Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

À ESPERA DE D.SEBASTIÃO

 

 

1-Em momentos de crise, no futebol ou na política, há sempre portugueses que acreditam num homem providencial que resolva todos os problemas. Aconteceu assim recentemente quando o seleccionador nacional Carlos Queirós foi despedido. Houve quem pensasse que a melhor estratégia seria contratar,  apenas por dois jogos , o treinador José Mourinho do Real Madrid. As coisas não correram bem e enveredou-se pela solução mais sensata de nomear um treinador a tempo inteiro. A escolha incidiu sobre Paulo Bento e o futuro dirá se a decisão foi ou não acertada.

É certo que Carlos Queirós não ficou bem na fotografia ao receber de forma agressiva a equipa médica que ia fazer uma análise anti-dopping. Só não compreendo que a comissão disciplinar e o tribunal demorassem tanto tempo a tomar uma decisão. Na minha opinião, e não havendo outros antecedentes a ter em conta,  o treinador Carlos Queirós deveria ser punido de imediato com uma repreensão por escrito e o caso ficaria desde logo sancionado. Cortava-se o mal pela raiz evitando-se que a situação de mal- estar e de intranquilidade do treinador se reflectisse no comportamento da selecção. De qualquer forma a mudança do treinador, caso fosse considerada aconselhável e necessária, deveria sempre ocorrer antes de iniciados os trabalhos de preparação para o apuramento do Campeonato da Europa.

Estamos, porém , perante um facto consumado e espera-se agora que Paulo Bento consiga incutir ânimo aos jogadores e inverter os resultados negativos da selecção. Temos bons jogadores mas isso de nada vale se não houver uma equipa coesa que acredite nas suas potencialidades. Ao treinador compete estudar as tácticas a seguir de forma a tirar o melhor rendimento dos seus jogadores.

2-Na política o tema que está na ordem do dia é sem dúvida a aprovação do Orçamento do Estado. O facto do governo ser minoritário obriga necessariamente a negociar com os outros partidos. Só que um acordo implica como é óbvio cedências de parte e a parte. O PC e o BE sendo partidos de esquerda radical e tendo que agradar ao seu eleitorado não podem aprovar medidas que se traduzam no agravamento das condições de vida dos portugueses.. O CDS entende que não se deve mexer nas deduções fiscais porque isso seria um ataque à classe média. Para o PSD é um ponto de honra, e uma medida “ sine qua non “ para o aprovação do Orçamento, não subir os impostos. O Governo pensa que para equilibrar o próximo Orçamento terá que se recorrer inevitavelmente à subida dos impostos. A OCDE vem agora acolher as medidas do Governo e deixar Passos Coelho numa situação muito frágil.

Mas será mesmo necessário aumentar os impostos ? Não sou economista  mas parece-me que só se deveria recorrer a esta medida em último recurso. Há outras formas de obter receitas menos gravosas. Citaria como exemplo os seguintes casos:  combate à fraude fiscal, fim dos off-shores, limites ao montante máximo das reformas. Toda a gente sabe que muitas pessoas não passam recibos pelo trabalho que executam para fugir aos impostos. Lembro-me também que um dia me desloquei a um banco para fazer um depósito a prazo e me disseram que se aplicasse o dinheiro num off-shore os juros seriam mais altos porque não pagava impostos.

Além destes há ainda outros meios de reduzir o défice orçamental e diminuir a dívida pública. Para tal seria necessário implementar as seguintes medidas: limitar o número de empresas públicas e municipais ; reduzir o número de assessores ministeriais ; tornar as leis mais claras de forma a diminuir os pareceres jurídicos ;acabar com as regalias fiscais das fundações ; reduzir as parcerias público-privadas etc etc

Como se vê há muitas despesas que poderiam ser cortadas antes de aumentar os impostos. O IVA é um imposto cego que vai afectar de maneira muito penalizante as camadas mais pobres. Por isso devia haver um escalão mais baixo para os bens essenciais como o pão e o leite e outro mais alto  para os artigos  supérfluos ou de luxo. Mas o IVA é também uma árvore de dois gumes : pode reduzir o consumo dos bens importados mas também tem influência negativa no consumo interno afectando o poder de compra e complicando ainda mais a situação já difícil em que vivem muitas empresas nacionais. Ou seja, o aumento dos impostos irá manter ou aumentar o actual clima de recessão. O crescimento económico tão necessário para aumentar as receitas irá estagnar. Com estas medidas podemos calar por mais algum tempo as agências de rating internacional mas o desenvolvimento de que o país precisa irá ser adiado “ sine die “. Por outro lado não é justo pedir mais sacrifícios às famílias mais desprotegidas quando há 700 000 desempregados e situações dramáticas a atingir o limiar da pobreza. Era bom que os partidos se entendessem no essencial, encontrando as soluções mais realistas, justas e adequadas para tirar o país da crise em que mergulhou.

 

FRANCISCO MARTINS

 

publicado por pontodemira às 22:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds