Sábado, 15 de Agosto de 2009

A ENCÍCLICA SOCIAL DE BENTO XVI ( CARITAS IN VERITATE )

 

1-A última encíclica do Papa Bento XVI tem como tema central o desenvolvimento nas suas diversas vertentes : humana, económica e dos povos. Em correlação com o tema são abordados outros assuntos dos quais podemos destacar os seguintes: trabalho, religião, família, sexualidade, turismo social, bioética, aborto, planificação eugénica dos nascimentos, etc..  A encíclica é um documento extenso, escrito por um grande teólogo e filósofo e por isso a linguagem utilizada pode não ser muito clara para o comum das pessoas. A encíclica Caritas in Veritate vem na sequência de outras como a” Populorum Progressio” , à qual Bento XVI dedica um capítulo, e insere-se no que podemos designar por doutrina social da Igreja.

Para o Papa todo o desenvolvimento para ser autêntico tem de orientar-se pela ética e pelos princípios do humanismo cristão. A caridade e a Verdade do Evangelho têm de estar presentes  nos dias de hoje pois é nesta base que se poderá trabalhar pela justiça e pelo bem comum.  Por outro lado, um verdadeiro desenvolvimento implica também partilha de bens e de recursos.

No capítulo II o Papa enumera tudo aquilo que constitui um verdadeiro entrave ao desenvolvimento humano no nosso tempo: corrupção e ilegalidades nos países e ricos e também nos países pobres ; empresas transnacionais que não respeitam os direitos humanos ; crescente mobilidade dos capitais financeiros para as áreas em que se produz a baixo custo ; desregulamentação do mundo do trabalho e das redes de segurança social.

 O Papa diz ainda que o homem é o principal protogonista , o centro e o fim de toda a vida económica e social e que a melhor ajuda aos países pobres tem de começar por eliminar as causas estruturais que impedem o desenvolvimento, investindo em infra-estruturas.

 

No capítulo dedicado ou desenvolvimento económico e sociedade civil,  Bento XVI esclarece que a teria económica não é eticamente neutra nem de natureza desumana e anti-social e que a doutrina social da Igreja sempre defendeu que a justiça diz respeito a todas as fases da actividade económica. Afirma ainda que a globalização, “ a priori “ ,não é boa nem má. Será aquilo que as pessoas fizerem dela. O que é preciso é orientá-la em termos de relacionamento e de partilha.

 

Para o desenvolvimento dos povos é necessário respeitar o meio ambiente. Diz o Papa que quando a natureza, a começar pelo ser humano, é considerado um fruto do acaso ou do determinismo a noção de responsabilidade debilita-se nas consciências. Apela ainda às pessoas para reverem o seu estilo de vida, que em muitas partes do mundo pende para o hedonismo e o consumismo, sem olhar aos danos que daí derivam. Um outro aspecto a ter em conta é que os homens actuem como constituindo uma só família. A globalização deve ser orientada  pelos princípios da subsidiariedade e da solidariedade . Entende ainda que as Nações Unidas devem ser reformadas e que faz falta a criação de uma Autoridade Mundial que garanta o desarmamento, a segurança, a paz, a salvaguarda do meio ambiente e regule os fluxos migratórios.

 

Na parte final o Papa relaciona o desenvolvimento com a técnica. O desenvolvimento tecnológico pode levar as pessoas à auto-suficiência  ou absolutização da técnica. Ora, “ a razão sem fé está destinada a perder-se na ilusão da própria omnipotência, enquanto a fé sem razão corre o risco de alheamento da vida concreta das pessoas. E acrescenta ainda “ não  há desenvolvimento pleno nem bem comum universal sem o bem espiritual e moral das pessoas, consideradas na sua totalidade de alma e corpo. “

Bento XVI conclui a sua encíclica afirmando que ao serviço do desenvolvimento deve estar um humanismo cristão. O humanismo que exclui Deus é um humanismo desumano.

 

 

2-Num texto publicado no Diário de Notícias o padre e filósofo Anselmo Borges também se refere à encíclica de Bento XVI e levanta as seguintes questões:  Será possível um desenvolvimento sem limites num Mundo limitado ?  Não é verdade que se torna cada vez mais claro que o trabalho se tornou definitivamente um bem escasso e que é preciso partilhá-lo, com todas as consequências ? Questiona ainda o que acontecerá se os três mil milhões de chineses e indianos quiserem e obtiverem os padrões de vida e consumo ocidentais.

Estas questões dão que pensar e obrigam-nos a reflectir sobre  problemas reais como a moderação do consumo, a mudança de estilo de vida e a partilha do trabalho. Naturalmente que é  preciso que uns consumam menos para que outros tenham tenham um modo de vida decente. É também necessário que as grandes empresas e as multinacionais não sacrifiquem postos de trabalho para obterem mais lucros. Os bens do planeta Terra foram criados por Deus para serviço e proveito de todos os homens e não de alguns privilegiados. Se a humanidade compreendesse isto o mundo seria bem melhor.

 

 

FRANCISCO MARTINS

 

publicado por pontodemira às 10:49
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds