos os portugueses prescrito na Constituição. Tem razão o Presidente da República quando diz que os sacrifícios deviam ser equitativamente distribuídos por todos. As reformas estruturais do Estado têm de ser implementadas o mais rápido possível para aliviar a carga fiscal. Mas há ainda muito  onde cortar e era precisamente por aí que se devia começar : empresas municipais desnecessárias, fundações que vivem à custa do Estado, subsídios vitalícios a políticos que têm bons ordenados em empresas privadas, vencimentos escandalosos de gestores públicos, etc , etc..

3-Na Madeira, Alberto João Jardim é rei e senhor. Faz o que quer e insulta quem lhe dá na gana. Apesar de ter a maioria absoluta a oposição no seu conjunto tem mais votos que ele. A rede clientelar da qual fazem parte 30 000 funcionários públicos mantém-no imbatível ao longo dos anos. Só a doença ou a morte o afastará do cargo. Este é um caso típico de apego ao poder sancionado através do sufrágio popular. Não há ninguém que consiga manter este homem na ordem.

Após as eleições disse que as obras na Madeira iriam continuar. Pelos vistos não falta quem lhe empreste o dinheiro apesar de estar atolado em dívidas. Será bazófia ou chantagem para levar a água ao seu moinho. Não obstante o monstruoso buraco financeiro da Madeira , o inefável Alberto João tem o descaramento de dizer que os benefícios e os sacrifícios têm de ser igualmente repartidos por todos. Temos de esperar para ver qual a resposta do Governo a estas exigências. Penso que neste caso os compromissos com a Troika deverão pesar mais.

4-Portugal irá viver durante alguns anos um período de grande austeridade e sufoco. Não é porém a primeira vez que isto nos acontece. Em 1891 no reinado de D. Carlos houve dois bancos que foram à falência, os salários baixaram drasticamente e devido à desvalorização da moeda diminuíram também as remessas dos emigrantes que viviam no Brasil. Portugal esteve à beira da bancarrota. Em 1976 estando Mário Soares no Governo teve de pedir dinheiro emprestado à Alemanha. Em vez da transferência bancária o dinheiro chegou de avião. Finalmente na década de 80 um Governo liderado por Mário Soares e Mota Pinto e tendo como ministro das Finanças Hernâni Lopes  houve necessidade de negociar com o FMI. O escudo desvalorizou e a inflação chegou a atingir os 30%. Verificou-se também um aumento dos impostos e um crescimento do desemprego.

Todos estes casos foram superados adoptando as medidas mais adequadas que se impunham. Hoje com um mercado global desregulado e sem podermos desvalorizar a moeda para nos tornarmos mais competitivos, a tarefa complica-se . Só com uma Europa unida e solidária e não cometendo os erros do passado poderemos dar a volta à situação. Se não reduzirmos rapidamente o défice orçamental e não renegociarmos os juros da dívida pública dificilmente cumpriremos os nossos compromissos. Temos que ter confiança no futuro  e esperar por melhores dias.  

 

 

 FRANCISCO MARTINS

publicado por pontodemira às 22:22
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds