Quinta-feira, 4 de Março de 2010

O IMPREVISÍVEL DA NATUREZA

Os primeiros meses de 2010 foram terríveis pois vieram trazer o sofrimento e o luto a muita gente. Custa ver um país pobre como o Haiti completamente arrasado, com pessoas que já viviam mal, a passar fome e sem saber o rumo que hão-de dar às suas vidas.  Depois são as crianças que ficaram órfãs a precisarem de  carinho e afecto. Imagens de profunda tristeza e desolação que muitos jamais irão esquecer.  Dizem as fontes oficiais que morreram neste sismo cerca de 150 000 pessoas. Número impressionante,  que não teria atingido estas proporções se os edifícios tivessem sido construídos de acordo com as regras recomendadas para zonas de alto risco como o Haiti

 

Esta semana tivemos também conhecimento pela televisão que um terramoto de forte intensidade e de grau 8 na escala de Richter abalou e  destruiu uma grande parte das infra-estruturas no Chile. Houve aproximadamente 800 mortos , número ainda assim muito inferior ao do Haiti. Os estragos não foram tão grandes provavelmente porque os edifícios foram construídos  com outra solidez.

 

Infelizmente  a ciência ainda não consegue fazer previsões de sismos. Sabe-se quais são as regiões ou países de alto risco e a frequência com que os mesmos se sucedem no tempo. Deste modo a única coisa a fazer é construir de acordo com as normas de segurança estabelecidas e treinar para as situações de emergência.

 

Bem diferente são os casos que têm a ver com tornados, ciclones e trombas de água. Aqui os meios ao dispor permitem prever com uma certa precisão  as zonas de risco e alertar as populações para não serem apanhadas de surpresa pela tempestade. Acontece que na Madeira os cálculos não foram feitos com a exactidão que se impunha devido á falta de um radar. E a tragédia deu-se.  A enxurrada foi de tal ordem que levou tudo à frente: pedregulhos, carros e até casas. Segundo dados que foram fornecidos estima-se que morreram na catástrofe cerca de 42 pessoas.

 

Reconstruir um país ou uma região implica muito dinheiro e isso só se consegue com a ajuda e  a solidariedade de todos. Tanto no caso do Haiti como agora com a Madeira os portugueses estão a responder à chamada e a contribuir generosamente para minorar esta tragédia. Fazemos votos para que o dinheiro chegue e os mais pobres e necessitados sejam socorridos de imediato.

 

Todas estas catástrofes naturais dão que pensar. É raro o dia que não venham imagens de países inundados pelas chuvas e de propriedades agrícolas cujas infra-estruturas foram destruídas pelo temporal. No nosso país tivemos há pouco tempo o caso das estufas de Torres Vedras e também um outro idêntico no Norte. A natureza é em certas ocasiões indomável e não perdoa. Mas será que tudo isto é inevitável e nada se pode fazer para regular o clima que há uns anos para cá  tem vindo a sofrer bruscas alterações ?  Sabe-se que o nível de CO2 tem vindo a aumentar de ano para  ano provocando o efeito de estufa e a subida global da temperatura da Terra. Tudo isto tem efeitos nefastos sobre o clima contribuindo para que certas situações de catástrofe sejam mais frequentes. É pena que os países mais poluentes como a China e  os Estados Unidos não se entendam na fixação de quotas para a reduzir o CO2.  Um outro factor que pesa mais nas alterações climáticas é a desflorestação de grandes áreas com acontece na Amazónia. Todos estes excessos pagam-se caro e a natureza não perdoa.

 

Se as grandes enxurradas são cada vez mais frequentes impõe-se que a nível urbanístico sejam tomadas medidas para evitar situações de catástrofe. Assim, as autoridades competentes não deviam permitir obras de risco tais como : desvios de cursos de água, estreitamento do leito dos rios e ribeiras e a construção em zonas baixas ou da aluvião. Só respeitando o meio ambiente e cumprindo rigorosamente as regras de planeamento urbanístico se pode encarar o futuro com mais segurança.

 

FRANCISCO  MARTINS

 

publicado por pontodemira às 20:33
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Democracia, populismo e x...

. Democracia,populismo e xe...

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds