Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

ECONOMIA E FINANÇAS EM PLANO INCLINADO

A economia do país está doente e os dados estatísticos que nos chegam todos os dias comprovam-no. São poucas as empresas que se mantêm de pé. O desemprego já vai nos 10,2 % e tende a aumentar. As exportações são insignificantes para reequilibrar a balança de pagamentos. Em muitas regiões pratica-se uma agricultura de subsistência. Face à concorrência estrangeira muitos produtos agrícolas não são rentáveis. Portugal produz vinho e azeite de boa qualidade mas que não têm saída nem escoamento. Resta-nos o turismo se o soubermos explorar.

Dado que a economia estagnou e não dá sinais significativos de crescimento o governo terá que investir em obras públicas, em energias renováveis, no apoio às pequenas e médias empresas, na formação de jovens e de mão de obra qualificada. Atendendo ao endividamento do país terão de se pôr de lado as obras não prioritárias como o TGV e a terceira ponte sobre Lisboa e dar seguimento às que mais servem os interesses das populações : escolas, hospitais, creches e estradas.  Nunca como hoje foram tão actuais as teorias de Keynesianas que , “ grosso modo “ se poderão resumir do seguinte modo: as baixas taxas de juros vão estimular o consumo e o investimento. Estes trazem como consequência um aumento da procura que por sua vez provoca uma maior oferta levando os produtores a aumentar as mercadorias produzidas e a lançar maior quantidade no mercado. Deste modo tanto o consumo como o investimento vão estimular a criação de emprego. O Estado terá que ser o primeiro a dar o exemplo investindo , criando emprego e estimulando a economia

 

Em estreita ligação com a economia estão as finanças do país. O deficit orçamental já vai nos 8% e também tem tendência para aumentar. Para o reduzir só há duas vias : ou aumentar as receitas ou diminuir as despesas.. Aumentar os impostos às classes médias e baixas seria um desastre e os partidos da oposição também não o permitiriam. Resta o combate à fraude fiscal e o agravamento dos impostos aos que têm altos rendimentos -gestores públicos e privados, banqueiros e detentores de grandes fortunas. A redução das despesas só poderá aplicar-se aos gastos supérfluos e  pela diminuição de regalias e privilégios aos altos dignitários do Estado. O despedimento de pessoal administrativo na função pública não é solução que se coloca pois iria agravar ainda mais o desemprego.

Além do deficit orçamental há ainda a dívida pública que se cifra em 80% do PIB. Esta é outra preocupação que põe em risco o nosso futuro. Se nos continuarmos a endividar a este ritmo caminharemos a passos rápidos para a falência. Será que esta situação nos poderá afastar da zona do Euro ? Será que entraremos em bancarrota à semelhança do que aconteceu há anos na Argentina ?  Serão hipóteses que não podemos descartar se os políticos não encontrarem a terapêutica adequada.  Penso que muitos dos nossos bancos devem estar numa situação difícil embora não digam nada para evitar o pânico. Os depósitos a prazo não rendem nada e é natural que os aforradores gastem o dinheiro em bens de consumo. Se os depósitos começam a faltar os Bancos têm de recorrer ao empréstimo interbancário que certamente vai praticar taxas de juros mais elevadas. E é no diferencial entre as operações activas e as passivas que os Bancos tiram os seus lucros. Quanto mais apertado for esse diferencial menor são os ganhos. A acumulação de créditos malparados e as aplicações de depósitos em investimentos de alto risco são meio caminho andado para a falência dos Bancos.

 

Perante a situação preocupante que o país atravessa os partidos políticos na Assembleia da República gastam o tempo em ataques pessoais ao primeiro-ministro e em assuntos que só aos tribunais dizem respeito. Seria bem melhor que se encontrassem e apresentassem soluções para reduzir o deficit e o desemprego e para estimular a economia. É pena que não haja acordo no essencial e se perca tempo em questões secundárias. O pior que nos poderia acontecer era os partidos provocarem a queda do Governo e lançarem o país num ciclo de instabilidade do qual dificilmente conseguiremos sair. O que os portugueses esperam é que a classe política assuma as suas responsabilidades colocando os interesses do país acima das guerras partidárias.

 

FRANCISCO  MARTINS

 

 

publicado por pontodemira às 18:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds