Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

NAVEGAÇÃO Á VISTA OU A POLÍTICA DO PÁRA E ARRANCA

O país está a viver um período de grande turbulência. Aprova-se um Plano de Estabilidade e Crescimento ( PEC ) e passados poucos meses entende-se que o programa não serve e adopta-se um pacote de medidas ainda mais duras.  O primeiro-ministro diz que não vai aumentar os impostos e temos aí uma subida do IVA e do IRS. Afirmou-se a pés juntos que as grandes obras iriam para a frente e agora resta apenas o TGV com ligação a Madrid. E será mesmo que esta obra vai prosseguir ? A ver vamos.

 

Há muito que Portugal está a viver acima das suas possibilidades ou seja estamos a gastar mais do que as receitas que produzimos. Para cobrir o défice orçamental temos que pedir dinheiro emprestado e a dívida pública vai aumentando todos os anos. As medidas que se têm tomado são apenas conjunturais e não atacam o mal pela raiz. E o mal está na despesa pública que tem vindo a aumentar e que é necessário reduzir. Como diz o dr. Luís Campos e Cunha numa entrevista à Revista “ Visão “ Portugal está a viver “ numa situação semelhante à Dona Branca. Ou seja, paga a dívida e os juros com nova dívida . “

 

Para sair deste pesadelo  e evitar a bancarrota há que fazer reformas estruturais na administração pública, na Justiça, na economia e nas finanças. Um verdadeiro cancro para o Estado são sem dúvida as empresas públicas e municipais que muitas vezes são criadas com o fim exclusivo de dar emprego a determinadas pessoas. É também necessário evitar o desperdício e o despesismo em muitas outra áreas da administração pública. Não se compreende por exemplo que tenham sido aumentadas as verbas para as despesa do Parlamento. Numa altura em que a maioria dos portugueses tem que apertar o cinto não faz sentido que os deputados vivam no país da abundância. É verdade e é de toda a justiça não esquecer  o esforço que o governo fez no sentido de simplificar e tornar mais eficientes os serviços públicos.  Mas mesmo aqui têm-se cometido erros ao fixar aos funcionários objectivos cegos  por vezes impossíveis de cumprir.  Parece que o mais importante é a quantidade e não a qualidade do serviço.

Na justiça os processos continuam a arrastar-se nos tribunais sem uma solução à vista. É necessário reduzir os prazos de decisão e os excessos de garantias por forma a tornar a justiça mais célere. A continuar tudo como está podemos dizer que temos uma justiça para ricos, ou seja, para os que podem pagar a bons advogados e conseguem adiar as sentenças e outra para os pobres que não podem ir tão longe porque não têm dinheiro.

Há também muito trabalho a fazer na economia e finanças. Para estimular a economia é necessário que o Estado invista em pequenas obras e na formação de trabalhadores qualificados. Isto para não falar do apoio às pequenas e médias empresas viradas para a exportação e que apostem na inovação e na competitividade.

A riqueza terá de ser equitativamente distribuída acabando com o fosso  existente entre os que ganham ordenados de luxo e os que auferem salários de miséria.

 

Numa economia débil como a nossa o aumento do IVA é uma medida desacertada e que vai constituir mais um problema do que uma solução para a crise em que vivemos . O consumo e a procura vão diminuir  enfraquecendo ainda mais as empresas que já se encontram numa situação difícil e com a corda ao pescoço. O verdadeiro caminho a seguir nos anos mais próximos é cortar nas despesas correntes e em todas as que não contribuam para criar riqueza a médio e a longo prazo. Se as receitas do Estado não dão para tudo terá que se gerir bem o dinheiro atendendo às principais prioridades e evitando gastos supérfluos. O aumento de impostos é sempre a maneira mais fácil de criar receitas e uma tentação para todos os políticos. A subida do IVA irá agravar o custo dos bens essenciais como o pão e o leite e tornar ainda mais difícil a vida dos que têm salários mais baixos, gerando situações de revolta.  Esperemos que no futuro se ponderem bem as decisões a tomar e impere a política do bom -senso.

 

FRANCISCO  MARTINS

publicado por pontodemira às 20:27
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds