Terça-feira, 8 de Março de 2011

ENSINO PRIVADO VRS ENSINO PÚBLICO

 

1-Um assunto polémico e muito falado nos órgãos de comunicação social foi o corte de verbas a colégios que tinham contratos de associação com o Estado. O financiamento público do ensino privado levanta muitas dúvidas e não é consensual. Em que circunstâncias poderão coexistir os dois ensinos: público e privado. Este é um tema a merecer alguma reflexão.

Quando em 1950 concluí a 4ª classe e comecei a estudar havia liceus apenas nas sedes dos distritos e nas cidades mais importantes. Os colégios privados existiam para cobrir as falhas do Estado e localizavam-se em  localidades cujo índice populacional o justificassem. Estes colégios nunca reivindicaram do Estado qualquer ajuda e mantinham-se com as propinas pagas pelos alunos. No ensino superior as opções de escolha circunscreviam-se a três Universidades: Lisboa, Porto e Coimbra.

A partir de 1971 com as reformas de Veiga Simão, o ensino expandiu-se. A escolaridade obrigatória passou para 6 anos e começaram a aparecer escolas preparatórias um pouco por todo o lado. A reestruturação do ensino até ao 12º ano traduziu-se num crescimento exponencial da população escolar. Daqui resultou a criação de mais  escolas tanto no ensino secundário como no ensino superior.

No ensino secundário o Estado teve de construir edifícios novos, comprar colégios e assinar com outros contratos de associação. Imaginemos que o Estado deixaria o ensino nas mãos de privados. A implantação da rede escolar seria mais demorada e a despesa por aluno maior.

No ensino superior apareceram mais  Universidades, foram criados Institutos Politécnicos e Escolas Superiores de Educação, com cursos para todos os gostos, muitos deles sem qualquer saída no mercado de trabalho. Para acolher os alunos com baixas médias e os que não passaram o crivo dos “ numerus clausus “ surgiram também as Universidades Privadas. Estas, salvo raras excepções como a Universidade Católica, não primaram pela qualidade do ensino. Foi o facilitismo com abundância de diplomados que hoje não têm emprego.

2-A questão que se coloca hoje e tem levantado muita celeuma é se o Estado deve subsidiar os alunos que optam pelo ensino privado. No meu entender não, e aqui estou e m desacordo com muita gente e em particular com a Igreja Católica. Temos Escolas Públicas bem situadas no ranking do aproveitamento escolar e que não ficam atrás das melhores do ensino privado. Não acho que haja discriminação negativa em relação aos alunos que têm dinheiro para frequentar os melhores colégios, onde não faltam piscinas e tudo o que há de melhor em matéria de equipamento . Mas o mesmo se passa por exemplo com os hospitais e com os transportes e ninguém refila.  Assim, quem tem dinheiro pode escolher um hospital privado ou até ir para o emprego de carro quando tem os transportes públicos mais baratos.

Há apenas um caso em que admito que o Estado recorra aos contratos de associação. Refiro-me às localidades onde não existam escolas públicas. Aqui ,sim, as escolas privadas poderão ter uma função supletiva em relação ao Estado. O mesmo poderá acontecer em cursos da Universidade Privada e que não existam na Universidade do Estado. Não faz sentido a duplicação de custos pelos dois ensinos num país pobre como Portugal.

Quanto à Universidade Católica, pelo que ouço dizer , os diplomados saem de lá bem preparados, mas isso também se verifica com uma grande parte dos que adquiriram formação nas Universidades Públicas. Nem todos os que frequentam a Universidade Católica são católicos e nem todos os que saem de lá têm condutas irrepreensíveis que os distingam dos alunos das outras Universidades.

 

Francisco José Santiago Martins

 

 

 

publicado por pontodemira às 11:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds