Sábado, 31 de Outubro de 2009

O NOVO GOVERNO ( que expectativas )

 

O partido Socialista ganhou as eleições legislativas e tem toda a legitimidade para governar.   O Governo que tomou posse no dia 26 tem 8 novos ministros, dos quais 5 são mulheres. Não são nomes sonantes, nem seria de esperar, num governo minoritário,  mas a escolha de alguns  ministros indicia o propósito de uma mudança à esquerda ou de alteração nas políticas seguidas como é o caso da Educação.

Teixeira dos Santos e Vieira da Silva que deram provas de grande competência continuam no novo governo embora o segundo tenha transitado para a pasta da Economia. Estes nomes tranquilizam e dão à partida uma certa garantia de qualidade em áreas sensíveis e de grande importância como as Finanças e a Economia.

Os tempos que aí vêm são difíceis e com um governo fragilizado por não ter uma maioria no Parlamento a situação complica-se ainda mais. Não sabemos como é que o Ministro das Finanças vai diminuir o déficit orçamental que se situa em 6% do PIB e ao mesmo tempo libertar o dinheiro para investir e para pôr a funcionar a economia.  Aumentar os impostos não é uma solução em tempo de crise pois vai reduzir ainda mais os rendimentos  das classes mais desfavorecidas. Baixar as despesas só se for em gastos sumptuários e nunca na saúde ou na educação. A única saída que resta é atacar ainda mais a fraude fiscal pois poderá estar aqui a chave para um aumento substancial das receitas do Estado. O Ministro da Economia tem também um trabalho importante a desenvolver  pois segundo os dados estatísticos há cerca de 700 000 pessoas desempregadas. É preciso apostar na formação de trabalhadores e na inovação tecnológica dado que a competitividade em mão de obra barata  não faz  qualquer sentido, hoje, face à com concorrência chinesa. O investimento em obras públicas e no apoio  às PMEs é absolutamente necessário para reanimar a economia.

  Uma outra reforma que tem de ser feita e a incluir na lista das prioridades é a da Justiça que tem de ser célere e eficiente. Se o ratio de magistrados por habitante está ao nível dos outros países europeus não se percebe por que é que os tribunais são tão lentos. Penso que a Justiça poderia melhorar se fossem tomadas entre ouras as seguintes medidas:

a)      dar aos juízes um período curto para tomar decisões

b)      conceder apenas um recurso na maioria dos processos

c)      retirar dos tribunais os casos mais simples transferindo-os para tribunais arbitrais ou para julgados de paz.

É uma vergonha que muitos processos se arrastem por tempo indeterminado acabando mesmo nalguns casos por prescrever. Nos Estados Unidos o principal responsável pela falência da Banca, Madoff foi rapidamente julgado e condenado a 150 nanos de cadeia. Se isto se passasse em Portugal iria aguardar  julgamento em prisão domiciliária e quem sabe se com o tempo não acabaria por ser libertado por não se encontrarem provas suficientes para o condenar.

 

A Ministra da Educação vai ter de negociar com os sindicatos dos professores que pedem desde já a suspensão da avaliação . Quanto a mim  os professores não querem é  ser avaliados e acabar com as quotas que os impeçam de chegar ao topo da carreira, caso não atinjam a classificação exigida para o efeito.  Espero que a avaliação não vá parar ao cesto dos papeis pois os professores não são, nem podem ser ,uma classe privilegiada ou uma excepção à regra no conjunto dos funcionários da administração pública.

 

Mas nem tudo são espinhos para o Governo. Alguns diplomas que foram vetados pelo senhor Presidente da República, os seja concretamente, a nova lei do divórcio , as uniões de facto e o casamento dos homossexuais, vão ser facilmente aprovados no Parlamento com a ajuda do bloco de Esquerda e do Partido Comunista. O Primeiro-Ministro José Sócrates irá ficar na História, como tudo leva a crer, como o político que instituiu em Portugal o casamento dos homossexuais. Essa proeza ninguém lha poderá tirar. A construção do TGV que divide muitos economistas, também vai passar com facilidade no Parlamento. Se é certo que Portugal não pode ficar como um país periférico da Europa a verdade é que este empreendimento irá aumentar de forma considerável o nosso endividamento externo e a sua rentabilidade pode não compensar o esforço financeiro que terá de ser feito.

 

 Quanto tempo se irá aguentar este governo. Durante pelo menos 2 anos nenhum partido terá coragem de o derrubar pois se o fizesse arriscar-se-iam a ser penalizados nas próximas eleições. José Sócrates terá de dialogar muito e obter consensos pontuais para sobreviver. E as grandes reformas, provavelmente, irão ser sucessivamente adiadas. É um facto que o governo do Eng. Guterres se aguentou durante 6 anos em minoria. Mas hoje a situação económica e financeira do país é diferente e qualquer súbito agravamento poderá ditar a queda do executivo. Esperemos que prevaleça o sentido de Estado e que surja um consenso de todos os partidos naquilo que é fundamental para o desenvolvimento do país.

 

 

FRANCISCO MARTINS

 

publicado por pontodemira às 14:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Democracia, populismo e x...

. Democracia,populismo e xe...

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds