Sexta-feira, 19 de Agosto de 2011

FEIRA DE SÃO BARTOLOMEU EM TRANCOSO

Está a decorrer em Trancoso e prolonga-se até domingo dia 21 a feira anual de São Bartolomeu. Sobre a história desta conhecida e antiga feira passo a transcrever algumas passagens do livro “ Feiras Medievais Portuguesas “  de Virgínia Rau,  editorial Presença:

“Trancoso teve carta de feira dada por D. Afonso III, em 8 de Agosto de 1273. Nela mandava o soberano que se fizesse feira na sua vila, todos os anos, devendo começar oito dias da festa S. Bartolomeu, em Agosto, e durar quinze dias. Em 1304 continuava a fazer-se esta feira anual em Trancoso, pois na carta de feira mensal concedida a Trevões, em 10 de Abril desse ano, se exceptua o mês de Agosto por nele se fazer a feira de Trancoso.

Pouco tempo depois, em 15 de Abril de 1306, D. Dinis mandou fazer feira em Trancoso, todos os meses, a começar três semanas andadas cada mês e durar três dias. Os privilégios são idênticos aos da carta de feira anual dada por D. Afonso III.

Sete anos passados, em 1313, Trancoso estava em contenda com o Sabugal por causa da duração das suas feiras. O concelho de Trancoso apelou para el-rei, e obteve de D. Dinis, por carta de 27 de Janeiro de 1314, a confirmação de todos os privilégios da sua feira e a mercê de que nenhuma localidade vizinha pudesse fazer feira enquanto durasse a de Trancoso.

Rapidamente prosperou a feira grande da vila, e parece ter sido muito concorrida nos meados do século XIV ; os judeus que nela viviam recebiam pelo aluguer das suas casas, durante o tempo da feira, o mesmo que num ano inteiro.

D. Pedro I, por carta de 1 de Fevereiro de 1365, proibiu que o corregedor e a sua  “ companha “ estivessem em Trancoso durante a feira, e se aí tivessem de ir “ correger ou fazer liuvramento sobre alguas cousas “ que o fizessem noutro tempo do ano.

A feira anual de Trancoso foi uma das mais importantes da Beira, as suas regalias e privilégios serviram de base a instituição de feiras franqueadas, como as de Bragança, de 1383 e 1392 ,da Covilhã de 1411, e outras. Pode dizer-se que antes do aparecimento do tipo da carta de Tomar de 1420, a feira de Trancoso era o modelo seguido pela chancelaria joanina para a instituição de feiras francas.

A prosperidade da feira tinha como inevitável consequência estimular a assiduidade do corregedor da Beira e da sua companha. Não obstante as providências tomadas por D. Pedro  em 1365, eles tinham voltado a agravar os feirantes e os moradores de Trancoso. Foi necessário que D. João I por carta de 13 de Agosto de 1407, a pedido do concelho e dos homens bons da vila , ordenasse também que o corregedor da Beira e os seus ajudantes, quando tivessem de correger ou fazer Livramento na vila “ que chegueres hi e stedes hi ante que se a dicta feira faça dois meses e depois que a dicta feira for acabada huu mês e mais nom pera fazerdes hi uossa correiçom “

A 19 de Março desse mesmo ano de 1407 foi passado outro diploma régio dando satisfação a mais um pedido do concelho de Trancoso, feito possivelmente na mesma ocasião que o antecedente. Desta feita os queixumes eram motivados pelos cavaleiros , escudeiros e outras pessoas poderosas que vinham à feira fazer compras. Lastimava-se o concelho de que, em vez de pousarem na vila, eles iam hospedar-se nas aldeias do termo, onde faziam muito dano “ nos paaes e nos vinhos e muyto nojo “ aos moradores das ditas aldeias, prejudicando também os da vila, que com isso não alugavam as suas casas como deviam. Atendeu D. João o pedido que lhe foi feito, e mandou que quando “ taes pessoas “ viessem à feira se alojassem na vila e não no termo, mas isso só durante o tempo da feira.

Em 1459, ainda a feira de Trancoso era muito frequentada, não obstante o concelho se queixar da sua decadência nos seis capítulos especiais apresentados nas cortes de Lisboa desse ano, capítulos que, através das protecções que solicitam, demonstram quanto a feira era ainda importante nessa data.

Por esta resenha se pode ver a importância que a Feira de São Bartolomeu teve no passado. Hoje deixou de ser uma feira de gado para assumir uma feição mais moderna e abrangente: exposição de várias actividades económicas com  espectáculos e divertimentos para todas as idades e gostos.

Está a decorrer em Trancoso e prolonga-se até domingo dia 21 a feira anual de São Bartolomeu. Sobre a história desta conhecida e antiga feira passo a transcrever algumas passagens do livro “ Feiras Medievais Portuguesas “  de Virgínia Rau,  editorial Presença:

“Trancoso teve carta de feira dada por D. Afonso III, em 8 de Agosto de 1273. Nela mandava o soberano que se fizesse feira na sua vila, todos os anos, devendo começar oito dias da festa S. Bartolomeu, em Agosto, e durar quinze dias. Em 1304 continuava a fazer-se esta feira anual em Trancoso, pois na carta de feira mensal concedida a Trevões, em 10 de Abril desse ano, se exceptua o mês de Agosto por nele se fazer a feira de Trancoso.

Pouco tempo depois, em 15 de Abril de 1306, D. Dinis mandou fazer feira em Trancoso, todos os meses, a começar três semanas andadas cada mês e durar três dias. Os privilégios são idênticos aos da carta de feira anual dada por D. Afonso III.

Sete anos passados, em 1313, Trancoso estava em contenda com o Sabugal por causa da duração das suas feiras. O concelho de Trancoso apelou para el-rei, e obteve de D. Dinis, por carta de 27 de Janeiro de 1314, a confirmação de todos os privilégios da sua feira e a mercê de que nenhuma localidade vizinha pudesse fazer feira enquanto durasse a de Trancoso.

Rapidamente prosperou a feira grande da vila, e parece ter sido muito concorrida nos meados do século XIV ; os judeus que nela viviam recebiam pelo aluguer das suas casas, durante o tempo da feira, o mesmo que num ano inteiro.

D. Pedro I, por carta de 1 de Fevereiro de 1365, proibiu que o corregedor e a sua  “ companha “ estivessem em Trancoso durante a feira, e se aí tivessem de ir “ correger ou fazer liuvramento sobre alguas cousas “ que o fizessem noutro tempo do ano.

A feira anual de Trancoso foi uma das mais importantes da Beira, as suas regalias e privilégios serviram de base a instituição de feiras franqueadas, como as de Bragança, de 1383 e 1392 ,da Covilhã de 1411, e outras. Pode dizer-se que antes do aparecimento do tipo da carta de Tomar de 1420, a feira de Trancoso era o modelo seguido pela chancelaria joanina para a instituição de feiras francas.

A prosperidade da feira tinha como inevitável consequência estimular a assiduidade do corregedor da Beira e da sua companha. Não obstante as providências tomadas por D. Pedro  em 1365, eles tinham voltado a agravar os feirantes e os moradores de Trancoso. Foi necessário que D. João I por carta de 13 de Agosto de 1407, a pedido do concelho e dos homens bons da vila , ordenasse também que o corregedor da Beira e os seus ajudantes, quando tivessem de correger ou fazer Livramento na vila “ que chegueres hi e stedes hi ante que se a dicta feira faça dois meses e depois que a dicta feira for acabada huu mês e mais nom pera fazerdes hi uossa correiçom “

A 19 de Março desse mesmo ano de 1407 foi passado outro diploma régio dando satisfação a mais um pedido do concelho de Trancoso, feito possivelmente na mesma ocasião que o antecedente. Desta feita os queixumes eram motivados pelos cavaleiros , escudeiros e outras pessoas poderosas que vinham à feira fazer compras. Lastimava-se o concelho de que, em vez de pousarem na vila, eles iam hospedar-se nas aldeias do termo, onde faziam muito dano “ nos paaes e nos vinhos e muyto nojo “ aos moradores das ditas aldeias, prejudicando também os da vila, que com isso não alugavam as suas casas como deviam. Atendeu D. João o pedido que lhe foi feito, e mandou que quando “ taes pessoas “ viessem à feira se alojassem na vila e não no termo, mas isso só durante o tempo da feira.

Em 1459, ainda a feira de Trancoso era muito frequentada, não obstante o concelho se queixar da sua decadência nos seis capítulos especiais apresentados nas cortes de Lisboa desse ano, capítulos que, através das protecções que solicitam, demonstram quanto a feira era ainda importante nessa data.

Por esta resenha se pode ver a importância que a Feira de São Bartolomeu teve no passado. Hoje deixou de ser uma feira de gado para assumir uma feição mais moderna e abrangente: exposição de várias actividades económicas com  espectáculos e divertimentos para todas as idades e gostos.

 

Francisco José Santiago Martins

publicado por pontodemira às 22:29
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De emprego lisboa a 20 de Agosto de 2011 às 21:12
procura emprego? procure em http://www.empregosmanager.pt/emprego/lisboa#ofertas e verifique todas as nossas propostas de emprego!!!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Democracia, populismo e x...

. Democracia,populismo e xe...

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds