Sábado, 13 de Março de 2010

TRÊS GALOS PARA UM POLEIRO EM TEMPO DE CRISE

 

1-Há três candidatos assumidos, que poderão vir a ser líderes do PSD : Paulo Rangel, Passos Coelho e Aguiar Branco. Cada um tem o seu estilo pessoal e em função do programa que apresentarem caberá aos militantes do partido decidirem. Todos procuram responsabilizar o governo pela crise em que o país mergulhou para alcançar o poder. Não sabemos é se as propostas ou soluções que vão apresentar terão força suficiente para convencer os eleitores descontentes. Uma coisa é o que se diz para agradar  aos eleitores e outra é a realidade bem diferente de quem governa. A demagogia e o populismo são as armas que infelizmente os políticos muitas vezes usam para caçar votos. Pelas entrevistas que cada um deu aos órgãos de comunicação social podemos tirar as seguintes conclusões:

 

Paulo Rangel é o candidato que utiliza uma linguagem mais agressiva e de ruptura pois não tem medo de dizer em público e às claras aquilo que está mal e precisa de ser corrigido. Não se cansa de atacar Sócrates na esperança que isso lhe traga dividendos no futuro. Tendo ganho as eleições europeias pensa que poderá ser talismã para conseguir uma vitória nas próximas eleições legislativas. Só que o desinteresse pelas eleições europeias e o elevado grau de abstenção prejudicou o PS, já por si desgastado pela política reformista do governo e de modo particular pela avaliação dos professores.

 

Passos Coelho é sem dúvida o mais liberal dos três candidatos. Para ele quanto menos Estado melhor. Assim, a ordem é para privatizar quase tudo ficando apenas para o Estado três sectores fundamentais: a Justiça, os Negócios Estrangeiros e  a Defesa e Segurança Nacional. Podemos  portanto concluir “ grosso modo “ que quem quiser, por exemplo beneficiar dos serviços de Saúde e da Educação terá que os pagar. Não vejo que este candidato tenha currículo para ser primeiro-ministro e tem a desvantagem de não ser deputado.

 

Aguiar Branco é talvez o mais consensual e moderado dos três candidatos. Tem uma larga experiência como deputado além de ter desempenhado as funções de ministro da Justiça . Tudo isso  pode constituir um trunfo na corrida à liderança.

As sondagens dão-no porém em último lugar

 

Fazendo um balanço, nenhum deles é uma figura carismática que o possa impor como alternativa ao governo PS. Depois seria necessário que o futuro líder do PSD tivesse um programa claro para o país com medidas concretas para vencer a crise e que desse confiança aos portugueses. Não é de discursos empolgados e de  retórica que o país precisa. Sem soluções alternativas ou complementares às do governo  não se vai a lado nenhum. Não é de um Messias ou Salvador que estamos à espera mas de um político pragmático que seja capaz de conciliar a utopia com a realidade.

 

2-Para alguns iluminados a melhor forma de fazer face à instabilidade governativa seria a opção por um regime Presidencialista em que o Presidente da República seria ao mesmo tempo Primeiro-Ministro. Esquecem-se  porém que, se o partido do Presidente não tiver a maioria no parlamento, as propostas legislativas submetidas à votação dificilmente serão aprovadas. Não há nenhum sistema eleitoral perfeito mas pode melhorar-se o sistema representativo que temos, conjugando listas uninominais por círculos mais pequenos (em que ganha o candidato mais votado)  com listas nacionais ( em que  a eleição dos deputados se faz segundo o princípio da proporcionalidade..) Deste modo, o sistema seria mais representativo permitindo uma escolha mais selectiva dos deputados nos respectivos círculos..

No momento que estamos a viver ,  de um governo sem maioria na Assembleia da República , a estabilidade só se consegue, se, como diz o Prof. Freitas do Amaral na revista” Visão”,  houver uma coligação de partidos ou um acordo de incidência parlamentar. Sem isso não é possível tomar as medidas de fundo que o país necessita para sair da crise. A realização de eleições antecipadas nada resolveria e só iria agravar os problemas já existentes.

 

3-Foi aprovado recentemente pelo Governo o Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC). As medidas mais importantes a salientar são as seguintes: agravamento para 45% do IRS para os que têm rendimentos anuais superiores a 150 000 € ; fim das deduções com as despesas de saúde e da educação; taxação das mais-valias bolsistas ; congelamento dos salários nos próximos anos e adiamento das obras do TGV Lisboa-Porto e Porto Vigo.

Esperemos que estas medidas sejam suficientes para diminuir gradualmente o défice abaixo dos 3% em 2013. Seria bom que não fosse apenas a classe média a pagar a crise. Convém não  esquecer que muitas pessoas  ganham mais num mês do que outras  num ano inteiro. E que  há também duplicação de pensões de reforma ou de pensões cujo montante são um autêntico escândalo nacional. O futuro dirá se o PEC apresentado pelo governo terá eficácia ou se será necessário actuar de forma mais drástica.

 FRANCISCO MARTINS

 

 

publicado por pontodemira às 12:55
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds