Domingo, 28 de Junho de 2009

DEUS E AS PENAS DO INFERNO

1-Há dias, quando acabou o telejornal das 13 horas na RTP, mudei de canal e fui parar à TVI que estava a transmitir o programa “ Tardes da Júlia “. O tema em debate era, espero não cometer nenhuma imprecisão, “Deus e as penas do inferno “. Dado que este tema me interessava resolvi assistir.  Como convidados estavam presentes um ateu militante e o padre Mário de Oliveira que se diz cristão e é muito conhecido por negar as aparições de Fátima. Depois de uma breve introdução foram passadas algumas entrevistas de rua e em que se pedia às pessoas para responder a duas perguntas: Será que Deus existe ? Acredita que o inferno existe ? À primeira pergunta e de uma maneira geral todos responderam afirmativamente. Quanto à segunda muitos disseram que não acreditavam. Introduzido o tema passou-se ao debate com os depoimentos dos convidados.

O ateu defendeu a sua tese - Deus não existe – e não disse nada de novo. Argumentou que a Ciência hoje explica tudo ou quase tudo e que Deus não é necessário para nada. O Deus da Bíblia é um deus controlador que tira aos homens toda a sua liberdade. Seria impensável viver pensando que estamos  a ser vigiados e podemos ser castigados pelos

nossos excessos e vícios. O Padre Mário de Oliveira subscreveu todas estas teses e com tal ênfase que a entrevistadora, Júlia Pinheiro, lhe perguntou se ele também era ateu. Explicou depois de forma explícita que era cristão e acreditava fundamentalmente em Jesus Cristo mas não se revia em certos dogmas ou doutrinas da Igreja Católica.  Pessoalmente entendo que há matérias a precisarem de um maior estudo , aprofundamento e actualização por parte da igreja católica. Hoje vou abordar apenas o dogma do pecado original e as penas do inferno.

 

2- Como já anteriormente disse num texto que escrevi o pecado original é uma criação do Santo Agostinho com base numa interpretação errada do Génesis.  Para o exegeta Armindo Vaz, o homem evolui naturalmente até chegar à idade da razão que lhe permitiu distinguir o Bem do Mal. Assim todas as acções  do primeiro casal têm em vista complementar a sua formação : comer da árvore do conhecimento ( aquisição do conhecimento ) ; cobrir a nudez ( aquisição da civilização ); sentença divina, decreto de morte e expulsão ( aquisição da condição de sofredor, mortal e trabalhador ).  Não há pois violação de nenhuma norma ética nem sequer de pecado. O pecado teológico resulta da ruptura de um compromisso recíproco de amor gratuito entre Deus e o ser humano. Ora, o que há é uma proibição que de forma alguma aparece ligada a uma promessa salvífica que o casal tivesse desaprovado ou desperdiçado.

A narrativa do Génesis insere-se como diz o teólogo Armindo Vaz no mito das origens que “ pretende explicar a criação do Homem por Deus e a sua condição finita “ É natural que o narrador se tenha deixado influenciar por outros mitos mesopotâmicos como o de Guilgamesh.  Neste mito o herói pensa ter apanhado a planta da vida –imortalidade e a serpente rouba-lha.

Ainda a propósito do pecado original e das crianças que morriam sem ser baptizadas, houve através dos tempos uma evolução significativa. Seguindo um texto do Padre Anselmo Borges ( 1 ) que passo a citar “ Santo Agostinho não hesitou em deixar cair no inferno as crianças que morriam sem baptismo, entrando assim no Ocidente uma concepção bárbara de Deus. E como poderia aceitar-se a condenação eterna de crianças inocentes, a não ser que recebessem o baptismo ? O limbo apareceu na Idade Média para atenuar esta crueldade. Assim, as crianças sem baptismo ficavam privadas da visão de Deus mas não eram condenadas ao inferno. Erguia-se, porém, legitima a pergunta: não se trataria de um castigo ? e como poderia Deus, infinitamente poderoso e bom, estar dependente de uma concha de água ?

Em 1984, o teólogo Joseph Ratzinguer afirmara que o limbo era uma hipótese teológica. Agora, o Papa Bento XVI aprovou um documento de 41 páginas, preparado pela Comissão Teológica Internacional que acaba com o limbo e abre as portas da salvação às crianças que morreram sem ser baptizadas “ ( fim de citação ) . Só é pena que outras matérias não tenham evoluído da mesma maneira.

 

3-O que é o inferno e as penas do inferno ? Sabemos que o inferno  não faz parte do Credo Cristão embora haja referências a ele nas orações sobretudo quando se reza o terço :” livrai-nos senhor do fogo do inferno “  Sabemos também que o inferno servia para meter medo a muitas pessoas e para aterrorizar as crianças. Este foi o lado negativo da Religião. Em vez de ser esperança, alegria e conforto para os cristãos foi pelo contrário origem de pesadelos e de sofrimento.   Penetrar nos mistérios insondáveis de Deus e  no  “ Mundo novo que há-de vir “ não está ao alcance da inteligência humana. Quando nos deparamos com tanta injustiça neste mundo acreditamos que Deus irá recompensar os bons e castigar os maus.  De qualquer forma não podemos pensar num Deus castigador capaz de atormentar eternamente os pecadores. O que se irá passar é pura especulação que nos ultrapassa. Há no entanto figuras da Igreja como o Cardeal Carlos Martini cuja fé lhes diz “que no fim o amor de Deus é mais forte” . Temos de confiar e ter esperança em Deus que nunca nos abandona mesmo nas situações de fraqueza e de pecado. Só Deus nos dá força , paz e tranquilidade nos momentos mais difíceis da nossa vida. A este respeito, nada melhor do que citar Santo Agostinho quando no seu livro “Confissões “ tem este desabafo : “o nosso coração está inquieto enquanto não repousa em ti, Senhor “

 1-Janela do Infinito ( pag.230) -Anselmo Borges -Campo das Letras

 

 FRANCISCO MARTINS

 

publicado por pontodemira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Os incêndios florestais (...

. Os grandes filósofos: Mar...

. Os Grandes filósofos: Ben...

. Os incêndios florestais

. O Euro- como moeda única ...

. O Papa Francisco peregrin...

. O terrorismo

. As baboseiras do Sr. Jero...

. Bandarra: profetismo mes...

. A Ordem Mundial

.arquivos

. Outubro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds